A convivência é verdadeiramente uma arte que não dispensa retoques diários - Cotidiano - Pioneiro

Frei Jaime Bettega21/11/2016 | 06h32Atualizada em 21/11/2016 | 06h32

A convivência é verdadeiramente uma arte que não dispensa retoques diários

Nem todas as pessoas vão gostar de você. Algumas não gostam nem delas mesmas

Frei Jaime Bettega
Frei Jaime Bettega

jaime@ofmcaprs.org.br

Bom Dia! Segunda-feira: um dia que impõe e inspira dinamismo e esperança. Como é bom recomeçar! Com um pouco de esforço, a alegria se expande e o bom-humor abre novos caminhos. Vamos lá!

"Nem todas as pessoas vão gostar de você. Algumas não gostam nem delas mesmas."

Leia mais
Frei Jaime Bettega: viver é o que existe de mais espetacular
Tríssia Ordovás Sartori: a pós-verdade dos relacionamentos
Gilmar Marcílio: descabelada
Francisco Michielin: da Itália para a Papada
Ciro Fabres: tempos excepcionais

A convivência é verdadeiramente uma arte que não dispensa retoques diários. Sempre tem uma palavra que eleva, emociona, aproxima. É comum também alguns ruídos, determinados ressentimentos, algo que destoou. Estar de bem com todos é um esforço que demanda energias. Em tempos de diferenças excessivamente salientes, a paciência e a compreensão não podem pensar em intervalos. Não deixa de ser uma riqueza a diversidade. Harmonizar ambientes e delimitar posturas: habilidades mais do que urgentes.

O esforço em conviver educadamente, independente dos espaços e dos momentos, não é em vão. Há um crescimento significativo quando o ideal da paz se insere nos relacionamentos. Porém, por maior que seja o esforço e a dedicação, sempre haverá alguém que pensa diferente, que interpreta sem muita coerência, que faz uma leitura com pontuação sem nexo. Continuar com a costumeira bondade, apesar da indiferença ou rejeição, é sinal de equilíbrio e de grandeza interior.

Não faz bem desequilibrar-se, ao saber que algumas pessoas não gostam de você. É bem natural tal fenômeno. Gostar ou não gostar é relativo. O que importa é o respeito e a elegância no trato. Normalmente nem a própria pessoa sabe os reais motivos de alguns desafetos. Tem gente que não tem nem o básico: amor próprio. Como será capaz de amar os outros? Mais do que longas explicações, convém manter-se equilibrado diante de algumas posturas inconvenientes. Amar e ser amado é o ideal. Continuar amando, mesmo não sendo amado é altruísmo que eleva, destaca, embeleza e garante felicidade.

Bênçãos! Paz & Bem! Santa Alegria! Abraços!   

 
 

Siga o Pioneiro no Twitter

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros