Corsan e Samae descartam contaminação por coronavírus e garantem qualidade da água em Farroupilha e Caxias do Sul - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Pandemia08/04/2020 | 14h07Atualizada em 08/04/2020 | 14h07

Corsan e Samae descartam contaminação por coronavírus e garantem qualidade da água em Farroupilha e Caxias do Sul

Comunicados foram feitos após declaração do prefeito Claiton Gonçalves sobre tratamento de esgoto e água que chega nas torneiras

Corsan e Samae descartam contaminação por coronavírus e garantem qualidade da água em Farroupilha e Caxias do Sul Samae/Divulgação
Samae reforça que não há estudo que comprove que o coronavírus se mantém ativo na água Foto: Samae / Divulgação

A declaração do prefeito de Farroupilha, Claiton Gonçalves (PDT), de que água que chega nas torneiras dos munícipes pode estar contaminada pelo coronavírus, causou espanto na comunidade médica e gerou comunicados de empresas abastecedoras de água de Farroupilha e Caxias do Sul. A principal crítica é que o gestor municipal, que também é médico obstetra, não teve qualquer base em estudo científico ou prova de que a covid-19 possa ser transmitida pela água — infectologistas negam essa possibilidade. Diante da repercussão negativa, o prefeito afirmou que a crítica era à falta de tratamento de esgoto.

Leia mais
Infectologistas afirmam não existir embasamento científico em declaração de prefeito sobre contaminação da água em Farroupilha
"Que tenham liberdade, mas sejam responsáveis", afirma prefeito de Farroupilha sobre isolamento
Prefeitura de Farroupilha fará estudo para estimar custo de rompimento de contrato com a Corsan

Procurado pela reportagem nesta quarta-feira (8), Claiton minimizou a declaração e afirmou se tratar de uma relação com a Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan), responsável pelo fornecimento de água na cidade. O gestor municipal não apresentou embasamento para a fala sobre o contágio da covid-19 pela água. Conforme a Sociedade Brasileira de Infectologistas, não há qualquer estudo científico ou relato de contaminação por meio aquático.

— É um assunto que não tem muita importância. É uma questão óbvia. O interesse é econômico, mais do que qualquer outra coisa. Todas pessoas que moram na cidade sabem que não temos esgoto tratado em Farroupilha. Esta declaração não tem importância jornalística. É um conceito de relação com a Corsan. Continuamos tendo água buscada numa bacia que recebe o esgoto da cidade — diz Claiton.

O prefeito não respondeu se há alguma comprovação de que a água está chegando contaminada nas torneiras da cidade. O gestor municipal afirmou que esta pergunta deveria ser feita ao Instituto Trata Brasil, organização da sociedade civil formada por empresas com interesse nos avanços do saneamento básico e na proteção dos recursos hídricos do país. A entidade já teria feito estudos sobre a água na cidade. No entanto, infectologistas afirmam que não há qualquer estudo científico que apontem para a transmissão da covid-19 pela água:

— O que eu pedi é para os maiores de 60 anos e quem está no grupo de risco para ferver a água. Não é só sobre coronavírus. Temos hepatite A, toxoplasmose e outras coisas que circulam nas fezes das pessoas.

Questionado sobre o que é feito pela prefeitura para melhorar a rede pluvial da cidade, o prefeito Claiton afirmou que há uma oitiva que já dura dois anos, com encontros públicos e reuniões com a Corsan, para aumento da rede e criação de uma central de tratamento de esgoto.

— Queremos mudar o contrato, porque este não é cumprido. São discussões e um processo que já dura mais dois anos — afirma.

Corsan tem certeza da qualidade da água fornecida

Por meio de nota oficial, mas sem citar Farroupilha ou a declaração do prefeito Claiton, a Corsan reiterou que não há registros de detecção em água tratada do novo coronavírus e, baseado na atual evidência, o risco para os consumidores é inexistente. A empresa ratifica que adota todos os procedimentos de tratamento e desinfecção recomendados pelo Ministério da Saúde e controla a qualidade da água que produz e distribui. A Corsan "recomenda que a população continue a consumir a água da torneira, sem fervura prévia e não entende como necessidade premente o consumo de água de outras fontes".

O documento cita que, com base em guias da Organização Mundial da Saúde (OMS), embora a persistência deste vírus na água seja possível, não há evidência de que sobreviva em água tratada ou de que esteja presente em mananciais superficiais ou subterrâneos. Também é ressaltado que não há informações sobre transmissão por meio de água para consumo humano, desde que submetida a processo de tratamento que compreenda etapas de floculação, decantação, filtração e desinfecção — as quais são executadas pela Corsan.

"O Sars-Cov-2 é um vírus envelopado, com uma membrana exterior. Geralmente, vírus envelopados são menos estáveis no meio ambiente e são mais susceptíveis aos oxidantes, tais como o cloro, o qual é item essencial e constante no tratamento de água da Corsan", cita a nota.

Samae reforça que não foi detectado o vírus da covid-19 no abastecimento de água potável em Caxias do Sul, até porque, cientificamente, não existe nenhum estudo que comprove que o vírus se mantém ativo na água.O documento aponta que o SARS-CoV-2, causador da covid-19, é um tipo de vírus particularmente suscetível à desinfecção.<!-- NICAID(14472067) -->
Foto: Samae / Divulgação

Samae também emite nota sobre água em Caxias do Sul

Nesta quarta-feira (8), o Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (Samae) também divulgou um comunicado sobre a água fornecida em Caxias do Sul. A autarquia reforça que não foi detectado o vírus da covid-19 no abastecimento de água potável, até porque, cientificamente, não existe nenhum estudo que comprove que o vírus se mantém ativo na água.

O documento aponta que o SARS-CoV-2, causador da covid-19, é um tipo de vírus particularmente suscetível à desinfecção. Dessa forma, os processos padrões de tratamento são eficazes para eliminar patógenos, inclusive o vírus. O Samae também realiza o controle de prevenção de doenças adotando os procedimentos exigidos pelo Ministério da Saúde.

— Além disso, seguimos as recomendações para aumentar a concentração de cloro residual livre na água fornecida pelos veículos transportadores (caminhões pipa), mantendo abaixo do valor máximo permitido exigido — explica o gerente de Tratamento de Água da autarquia, Tiago Antonio Marcon.

O comunicado ainda explica como é feito o tratamento da água. Na estação de tratamento, a água passa por seis diferentes etapas até tornar-se potável. São estes os processos que garantem a qualidade da água consumida pela sua família.

Etapas para o tratamento da água:
:: Coagulação:
Nessa etapa inicial, ocorre a adição de sulfato de alumínio, um produto químico que possibilitará a união das partículas sólidas em suspensão na água.
:: Floculação: Aqui, as partículas sólidas unem-se em flocos maiores, o que facilitará o processo seguinte.
:: Clarificação: Depois de se agruparem em flocos maiores, ocorre o acúmulo destes flocos no fundo do decantador. É nesta fase que se inicia a coleta superficial da água.
:: Filtração: Como o próprio nome já diz, nesta etapa a água passa por filtros compostos por camadas de antracito, areia e pedras de diversos tamanhos. É aqui que as pequenas impurezas ficam contidas.
:: Desinfecção: Quase no fim do processo, é feita a aplicação de cloro gás, hipoclorito de sódio ou outro produto adequado para a eliminação de microrganismos causadores de doenças.
:: Fluoretação: Por último, também é aplicado flúor para a prevenção de cáries.

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros