Aulas da rede pública do RS voltam em junho, anuncia Eduardo Leite - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Novas regras30/04/2020 | 17h26Atualizada em 30/04/2020 | 17h29

Aulas da rede pública do RS voltam em junho, anuncia Eduardo Leite

Nas escolas da rede privada, antecipação da retomada poderá ocorrer ainda em maio

Aulas da rede pública do RS voltam em junho, anuncia Eduardo Leite Gustavo Mansur / Palácio Piratini/Palácio Piratini
Nas escolas da rede privada, antecipação da retomada poderá ocorrer ainda em maio Foto: Gustavo Mansur / Palácio Piratini / Palácio Piratini

As aulas da rede pública, em escolas estaduais e municipais, ficarão suspensas no Rio Grande do Sul até junho em função da epidemia de coronavírus. A decisão foi anunciada pelo governador Eduardo Leite durante transmissão ao vivo pela internet nesta quinta-feira (30). Para permitir que isso ocorra, o recesso de inverno, normalmente em julho, será antecipado para maio.

— Suspenderemos as aulas por mais 15 dias e anteciparemos os 15 dias de recesso para o mês de maio. Na prática, as aulas retornam apenas em junho — explicou Leite.

Leia mais
Pais se manifestam a respeito de possível retorno das aulas em Caxias do Sul

A expectativa é de que o ano letivo termine em janeiro de 2021. Ao longo do mês de maio, serão estabelecidos protocolos para que alunos, professores e servidores possam retomar as aulas com segurança. Isso pode exigir a compra de materiais ou equipamentos de proteção e reforço de recursos humanos, cujos processos de aquisição e contratação podem levar mais tempo.

Para a rede privada, os protocolos serão finalizados na próxima semana e lançados juntamente com todos as regras de funcionamento para as atividades econômicas. Por enquanto, em caráter transitório, as aulas da rede privada seguem suspensas, mas é possível que haja uma antecipação da retomada, o que pode ocorrer ainda em maio.

— Vamos definir o protocolo para a educação e a rede privada. Se (a rede privada) tiver condições de atender esses protocolos, poderá retomar as aulas antes — explicou Leite.

Para evitar que os alunos da rede estadual sejam prejudicados, foi implementada a metodologia das aulas programadas, envolvendo diversos recursos pedagógicos e tecnológicos dos quais as escolas dispõem, incluindo plataformas digitais e aplicativos variados.

O planejamento dos conteúdos e a preparação das dinâmicas pedagógicas, conforme orientação da Secretaria da Educação, são realizados pelos educadores a partir das possibilidades de cada comunidade escolar.

Para manter a carga horária anual dos estudantes, os professores estão utilizando diversos recursos, desde a distribuição presencial de tarefas e materiais didáticos aos pais ou responsáveis pelos estudantes que não têm acesso à internet até a utilização de plataformas digitais e rede sociais, como Facebook e WhatsApp, aplicativos, blogs, jogos interativos e atividades planejadas.

COMO FICA

Rede pública (estadual e municipal)

* Suspensas até junho
* No caso da rede estadual, haverá a antecipação pára maio dos 15 dias do recesso de julho.
* A expectativa da rede estadual é que o ano letivo termine em janeiro de 2021.

Rede privada

* Em caráter transitório, durante vigência do decreto transitório anunciado quinta pelo governador Eduardo Leite, as aulas seguem suspensas.
* A partir do decreto do distanciamento controlado, que substituirá o transitório, a retomada pode acontecer.
* Protocolos para as atividades econômicas que estão sendo finalizados na próxima semana alcançam a educação. Se a rede privada tiver condições de atender os protocolos, poderá retomar as aulas.

Leia também
Teletrabalho na pandemia: escutar música pode ajudar a aumentar foco e estimular criatividade, afirma musicoterapeuta

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros