Casarão de Germano Parolini na Av. Júlio - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória31/10/2016 | 06h50Atualizada em 31/10/2016 | 06h50

Casarão de Germano Parolini na Av. Júlio

História do sobrado e de seu primeiro proprietário foi revista a partir de um resquício arquitetônico da fachada

Casarão de Germano Parolini na Av. Júlio Roni Rigon/Agencia RBS
Fachada do casarão sofreu todo tipo de alteração e hoje é uma das mais comprometidas da Av. Júlio de Castilhos, no trecho entre as Ruas Visconde de Pelotas e Dr. Montaury Foto: Roni Rigon / Agencia RBS

Um detalhe arquitetônico quase imperceptível por vezes impulsiona a retomada de uma história secular. Foi o que ocorreu a partir de uma recente observação do historiador Juventino Dal Bó sobre o antigo – e maltratado – casarão da família Parolini, localizado na Av. Júlio de Castilhos, 1.983, entre as ruas Visconde de Pelotas e Dr. Montaury.

Conforme Dal Bó, as sílabas "LINI", na grade de ferro original da varanda (detalhes abaixo), são os resquícios da inscrição Germano Parolini – negociante, membro da Junta Municipal entre 1890 e 1891 e primeiro proprietário do imóvel. 

Juventino Dal Bó e um relicário para Lucia Carbone

Detalhe do que sobrou da inscrição Germano Parolini Foto: Roni Rigon / Agencia RBS

O proprietário

Imigrante italiano natural da região do Tirol, Germano Parolini foi casado com Emília Parolini, com quem teve duas filhas, Inês e Adele. Segundo registros de 1918, o comerciante possuía três sobrados "de material" na Av. Júlio de Castilhos, que acabaram sendo herdados pelos descendentes – a residência em questão foi, posteriormente, a moradia do neto Emílio Parolini Pezzi.

Na imagem abaixo vemos o casarão dos Parolini em finais da década de 1920, quando o térreo abrigava a casa de comércio da família. Na lateral, a placa com o nome dos proprietários: Viúva Mansueto Pezzi e Filhos. E na grade da sacada, a inscrição completa: Germano Parolini. 

Leia mais:
Os antigos quiosques da Praça Dante Alighieri
Armazém de Antonio Boz nos anos 1940
Venda a granel: ontem, hoje e sempre
Ferragem Caxiense em 1947
Um coreto no coração da Praça Dante
Busto de Dante Alighieri completa 100 anos na praça

O casarão e a casa de comércio da família Parolini em finais da década de 1920 Foto: Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação
A inscrição Germano Parolini na grade de ferro da  sacada Foto: Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação
O imigrante italiano Germano Parolini, dono de uma das primeiras casas de alvenaria de Caxias Foto: Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação

As primeiras casas de alvenaria

Erguido nos primórdios do século 20, o sobrado de Germano Parolini teria sido uma das três primeiras casas de alvenaria da cidade, então dominada por moradias em madeira.

Segundo Marcos Fernando Kirst, autor do livro Ecos do Passado, os tijolos saíram da primeira olaria instalada em Caxias. A fábrica começou a ser montada pelo imigrante italiano Felix Laner em finais de 1882, nos lotes urbanos localizados na Rua Vinte de Setembro, entre a Marquês do Herval e a Borges de Medeiros.

Já a inauguração deu-se em 1883, com instalações e equipamentos bastante modernos para a época: um forno para cozimento do barro aberto por cima e um barracão para a secagem e armazenamento dos tijolos. Além de estruturar a residência de Germano Parolini, as primeiras fornadas deram forma às casas do próprio Félix Laner e de Stefano Alberti.

A olaria funcionou até meados de 1909.

Leia mais:
O passado ecoa em livro de Marcos Fernando Kirst
O dia em que Caxias virou Pérola das Colônias
Casarões antigos iluminados à noite: adote esta ideia
Casarão dos anos 1930 "reaparece" na Av. Júlio de Castilhos
Casarões antigos ressurgem no centro de Caxias

O casarão (à direita) e a Av. Júlio de Castilhos no início dos anos 1980 Foto: Studio Geremia / Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami,divulgação

Descaso com a fachada

Coberta durante anos pelas enormes placas publicitárias, a fachada histórica do casarão ressurgiu ano passado, com as lojas adequando-se à lei que regulamenta o tamanho dessas estruturas em prédios antigos.

O resultado não poderia ser outro: visíveis sinais de descaso e falta de conservação dos proprietários e atuais locatários. Aberturas revestidas com tijolos, detalhes suprimidos, grade da varanda original serrada ao meio, pintura descascada e fiação exposta transformaram um dos mais belos casarões do trecho em um exemplo... a não ser seguido.

Com a retirada das antigas placas publicitárias, segundo pavimento trouxe à tona os reflexos de anos de descaso e má conservação  Foto: Roni Rigon / Agencia RBS
Grades, equipamentos de ar condicionado e janelas fechadas com tijolos comprometem a arquitetura histórica Foto: Roni Rigon / Agencia RBS
Detalhes no topo do casarão também sofrem com a falta de pintura e manutenção Foto: Roni Rigon / Agencia RBS
Grade foi cortada ao meio, restando apenas o LINI, de Germano Parolini, primeiro proprietário da casa Foto: Roni Rigon / Agencia RBS

Parceria

Informações e fotos desta coluna são uma colaboração do Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, do escritor e jornalista Marcos Fernando Kirst e do historiador Juventino Dal Bó.

Confira outras publicações da coluna Memória

Acesse antigos conteúdos do blog Memória

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros