Da Itália para Nova Pádua: a trajetória da família Tonet - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória26/09/2016 | 10h25Atualizada em 26/09/2016 | 10h46

Da Itália para Nova Pádua: a trajetória da família Tonet

Em 1875, casal Antônio Tonet e Catterina Lorenzon saiu da comunidade de Miane, na região do Vêneto, para embarcar em Gênova rumo ao Brasil

Da Itália para Nova Pádua: a trajetória da família Tonet Acervo pessoal de Alcides Sartori/Divulgação
 Registro da família de Girolamo e Emilia Trevisan em 1924, em Nova Pádua Foto: Acervo pessoal de Alcides Sartori / Divulgação

Entre as milhares de pessoas que deixaram a Itália em busca de melhores condições de vida, em 1875, estavam os imigrantes Antônio Tonet e Catterina Lorenzon. O casal saiu da comunidade de Miane, na região do Vêneto, para embarcar em Gênova rumo ao Brasil. A jornada foi acompanhada pelos filhos Girolamo e Angela, à época com quatro e oito anos, respectivamente. Quando desembarcou no porto do Rio de Janeiro, a família passou pela chamada "quarentena", e posteriormente, seguiu para Porto Alegre. Da Capital, o deslocamento foi feito de barco até a localidade de São José de Montenegro. O percurso, porém, não acabou por aí: os imigrantes andaram (uns a pé, outros a cavalo) 75 quilômetros até o núcleo Conde D'Eu, atual cidade de Garibaldi.

Os Tonet começaram a vida no Rio Grande do Sul na Linha Borghetto, onde plantaram as mudas de parreira trazidas da Itália, juntamente com outras sementes. Alguns anos depois, Antônio faleceu, o que fez com que o filho Girolamo assumisse os compromissos da família. Ele casou-se com Emilia Trevisan, com quem teve os filhos Rosa, Antônio, Emilio, Lucia, Maria e Catherina. Por volta de 1892, a família mudou-se para Farroupilha, onde instalou uma serraria e um barbacuá.

No início do século 20, a diminuição dos pinheiros na localidade fez com que os Tonet se transferissem para Nova Pádua, à época distrito de Flores da Cunha. Além de uma serraria, a família cultivava parreiras e outros produtos agrícolas. Por lá, eles tiveram mais cinco filhos: Ernesto, Pedro, Girolamo Filho, Angelina e Armelinda Angela, sendo que Pedro e Girolamo faleceram com poucos dias de vida e Angelina, com apenas 11 meses. 

Leia mais
140 anos de imigração italiana: a saga dos Cantarelli
Imigração italiana: encontro da família Foletto
140 anos de imigração italiana: o dia em que Caxias virou pérola
Encontro da família Menegat movimenta Nova Pádua.

Nova Pádua: uma foto em 1924

Para resgatar a memória da família, em 2009 ocorreu o primeiro encontro dos Tonet no Travessão Leonel, em Nova Pádua. A festa foi coordenada por Girolamo (filho de Ernesto) e sua esposa, a professora Gema Menegat Tonet. Cerca de 500 pessoas participaram do evento, que também comemorou o aniversário de 90 anos de Armelinda Angela, nascida em 1919.

Na imagem acima, um registro da família de Girolamo e Emilia Trevisan em 1924, em Nova Pádua. Em pé da direita para a esquerda estão os filhos Ernesto, Emilio, Antônio, Rosa, Maria e Lucia. Sentados: o patriarca Girolamo, a caçula Armelinda Angela, a matriarca Emilia e a filha Catherina.

Capela do Travessão Leonel, em Nova Pádua, local onde Armelinda Angela foi batizada com apenas oito horas de vida Foto: Acervo pessoal de Alcides Sartori / Divulgação

A igreja

Foi na igreja do Travessão Leonel (foto), em Nova Pádua, que a filha caçula de Girolamo e Emilia, Armelinda Angela, foi batizada com apenas oito horas de vida, para aproveitar a visita do sacerdote na comunidade.

— A nonna nem foi para o batizado, minha mãe foi levada pela dinda — conta Alcides Sartori, filho de Armelinda Angela.

Armelinda Angela e Atilio Sensolo foram as primeiras crianças batizadas na capela construída em 1919.

Informações desta coluna são uma colaboração de Alcides Sartori, filho de Armelinda Angela. 


Confira outras publicações da coluna Memória

Leia antigos conteúdos do blog Memória

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros