O centenário do empresário Francisco Alberti - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Memória22/10/2016 | 06h30Atualizada em 25/10/2016 | 13h11

O centenário do empresário Francisco Alberti

Comerciante nasceu em 6 de setembro de 1916 e foi um dos fundadores da Casa Prataviera 

O centenário do empresário Francisco Alberti Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami/divulgação
Francisco Alberti recebe a rainha da Festa da Uva 1961, Helena Robinson, nas dependências da Casa Prataviera Foto: Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação

O centenário de nascimento foi completado oficialmente em 6 de setembro, mas nunca é tarde para recordar de um dos mais importantes nomes do comércio em Caxias do Sul: Francisco Alberti, cuja trajetória esteve atrelada por décadas à lendária Casa Prataviera.

Casa Prataviera: um ícone do Centro de Caxias

Filho de Carlos Alberti e de Marcelina Boff Alberti, Francisco nasceu em 1916, seis anos após a chegada do trem e a elevação de Caxias à categoria de cidade. Acompanhando o pai carreteiro e o visível desenvolvimento da antiga vila, desde cedo o menino buscou seu próprio sustento.

Foi auxiliar de padaria, armazém, pensão, e vendedor ambulante de verduras, não recusando nenhum tipo de atividade que o ajudasse a juntar uns "trocados" – para comprar roupas, calçados e, especialmente, ajudar a mãe na aquisição dos mais variados mantimentos, que dona Marcelina, uma exímia cozinheira, usava no preparo das refeições.

Eberle: o jubileu de prata de Hugo Seidl em 1952
Família de Raymundo Magnabosco em 1946
Ferragem Caxiense em 1947

Aos 21 anos, em 1937, o jovem obteve emprego em uma das principais lojas da cidade, a Casa Magnabosco – logo, porém, ele foi designado para atuar como "caixeiro" na filial do Magnabosco em Vacaria, nos Campos de Cima da Serra, onde permaneceu até 1938.

Retornando à matriz caxiense – e a partir do contato com a clientela e os companheiros de trabalho –, novas perspectivas surgiram para Francisco. No âmbito profissional, os ex-colegas Raymundo Alberti (o irmão mais velho) e João Prataviera, que atuavam como representantes comerciais, uniram-se a ele em prol de um novo negócio. Já na vida pessoal, a jovem Lilia Rizzana motivava um futuro em comum.

Todos esses destinos encontravam-se unidos em maio de 1942, quando a Casa Prataviera abriu suas portas na esquina da Rua Visconde de Pelotas com a Avenida Júlio de Castilhos. Com simplicidade, preços acessíveis na venda de tecidos, aviamentos e miudezas, e empatia com o público, novas conquistas se sucederam.

Paralelamente ao casamento com Lilia, em 1945, e ao nascimento das filhas Lucila e Liliana, do filho Geraldo (1955-1956) e de Lisete, o empreendimento evoluiu. Já em finais dos anos 1950, a loja migrava da esquina para o majestoso novo prédio próprio a poucos metros dali, na Av. Júlio, 2.030, constituindo-se em referência no segmento a partir de então.

Leia mais:
Varejo do Eberle, um clássico do Centro
Interiores da Loja Magnabosco nos anos 1950
Lembranças do Mariani Artefatos de Couro
Nu fotográfico agita a Aliança Francesa em 1955
Acrobatas alemães agitam o Centro de Caxias em 1957
Flâmulas e adesivos que fizeram história em Caxias do Sul
Os preferidos dos caxienses em 1954

Registro do casamento de Francisco Alberti e Lilia Rizzana, em 1945 Foto: Studio Geremia / Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami,divulgação
Diretores João Prataviera e Francisco Alberti recebem as soberanas da Festa da Uva 1961: a rainha Helena Roninson (ao lado de Francisco) e as princesas Tânia Geremia (E), Maria Helena Triches Minghelli, Enrica Paschero e Jussara Queiroz Foto: Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação

Leia mais:
Miss Brasília: um aniversário na Festa da Uva de 1961
Um ensaio com as soberanas da Festa da Uva de 1965
Festa da Uva 1965: miss, bomba e cuia no desfile

O primeiro shopping

Em 1993, a Casa Prataviera transformou-se no primeiro shopping center de Caxias, dando sequência ao perfil inovador e visionário de seus fundadores.

Cinco anos depois, em 1º de novembro de 1998, Francisco "Chico" Alberti morreu, deixando um legado de trabalho e perseverança aos futuros talentos empreendedores de Caxias do Sul. 

Ele tinha 82 anos. A esposa Lilia faleceu três anos depois, em 2001, também aos 82.

Francisco Alberti recebe o "Troféu Caxias 104", distinção promovida pelo ex-Jornal de Caxias e Rádio São Francisco, em 1980, no Clube Juvenil Foto: Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação
Mario Vanin e Francisco Alberti durante a  inauguração do Shopping Prataviera, em 29 de julho de 1993. Foto: Carla Pauletti / Agencia RBS

Confira outras publicações da coluna Memória

Leia antigos conteúdos do blog Memória


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros