A trajetória da professora Ida Matté - Geral - Pioneiro

Memória13/10/2016 | 08h11Atualizada em 13/10/2016 | 17h49

A trajetória da professora Ida Matté

Nos anos 1940 e 1950, educadora estudou e deu aulas na Escola Felipe Camarão, na 4ª Légua, em Galópolis

A trajetória da professora Ida Matté Arquivo pessoal de Daniela Maria Uez/Divulgação
Galópolis em 1952: o sub-prefeito Augusto Adamatti e um grupo de professoras do antigo distrito, entre elas Ida Matté, Percilia Dambroz, Adélia Dapont e Arlinda Manfro Foto: Arquivo pessoal de Daniela Maria Uez / Divulgação

O Dia do Professor, comemorado neste sábado (15), serve para recordarmos da trajetória da professora caxiense Ida Matté, 87 anos. Nascida em 21 de outubro de 1928, dona Ida iniciou seus estudos na Escola Felipe Camarão, situada próximo de sua casa, no Travessão Tirolez da 4ª Légua, em Galópolis.

Conforme informações disponibilizadas pela família, a jovem estudou até a quarta série, finalizada em 1943 — Ida, inclusive, era colega de classe de suas duas irmãs mais novas, Júlia e Elisa, e tinha como professora Aracy Sbersi. Já em 1946, foi necessária a contratação de uma nova professora para a escola. Como Ida havia sido aprovada no exame de suficiência para o magistério municipal, a partir de 1º de abril daquele ano, ela passou a lecionar no mesmo colégio no qual fora alfabetizada.

A escola possuía somente uma sala, e as aulas eram ministradas para alunos de todas as séries, do primeiro ao quinto ano. Cabia à professora, então, organizar a classe: enquanto um grupo realizava as tarefas, Ida "passava a matéria" para as crianças do outro nível.

Leia mais:
O antigo guardião de Galópolis
Galópolis antiga: uma formatura de corte e costura em 1953
Galópolis na Festa da Uva de 1954
Casarão da família Stragliotto, um símbolo de Galópolis
Galópolis: trajetória das famílias Sbabo e Balzaretti

Recordação do tempo de aluna

Na imagem abaixo, a turma da Escola Felipe Camarão, de Galópolis, entre 1941 e 1943, quando Ida estava no 4º ano. Sentados, da esquerda para direita, estão Paulo Erlo, Gomercindo Matté, Olinda Moschen, Elisa Matté e Santina Moschen. Ajoelhados, Mercedes Faoro, Luis Faoro, Olimpio Dalcorno, Alcides Matté, Graciosa Matté e Alcides Canale. Em pé vemos Marcolina Spido, Ida Matté, Júlia Matté, Graciosa Moschen, Nelsa Matté, Olindo Matté, Elsa Sbersi, Olga Dalcorno, Josefina Faoro e Aurora Erlo, entre outras crianças não identificadas. Atrás estão o inspetor escolar Domingos Sbersi, a orientadora do ensino primário Ester Troian Benvenutti e a professora Aracy Sbersi. 

A trajetória da professora Ester Troian Benvenutti

A turma da 4ª série da Escola Felipe Camarão, por volta de 1942, onde Ida Matté estudou. Foto: Acervo pessoal Daniela Maria Uez / Divulgação
Alunos da escola Felipe Camarão na festa do exame, no início dos anos 1950. À direita, atrás dos dois meninos, a professora Ida Matté.  Foto: Arquivo pessoal de Daniela Maria Uez / Divulgação
Inauguração do novo prédio da Escola Felipe Camarão em agosto de 1948.  Foto: Arquivo pessoal de Daniela Maria Uez / Divulgação
Escola Felipe Camarão no início dos anos 1950: Ida Matté (na porta entre as meninas com laço na cabeça), Leonora Dalpicol, Paulina Matté, Estela Furlan, Angelina Dapont e Augusto Dambroz (com o cigarro na boca).  Foto: Arquivo pessoal de Daniela Maria Uez / Divulgação

Mudança a partir de 1954

Em 1954, a educadora casou-se com Claudino Santa Catarina – com quem teve os filhos Carlos, Maria e Miguel — , indo morar na localidade de Nova Palmira. Com a mudança, as aulas na Escola Felipe Camarão passaram a ser ministradas pelas irmãs Júlia Matté (de 1954 até 1960) e Elisa Matté (a partir de 1961).

Ida passou, então, a lecionar em Vila Cristina, em uma escola próxima à ponte do rio Caí – naqueles tempos, o percurso entre a localidade de Nova Palmira e Vila Cristina era feito a cavalo.

— A lembrança mais comentada é que a professora dava "carona" a cavalo para o aluno João Erlo, que morava próximo de sua casa em Nova Palmira. Além disso, a senhora Beatriz Basso, aluna de dona Ida por volta de 1960, lembra com carinho de uma casinha criada pela professora com caixas de fósforo para uma atividade didática — recorda a neta Daniela Maria Uez.  

Leia mais:
Galópolis: Grupo de Bolão Explosivo em 1945
Uma nova igreja para Galópolis em 1947
Teatro no Cine Operário de Galópolis em 1947
Capitel de São Roque: uma tradição de Galópolis
Para recordar do antigo Cine Operário de Galópolis

São Romédio em 1969: Ida Matté e a turma do aluno Rudi Lorenzi (à esquerda, de gravata), na Escola Carlos Gomes Foto: Arquivo pessoal de Daniela Maria Uez / Divulgação

Aulas em São Romédio

Em meados da década de 1960, Ida e a família deixaram Nova Palmira, passando a residir no bairro São Leopoldo. Em 1965, a professora começou a lecionar no Grupo Escolar Carlos Gomes, em São Romédio, onde trabalhou até o início do anos 1970.

Os 140 anos de São Romédio
São Romédio, talian e as origens de Caxias do Sul


— Nos dias mais frios, as aulas eram ministradas em uma sala onde tinha um fogão à lenha — recorda o ex-aluno Rudi Lorenzi.

Ele também conta que a professora costumava visitá-lo enquanto ele se recuperava de um acidente de carro e que, junto com a mãe, costumava ver a educadora aos domingos.

Dona Ida aposentou-se em 1971, por motivos de saúde. 

Colaboração

Informações desta coluna são uma colaboração da leitora Daniela Maria Uez, neta de dona Ida.

Encontro da família Uez em Galópolis
Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória

 
 

Siga o Pioneiro no Twitter

  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.com"Quem fala pela transição não é o vice, é a coordenação-geral", diz prefeito eleito de Caxias do Sul https://t.co/jEpP5ESH1f #pioneirohá 3 horas Retweet
  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.comVice-prefeito eleito de Caxias pede desfiliação do PRB https://t.co/s9pmLLKOiy #pioneirohá 4 horas Retweet

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros