Uma placa de boas-vindas em Arroio do Sal em 1954 - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória05/02/2020 | 17h37Atualizada em 05/02/2020 | 17h38

Uma placa de boas-vindas em Arroio do Sal em 1954

Relato nostálgico é do fotógrafo Ricardo Chaves, titular da coluna Almanaque Gaúcho, de Zero Hora 

Uma placa de boas-vindas em Arroio do Sal em 1954 Pedro Flores / Acervo pessoal de Ricardo Chaves, divulgação/Acervo pessoal de Ricardo Chaves, divulgação
Os irmãos Ricardo e Maria Teresa Chaves em 1954 Foto: Pedro Flores / Acervo pessoal de Ricardo Chaves, divulgação / Acervo pessoal de Ricardo Chaves, divulgação

"Welcome to Arroio do Sal beach", dizia na placa que, plantada na areia, na beira do mar, recepcionava os veranistas que chegavam àquele balneário no verão de 1954. Na falta de estradas, naquela época, o acesso a Arroio do Sal era feito exclusivamente por meio de viagens pela areia da orla do Atlântico. Isso, naturalmente, quando eventuais ressacas, que faziam o mar subir até os cômoros, não impediam o trânsito, inviabilizando qualquer tentativa de deslocamento. Rodovia, ainda que com um trecho sem pavimentação, só havia até Capão da Canoa. A partir daí, os veículos se movimentavam pela areia molhada, e mais firme, acompanhando, na maioria das vezes, o vaivém das ondas e desviando, bem pela beira, dos degraus, formados por córregos de águas da serra indo em direção ao oceano. 

Quem recordou de toda essa "aventura" foi o colega Ricardo Chaves, titular da coluna Almanaque Gaúcho, do jornal Zero Hora, em texto publicado originalmente na edição desta terça-feira:

Agora, retornando das férias no litoral, lembrei-me dessas fotos de um dos primeiros veraneios que nossos pais, Hamilton e Nilce, nos proporcionaram. Eu, com dois anos e meio, e minha irmã Maria Teresa, com quatro, fomos levados, a bordo de uma valente caminhonetinha Renault Juva 4, até Arroio do Sal. Em outro veículo da mesma marca, quase igual, mas carrinho, foi, em comboio, uma família amiga: meus “tios” Pedro Flores e Gleci e “primos” Pedrinho e Cristina. Todos ficaram hospedados em um hotel que oferecia quartos em pequenos chalés de madeira. Os banhos de mar e as brincadeiras na areia eram o único lazer, e acho que bastava. Já os adultos, provavelmente por falta do que fazer, decidiram, em determinado momento, aproveitar o tempo de sobra para produzir uma inusitada placa. A tampa de um tonel serviu de base e, naquela tarde, todos acompanhamos os trabalhos de confecção do “totem”. A iniciativa deve ter causado algum espanto e, suponho, despertado o bom humor dos viajantes que chegavam ou que apenas por ali transitavam em direção a Torres ou outras praias. 

Confira abaixo a sequência completa sobre a história da placa.

Os valentes carrinhos Renault Juva 4 levaram, pela beira do mar, os veranistas para as férias em Arroio do SalFoto: Pedro Flores / Acervo pessoal de Ricardo Chaves, divulgação
A placa de boas-vindas sendo pintada sob o olhar do casal Hamilton e Nilce Chaves, e das crianças (da esquerda para a direita) Pedrinho, Cristina, Ricardo e Maria Teresa em 1954Foto: Pedro Flores / Acervo pessoal de Ricardo Chaves, divulgação
Os veranistas Hamilton Chaves, Leo Centeno e Pedro Flores na entrada da praia Foto: Pedro Flores / Acervo pessoal de Ricardo Chaves, divulgação
Os irmãos Ricardo e Maria Teresa Chaves diante da placa de boas-vindas em 1954 Foto: Pedro Flores / Acervo pessoal de Ricardo Chaves, divulgação

Leia mais:
Família Comandulli nos primórdios de Rainha do Mar
Família Lucchese em Arroio do Sal em 1966
Paraíso: uma praia e um hotel em 1952  

A saber: Arroio do Sal, desde 25 de abril de 1988, é município emancipado de Torres. Segundo dizem, em 1939, um tropeiro vindo de Santa Catarina construiu uma moradia bem próxima aos cômoros, tornando-se, assim, o morador pioneiro daquele ponto do Litoral.

Leia mais:
Ana Rech: o Veraneio Bela Vista em 1948
Os antigos verões no Clube Palermo
Antigos verões: o Balneário De Lazzer
Torres eternizada pela lendária Foto Feltes
Veraneios de outros tempos…
Pé na tábua rumo ao Litoral
Dose dupla: Areias Brancas em 1954, Torres em 1964   
As antigas guaritas salva-vidas do Litoral Norte 

Confira outras publicações da coluna Memória
Acesse antigas publicações do blog Memória   

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros