Entenda os motivos que levam Veranópolis ser chamada de Terra da Longevidade - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Melhor Idade19/08/2016 | 11h03Atualizada em 19/08/2016 | 18h41

Entenda os motivos que levam Veranópolis ser chamada de Terra da Longevidade

Município busca título de Cidade Amiga do Idoso da OMS


Grupo de Convivência sonha em ter um centro para se tornar sede dos encontros semanais Foto: Roni Rigon / Agencia RBS

O pacto que Veranópolis assume com a Organização Mundial da Saúde (OMS) para obter o selo de Cidade Amiga do Idoso é um importante avanço para tornar o município um lugar agradável para se envelhecer. É bastante comum que moradores ultrapassarem a marca de 90 anos. Sabe-se que 15,3%% da cidade tem acima de 60 anos, por exemplo, e a expectativa de vida por lá é de 75,3 anos.

Aos 98 anos, morador de Veranópolis tem rotina de trabalho no campo

O acordo firmado entre prefeitura e OMS é para garantir que sejam feitos investimentos na infraestrutura, lazer, transporte, moradia que reflitam diretamente na qualidade de vida. As diretrizes foram baseadas nas respostas de 836 moradores com mais de 60 anos em uma pesquisa. A maior parte dos consultados observou a necessidade de melhorias em calçadas e mais oferta para idosos em um âmbito geral. Um dos desafios identificados na pesquisa e que já vem sendo trabalhado é melhorar a relação entre a terceira idade e a juventude, incentivando a convivência. Esta meta é da Secretaria de Educação, que instituiu o tema para ser abordados em trabalhos disciplinares nas escolas municipais, estaduais e particulares. A intenção é que os 4,8 mil alunos matriculados entendam que a velhice é destino comum, e que nem sempre os mais velhos desejam descansar: querem, de verdade, mais paciência e atenção.

— Nós fizemos com que as crianças levassem os avós para a sala de aula, entrevistassem eles e ouvissem suas histórias. Foi um encantamento coletivo —define a coordenadora da escola Inovação, Jane Lourdes Dal Pai Giugno.

Carteado é só uma das alternativas de encontro do grupo Foto: Roni Rigon / Agencia RBS

Centro do Idoso é sonho do grupo de convivência

A verdade é que a expressão melhor idade faz bastante sentido em Veranópolis. Bailes, grupos de convivência, aulas de ginástica ao ar livre, aulas de informática e outros compromissos lotam a agenda dos moradores que, acima de 60 anos, contam as horas para a próxima atividade. Quando a terça à tarde se aproxima, então, é sinônimo de festa. Se o Grupo de Convivência da Longevidade inicia atendimento às 14h, logo depois do meio-dia, mais de duas centenas de senhorinhas simpáticas e envoltas de gargalhadas se apresentam no salão da comunidade de Nossa Senhora de Lourdes. Se enfeitam com maquiagem, perfumam a roupa, capricham no visual. É hora de rezar, se exercitar e fofocar, claro:

— Como é um grupo grande, são atividades que trabalham mais o nível social do que físico, por exemplo. Na ginástica, focamos em exercícios que ajudem a lembrar movimentos do dia a dia, que possam driblar a incontinência urinária, entende?

Quem afirma isto é a educadora que comanda o grupo, a professora de educação física Adriana Tedesco, que integra as atividades há 16 anos. O presidente do grupo é o comerciante aposentado Daril Scarton, que está longe de aparentar seus 81 anos. Ele conta que entre os 220 associados, apenas 24 são homens. A faixa etária predominante é dos 70 anos. A maior reivindicação da associação, mantida pela mensalidade de R$ 6, é a criação de um Centro Municipal do Idoso, espaço que concentre todas as atividades voltadas ao público e seja a sede do grupo.

— A maior parte deste pessoal pertencia à colônia, como eu, e não tinha companhia aqui na cidade. Assim, todos se sentem bem e à vontade_ descreve Scarton.

Modernidade e tradição lado a lado

Envelhecer nunca é fácil, mas mais difícil ainda é acompanhar o turbilhão de novidades tecnológicas que pipocam a todo momento. E engana-se, portanto, que uma aula de informática para idosos se restrinja a ensiná-los a ligar o computador, abrir um pendrive ou digitar um texto. O que os veranenses querem mesmo é dominar o Whatts'App, o Facebook e aprender a se comunicar com os filhos. Além disso, entender o que é legal ser compartilhado nas redes sociais, as linguagens mais adequadas e informações sobre privacidade são prioridade nas aulas.

— Tudo é diferente: o professor é mais paciencioso, as aulas são mais longas, é no tempo deles — descreve a Secretária de Educação, Elis Regina Perachi Favero.

Enquanto uns são apresentados à modernidade, outros se esforçam para recuperar as origens. Um grupo de mais de 60 mulheres acima de 60 anos foi responsável pela mudança do cardápio do Restaurante Giratório Mascaron, empreendimento que se torna ponto turístico pela grandiosidade. As vovós foram chamadas pela Associação de Turismo da Serra Nordeste (Atuaserra) para sugerir pratos cozinhados como antigamente, recuperando a imagem colonial. O esforço deu certo, garante o prefeito Carlos Alberto Spanhol (PDT).

— A massa carbonara, a costela de porco, esses pratos são servidos com um gosto que só tem aqui, graças aos ensinamentos delas — confessa.

Idalina Sinigaglia, 82 anos, é um das empreendedoras veranenses que ganha o sustento atendendo a nicho que conhece bem: mulheres mais velhas. A maior parte da clientela da cabeleireira Idalina tem acima de 70 anos. O que chama de instituto de beleza é, na verdade, um reduto de senhoras ansiosas por fazer 'permanente' ou cortar os cabelos, além de retocar a tintura. Mãe de cinco filhos, sendo três meninas, ela diz que aprendeu o ofício na obrigatoriedade de arrumar as gurias. Os penteados mudaram, mas as clientes não: elas já se encaminham pro salão da casa de Idalina, tocam a sineta e aguardam.

Idalina também é responsável pelo corte de cabelo do marido, o aposentado Sylvio, de 86 anos Foto: Roni Rigon / Agencia RBS




— Ir à missa é nossa maior diversão.

SAIBA MAIS

:: Veranópolis assinou a carta de compromisso com a Organização Mundial da Saúde (OMS) com ações que serão desenvolvidas na cidade até 2019. O programa Cidade Amigas do Idoso é um trabalho contínuo de avaliações e aprimoramento, especialmente ligado às ações do poder público, que se divide em ciclos de 3 a 5 anos. O plano de ação do programa será apresentado no dia 29. 

:: Porto Alegre recebeu esta certificação no ano passado. Além da Capital gaúcha, na América Latina apenas Victoria, no Chile, e La Plata, na Argentina, tinham o certificado. 

:: Segundo dados demográficos do Censo do IBGE de 2010, Veranópolis tem uma população estimada em 22.810 habitantes, sendo que 15,3% tem 60 anos ou mais. Estima-se que em 2014 a população já era de 24.476 habitantes. Segundo o atlas do desenvolvimento humano (2013), a expectativa de vida em 2010 era de 75,3 anos.

:: A ideia de estudar o envelhecimento nos idosos de Veranópolis foi uma consequência de estudos que iniciaram em 1994. O resultado de pesquisas é: 25 dissertações de mestrado, 11 teses de doutorado, 15 monografias, mais de 50 trabalhos apresentados em congressos nacionais e internacionais e 15 artigos científicos publicados.

:: Uma em cada 9 pessoas no mundo tem 60 anos ou mais, e estima-se um crescimento para 1 em cada 5 por volta de 2050. Em 2050 pela primeira vez haverá mais idosos que crianças menores de 15 anos, de acordo com estimativa da Secretaria Nacional de Promoção de Defesa dos Direitos Humanos.

 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros