Pisando em uvas na Praça Dante Alighieri - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória18/07/2016 | 06h36Atualizada em 27/07/2016 | 15h16

Pisando em uvas na Praça Dante Alighieri

Cachos e folhas de parreira foram executados a partir de 1943, na gestão do prefeito Dante Marcucci, transformando-se em símbolos do passeio público da área central

Pisando em uvas na Praça Dante Alighieri Studio Geremia/Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami,divulgação
Pedras portuguesas: as folhas e os cachos de parreira logo após o fim dos trabalhos, em 1944, com a Rua Dr. Montaury e o antigo Hotel Menegotto ao fundo, antes da mudança para a Rua Marquês do Herval Foto: Studio Geremia / Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami,divulgação

Quem passa apressado nem repara. Para muitos, elas são quase imperceptíveis, vide as camadas de sujeira e as marcas do tempo sobre o basalto. Mas elas estão lá. Falamos das uvas e folhas de parreira que decoram o passeio e as alamedas da Praça Dante Alighieri desde meados da década de 1940, época em que o prefeito Dante Marcucci (gestão 1935-1947) elencou como prioridade concluir o ponto mais importante da área central. 

Após entregar a reforma da praça, o chafariz e os pavilhões para a Festa da Uva de 1937, Marcucci e o secretário de obras José Ariodante Mattana começaram a pensar no calçamento dos caminhos internos. Conforme informações contidas no boletim Memória, publicado pelo Museu e Arquivo Histórico Municipal em 1992, um desenhista de nome Pedro Kerber, auxiliar do arquiteto austríaco que projetou os estandes da festa de 1937, teria esboçado para Mattana, muito sigilosamente em um pequeno talãozinho, um cacho de uva e uma folha de parreira – o bastante para que o secretário de obras começasse a desenvolver o projeto.

Confira um vídeo com imagens raras da Praça Dante em 1957

A tarefa era minuciosa: a cidade não conhecia o calçamento em estilo português, muito menos um profissional capacitado no ofício. Foi quando, durante os trabalhos de pavimentação da Av. Júlio de Castilhos, Mattana tomou contato com José Barbosa de Oliveira, um assentador de pedras portuguesas que atuava nas obras do centro. Natural da cidade do Porto, em Portugal, Barbosa teve uma breve passagem por Pelotas e, quando chegou a Caxias, acabou ficando conhecido pelo carinhoso apelido de... "Pelotas".

Praça Dante Alighieri e as pedras portuguesas: a trajetória de José Barbosa de Oliveira

Detalhista e bastante dedicado, seu "Pelotas" deu início aos trabalhos na praça em 1943. A "menina dos olhos" do prefeito Dante Marcucci logo estaria devidamente calçada. Mas não sem antes esbarrar em outro percalço...

Leia mais:
Jardins da Praça Dante Alighieri nos anos 1950
As rosas da Praça e o Horto Municipal na década de 1960
Lembranças do footing dominical nos arredores da Praça

Símbolos da cidade: circundando o chafariz e decorando os caminhos internos, uvas e folhas são um marco da decoração da praça Foto: Studio Geremia / Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami,divulgação
Anos 1950: as uvas e flores na antiga alameda que desembocava no Cine Guarany, na Rua Marquês do Herval. Foto: Hildo Boff / Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami,divulgação
Folhas e cachos de uva também circundavam os antigos postes de iluminação da Praça Foto: Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação
A alameda defronte à Catedral Diocesana, em meados dos anos 1940. Foto: Studio Geremia / Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami,divulgação

Um problema chamado basalto vermelho

Onde encontrar basalto na cor vermelha? Essa era a pergunta que tirava o sono da equipe de obras. Conforme informações do Boletim Memória, do Arquivo Histórico Municipal, na região eram abundantes apenas o preto e o acinzentado.

Entre muitos contatos, a prefeitura acabou chegando ao senhor Amadeu Balbinotti. Morador de Vila Seca, então distrito de São Francisco de Paula, Balbinotti informava que uma pedreira próxima à sua casa tinha o que Caxias procurava.

Após negociações, o basalto vermelho finalmente chegou, ficando a cargo dos melhores assentadores de paralelepípedos da cidade:

"Luiz Spiandorello, com extrema exatidão, determinava o nível para, finalmente, pedras vermelhas e pretas, cortadas em tamanhos pequenos, darem forma a folhas e cachos de uva", destacava o Boletim Memória em 1992. 

O restante de toda essa história está sob nossos pés...

Jimmy Rodrigues e a antiga Praça das Rosas

Praça Dante Alighieri: uma árvore de Natal dentro do chafariz

Vídeo: um Natal na Praça em 1968

Cartão-postal de 1969 destacava a antiga Praça Ruy Barbosa, com as uvas em basalto vermelho. Foto: Acervo pessoal de Aires Lopes de Oliveira / divulgação
Basalto vermelho: as folhas e cachos de uva atualmente Foto: Maicon Damasceno / Agencia RBS
História no chão: detalhes costumam passam despercebidos por quem transita pela Praça Foto: Daniela Xu / Agencia RBS

Parceria

Informações desta coluna foram reproduzidas do Boletim Memória, editado em 1992 pela equipe de pesquisadores do Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami.

Confira outras publicações da coluna Memória

Leia antigos conteúdos do blog Memória

As uvas e as folhas de parreiras do passeio da Praça vistas do Edifício Caixa de Fósforo.  Foto: Roni Rigon / Agencia RBS
 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros