Memória: um retorno aos antigos armazéns - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

História19/02/2016 | 09h56

Memória: um retorno aos antigos armazéns

Museu do Comércio, nos Pavilhões da Festa da Uva, promove uma viagem aos estabelecimentos de secos & molhados do início do século

Memória: um retorno aos antigos armazéns Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami,divulgação/
A Casa de Negócios de Vicente Rovea por volta de 1910, tomada de tecidos, fazendas e apetrechos de selaria, com o carreteiro João Venzon à frente Foto: Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami,divulgação
A casa de negócios do casal Vicente e Bortolina Rovea foi responsável por abastecer Caxias do Sul nos primórdios da colonização italiana.

Inicialmente instalado em um casarão de madeira na Av. Júlio de Castilhos e posteriormente em um prédio de alvenaria na esquina com a Humberto de Campos (hoje sede do Arquivo Histórico Municipal), o comércio oferecia todo tipo de secos & molhados, além de miudezas, fazendas e itens de armarinho.

Também era parada obrigatória de tropeiros e mascates oriundos de vários pontos da Serra, que ofertavam fumo, cachaça, charque, sal, tecidos, vimes, entre outros produtos, para troca e armazenamento.

O armazém dos Rovea e diversos outros que ocuparam o casarão até meados dos anos 1920 serviram de inspiração para a criação, ainda em 2000, do Museu do Comércio. Localizado junto à Casa 9 da Réplica de Caxias do Sul, nos Pavilhões, o espaço idealizado pelo Sindilojas é uma das atrações imperdíveis da Festa da Uva.

O pioneirismo da família Rovea


Museu do Comércio é integrado por dezenas de utensílios dos primórdios da imigração italiana. (Foto: Roni Rigon, banco de dados)

Em uma saudável e original mistureba, o Museu do Comércio abriga móveis, baldes, ferrarias, chapéus, rolos de fumo e diversos outros itens típicos dos lendários bolichos e armazéns dos tempos da imigração.

Para os mais velhos, um emocionante retorno ao cotidiano de décadas atrás. Para os mais jovens, um museu de grandes novidades...

Vicente Rovea: um casarão para a história


Casa de Negócios Bocchese & Ranzolin, na Av. Júlio por volta de 1920. Local sucedeu o lendário negócio de Vicente Rovea, no prédio que hoje abriga o Arquivo Histórico Municipal. (Foto: Julio Calegari, acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação)

Dois ícones

Após o fechamento do negócio da família Rovea, o casarão sediou outras casas de secos & molhados. Entre elas a Casa de Comércio O Sol Nasce Para Todos, de propriedade das famílias Bocchese e Ranzolin.

Venda a granel: ontem, hoje, sempre...

Relatos de Dona Bastiana

Personagem tradicional no Museu do Comércio, Dona Bastiana, uma criação do ator Davi de Souza, já está agendada para receber o público.

Com piadas e brincadeiras bem-humoradas, a personagem traz relatos que se confundem com história dos antepassados italianos e seus descendentes.


Museu do Comércio está abrigado na Casa 9 da Réplica de Caxias do Sul, nos Pavilhões da Festa da Uva. (Foto: Daniela Xu, banco de dados)


Tecidos, fazendas e miudezas integram o museu. (Foto: Roni Rigon, banco de dados)


Utensílios de cozinha também compõem o acervo organizado pelo Sindilojas. (Foto: Roni Rigon, banco de dados)


Garrafões, barris, crochês, bordados e peças artesanais podem ser apreciados na Casa 9 da Réplica. (Foto: Tatiana Cavagnolli, banco de dados)

Agende-se

Museu do Comércio: na Casa 9 da Réplica de Caxias do Sul, nos Pavilhões da Festa da Uva

Visitação: até 6 de março, no horário de funcionamento do parque. Segunda a sexta, das 14h às 22h. Sábados e domingos, das 9h às 22h

Apresentações de Dona Bastiana
Sábados: das 13h às 14h Domingos: das 12h às 13h

Mostra Cultural Senac
Quintas, sextas e sábados, das 18h30min às 20h30min


Espaço pode ser visitado diariamente, até o dia 6 de março. (Foto: Daniela Xu, banco de dados)
 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros