Festa da Uva de 1950 e uma homenagem a Adelia Eberle - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória12/02/2020 | 07h00Atualizada em 12/02/2020 | 07h00

Festa da Uva de 1950 e uma homenagem a Adelia Eberle

Primeira rainha do evento, coroada em 1933, a filha de Abramo e Elisa Venzon Eberle morreu de câncer em 1941, aos 31 anos

Festa da Uva de 1950 e uma homenagem a Adelia Eberle Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação/Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação
Em 1950: Olmiro de Azevedo (à esquerda) discursa junto ao túmulo dos Eberle, acompanhado por Rosália Eberle Peroni (ao centro), Irma Valiera (de vestido preto), Itália Valiera (de vestido poá), Bila Vial e Júlio João Eberle (à direita). Ao fundo, o jornalista Luiz Napolitano Foto: Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

Primeira rainha da Festa da Uva, escolhida na terceira edição do evento, em 1933, Adelia Eberle (1910-1941) é nome até hoje lembrado quando se fala na celebração. E sua morte precoce, aos 31 anos, além de enlutar a cidade em 14 de julho de 1941, rendeu uma série de homenagens póstumas. Principalmente quando a Festa da Uva retornou ao calendário oficial do município, após o fim da Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Foi o que ocorreu 2 de fevereiro de 1950, às vésperas da escolha da rainha daquele ano (leia mais ao lado). Conforme matéria de capa do  então semanário Pioneiro do dia 4 de fevereiro, um cortejo ao jazigo da família, no Cemitério Público Municipal, recordou de Adelia:

"A subcomissão encarregada da eleição da rainha da Festa da Uva, num gesto simpático e digno, prestou no dia 2 do corrente uma significativa homenagem à falecida Adelia Eberle Lupo, que foi a rainha da primeira Festa da Uva no Brasil, realizada em Caxias do Sul. A subcomissão conduziu ao cemitério uma romaria de numerosas pessoas da sociedade caxiense, e o doutor Olmiro de Azevedo, que foi quem saudou a primeira rainha quando de sua coroação (em 1933), pronunciou, de improviso, um belíssimo e comovente discurso".

Nas imagens desta página, alguns momentos da homenagem de 1950, registrados pelo Studio Geremia junto ao jazigo dos Eberle, na necrópole municipal. Na imagem que abre a matéria, vê-se, além do doutor Olmiro de Azevedo (de branco, à esquerda), o irmão Júlio João Eberle (à direita), a jovem Bila Vial (de branco), que concorria ao título de rainha da Festa da Uva de 1950; a irmã Rosália Eberle Peroni, o jornalista da Rádio Caxias Luiz Napolitano (atrás); e as irmãs Irma Valiera (de preto, que morreria em um acidente de avião naquele mesmo ano) e Itália Valiera (de vestido poá), entre outros familiares e amigos. 

Posteriormente, o corpo de Adélia foi transferido para um túmulo bem ao lado, onde está sepultado também o casal Rosália Eberle Peroni e Aristides Peroni. 

Leia mais:
Para recordar de Odila Zatti, a rainha da Festa da Uva de 1934
Festa da Uva: um desfile pela Av. Júlio em 1950
Um carro soberano na Festa da Uva de 1954

Dia 2 de fevereiro de 1950: o discurso de Olmiro de Azevedo junto ao jazigo dos Eberle, onde Rosália foi enterradaFoto: Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação
A cerimônia de 2 de fevereiro de 1950, com a presença de Olmiro de Azevedo (de costas), Luiz Napolitano (à esquerda), familiares e amigosFoto: Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação
Aristides Peroni (à esquerda), familiares e amigos junto ao jazigo durante a homenagem de 1950 Foto: Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

Morte em 1941

Casada desde 1939 com o empresário paulista Romulo Lupo, gerente da fábrica de meia Lupo e ex-prefeito da cidade de Araraquara, Adelia tinha uma filha pequena, Judith, e encontrava-se hospitalizada em Porto Alegre. Conforme matéria do  jornal "A Época" de 20 de julho de 1941, o corpo foi transladado em trem especial para Caxias:

"Apesar da impropriedade da hora, 7h30min, via-se uma verdadeira multidão na gare local da Viação Férrea, a qual acompanhou o esquife até a residência dos pais da morta (o palacete da Sinimbu), onde foi velada". 

Adélia Eberle faleceu quatro anos antes do pai – Abramo morreu em 13 de janeiro de 1945. A mãe, Elisa Venzon Eberle, faleceria em 5 de julho de 1954.  

Leia mais:
Praça Vestibular Abramo Eberle em 1946
Memórias do Palacete Eberle
Eberle Centro: uma esquina e uma piteira 

Adelia em 1933, quando foi rainhaFoto: Julio Calegari / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação
Olmiro de Azevedo (à esquerda) discursa junto ao túmulo dos Eberle, acompanhado por Rosália Eberle Peroni (ao centro), Irma Valiera (de vestido preto), Itália Valiera (de vestido poá), Bila Vial e Júlio João Eberle (à direita). Ao fundo, o jornalista Luiz NapolitanoFoto: Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação
O santinho de lembrança Foto: Acervo de Maria Angélica Pettinelli Angonese / divulgação
O convite para a missa de sétimo dia publicado no jornal A Época, em julho de 1941Foto: Agência RBS / reprodução
Adelia em 1933, quando foi rainha da Festa da UvaFoto: Julio Calegari / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

Leia mais:
Festa da Uva de 1954: lembranças escritas à mão
Galópolis na Festa da Uva de 1954
A festa interminável de 1954   

O concurso de 1950

A escolha da rainha da Festa da Uva de 1950 abriu espaço para a participação de candidatas de diversos municípios da Serra. A capa do Pioneiro de 4 de fevereiro de 1950 – que destacava a homenagem a Adelia Eberle no cemitério – perguntava: "Qual será a Rainha da Festa da Uva", trazendo as primeiras colocadas nas eleições prévias nas respectivas cidades (foto abaixo).

Eram elas: Bila Vial (de Galópolis, representando Caxias do Sul), Jaquelina Grazziotin, (Antônio Prado), Teresinha Morganti (Bento Gonçalves), Ernestina Antoniazzi (Flores da Cunha), Terezinha Peters (Farroupilha),  Luci Bosi (Encantado), Cecy Franzoni (Garibaldi), Clelia Ferreira (Nova Prata), Maria de Lourdes Bernardi (Guaporé) e Lorena Bolzoni (Veranópolis). 

A resposta veio no dia 11 de fevereiro, quando Teresinha Simões Morganti, representante de Bento Gonçalves, foi coroada pela Miss Brasil Jussara Marques durante uma grande festa na Praça Rui Barbosa, seguida de baile de gala no Clube Juvenil.

Leia mais:
O reinado da Festa da Uva de 1950
Memória da Festa da Uva: os 75 anos de imigração italiana em 1950
Painel "Alegoria Primeira ao Imigrante" na Festa da Uva de 1950 

Foto: Reprodução / Agência RBS
Foto: Agência RBS / reprodução
Adelia em 1933, quando foi rainha da Festa da UvaFoto: Julio Calegari / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

Parceria

Informações e fotos desta página são uma colaboração de Maria Angélica Pettinelli Angonese e do Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami.

Leia mais:
As fiandeiras da Festa da Uva de 1950
Presidente Eurico Gaspar Dutra visita a Festa da Uva de 1950
Festa da Uva: um parque e um incêndio em 1950
O incêndio do avião Duque de Caxias na Festa da Uva de 1950
Metalúrgica Gazola homenageia pracinhas na Festa da Uva de 1950
Um ensaio com as soberanas de 1965
Festa da Uva de 1981: um quinteto de soberanas 

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória   

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros