Avenida Júlio, entre as ruas Garibaldi e Marechal Floriano, em 1940 - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória25/02/2020 | 07h00Atualizada em 25/02/2020 | 07h00

Avenida Júlio, entre as ruas Garibaldi e Marechal Floriano, em 1940

Imagens integram os álbuns "Obras do Estado Novo Caxias", que destacam o processo de rebaixamento, calçamento e paisagismo de vários logradouros públicos 

Avenida Júlio, entre as ruas Garibaldi e Marechal Floriano, em 1940 Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação/Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação
O impecável trecho da Júlio captado a partir da esquina com a Garibaldi, após as obras de rebaixamento de pavimentação, em 1940. Foto: Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

Integrantes do acervo do Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, os álbuns Obras do Estado Novo Caxias – Alguns Flagrantes de Urbanização e Saneamento - Administração Dante Marcucci trazem registros preciosos do processo de rebaixamento, calçamento e paisagismo de diversas ruas e cruzamentos da área central da cidade. 

Entre o final dos anos 1930 e o início da década de 1940, a Secretaria de Viação e Obras Públicas e a Diretoria de Obras e Saneamento foi responsável pelas intervenções em vários trechos da Av. Júlio de Castilhos e das ruas Sinimbu, Visconde de Pelotas, Alfredo Chaves, Borges de Medeiros, Coronel Flores, Garibaldi e Marechal Floriano, entre outras.

Canteiros e paralelepípedos impecáveis e ruas praticamente vazias compõem os cenários do ensaio, feito sob encomenda pelo Studio Geremia – provavelmente em um final de semana, com a ausência de veículos e transeuntes "realçando" as obras recém concluídas. Nos dois registros desta página, o trecho da Júlio entre as ruas Garibaldi e Marechal Floriano, eternizado a partir das esquinas com estas duas vias. 

A maioria dos casarões sucumbiu há décadas, com exceção da Igreja Metodista, em frente ao Hospital Pompéia — a origem da igreja em Caxias remete ao ano de 1892, mas a inauguração do templo atual ocorreu apenas em 7 de setembro de 1922. 

Na imagem abaixo, a Júlio captada a partir da Marechal Floriano, com a igreja e, ao lado dela, a antiga central da Companhia Telefônica Riograndense, onde hoje situa-se o Magazine Luiza. Ao fundo, à esquerda, o prédio da Farmácia Confiança, na esquina com a Garibaldi.

Leia mais:
Carlos Cesa e a trajetória da Farmácia Confiança
Hospital Pompéia: os 50 anos do Pio Sodalício em 1963
Dia das Mães: o berçário do Hospital Pompéia
Mercadinho do Povo, na Avenida Júlio, em 1947
Casa Prataviera: um ícone do Centro
Bomboniére Maratá em 1943 

A Av. Júlio de Castilhos captada a partir da Marechal Floriano em 1940, com a Igreja Metodista e, ao lado, a central da Companhia Telefônica Riograndense, onde hoje situa-se o Magazine Luiza. Ao fundo, à esquerda, o prédio da Farmácia Confiança, na esquina com a GaribaldiFoto: Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

Os casarões

A foto que abre a matéria traz a lembrança do antigo prédio do Hospital Pompéia (à direita), originalmente a Casa de Negócios do imigrante italiano Stefano Luigi Alberti. Conforme a professora Stela Luiza Alberti Lisot, bisneta de Stefano Luigi, o casarão também abrigou a segunda sede do Clube Juvenil – sediando em 1910 o baile comemorativo da chegada do trem a Caxias.

Vendido para os doutores Henrique Fracasso e Cesar Merlo em 1912, o sobrado abrigou posteriormente um dos embriões do Pompéia – assim como o antigo Palacete das Damas de Caridade, na esquina da Júlio com a Marechal Floriano (mais ao fundo). 

Memórias na vertical: as curiosidades dos antigos prédios de Caxias do Sul  

O casarão, onde também morou o médico José A. Brugger, foi demolido em meados dos nos 1970, para ceder lugar a um estacionamento. No espaço funciona hoje o acesso de veículos e a emergência do hospital.

Leia mais:
Guerino Sanvitto: dos primórdios ao Colavoro
Casarão da família Sanvitto, na Avenida Júlio, em 1968
Guerino Sanvitto e a Malharia Jane em 1950
Casarão de Germano Parolini, um clássico da Av. Júlio
Conheça a história do casarão mais antigo do centro de Caxias habitado pela mesma família
Banco da Província do Rio Grande do Sul na Avenida Júlio 

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória  

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros