A trajetória de Alcides Longhi no Esporte Clube Juventude - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória19/02/2020 | 19h12Atualizada em 19/02/2020 | 19h21

A trajetória de Alcides Longhi no Esporte Clube Juventude

Zagueiro atuou entre 1935 e 1947, além de ter colaborado em diversas outros cargos, de diretor de futebol a presidente  

A trajetória de Alcides Longhi no Esporte Clube Juventude Acervo Esporte Clube Juventude / divulgação/divulgação
Alcides Longhi, 18 anos (agachado à esquerda), e a equipe de 1935 do Esporte Clube Juventude Foto: Acervo Esporte Clube Juventude / divulgação / divulgação

Ele foi o zagueiro dos "pés mágicos", como a imprensa da décadas de 1930 e 1940 costumava referir-se ao jogador – muito devido à segurança que transmitia na retaguarda. Mas Alcides Longhi (1917-1994) foi muito mais do que um dos grandes craques do Esporte Clube Juventude de sua época. Capitão do time a partir de 1939, diretor de futebol em 1947 e presidente em 1949, Longhi também contribuiu para qualificar a estrutura da lendária Quinta dos Pinheiros, com a construção de um novo pavilhão, e do próprio Estádio Alfredo Jaconi, quando coordenou as obras do novo estádio, inaugurado em 23 de março de 1975.

Francisco Michielin e uma homenagem ao Esporte Clube Juventude

Na foto acima a equipe do Ju em 1935, quando Alcides Longhi, então com 18 anos, ingressou no time principal, após a passagem pelos juniores. Já naquele ano, conquistou com o time seu primeiro Campeonato Citadino, feito repetido em 1936, 1938, 1940 e 1941. Longhi é o primeiro agachado à esquerda e aparece junto a outros nomes eternizados na memória futebolística da cidade, como Benito Gonzalez (Castelhano), Décio Nabinger, Bolacha, Bolachinha, Alfredo Jaconi, Mário Frigeri, Raul, Dirceu, Bortinha, Mário Martini, Renato Fasoli e Antonio Garbim.

Detalhe: 10 anos depois, em 21 de julho de 1945, Longhi era perfilado na coluna Craque da Semana, publicada semanalmente pelo jornal "O Momento" (reproduções abaixo):

"Neste número, o craque da semana é Longhi. Este veterano defensor do Juventude, que ainda hoje defende com o mesmo ardor a camisa alviverde, começou a atuar em 1935. Naquele ano, foi um dos baluartes da defesa verde no memorável embate contra o Grêmio de Porto Alegre, quando os locais venceram os campeões da Farroupilha pela contagem de 4 a 1. Foi campeão em 1935, 1936, 1938, 1939, 1940 e 1941.Conta atualmente com 27 anos de idade e é o jogador mais antigo que ainda joga no Juventude. No próximo número, Mário Martini ". 

Três anos depois, em 1948, Longhi, Mário Martini e Renato Fasoli penduraram, definitivamente, as chuteiras. Mas a ligação com o clube seguiu firme. Alcides Longhi ingressou nos veteranos em 1953, atuando posteriormente com conselheiro, membro da comissão técnica e diretor de futebol.

Leia mais:
Francisco Michielin lança livro sobre os primeiros 100 anos do Esporte Clube Juventude
Francisco Michielin e as equipes do Ju em 1948, 1952 e 1954
Estádio Alfredo Jaconi: rumo aos 45 anos 

Foto: Reprodução / Agência RBS
Foto: Reprodução / Agência RBS
Alcides Longhi nos primórdios da sapataria, em 1935Foto: Acervo de família / divulgação

Entre chuteiras e sapatos

Coincidência ou não, a habilidade de Alcides Longhi com os pés dialogou com a profissão de sapateiro, iniciada por volta de 1935. Foi quando surgiu a empresa Longhi & Cia Ltda, que, em 1944, daria origem à lendária Fábrica de Calçados Caxias – especializada na produção de modelos para colegiais e botas para o Exército, conforme abordado na coluna de quarta-feira

Três anos depois, em 1947, surgia  a nova sede própria, localizada na Rua Borges de Medeiros esquina com a Hércules Galló. Já em 1948 era inaugurado o Varejo de Calçados, junto ao famoso casarão da família Pezzi, na esquina da Sinimbu com a Marquês do Herval, atual Edifício Dona Ercília (detalhe abaixo, captado durante o Congresso Eucarístico Diocesano de 1948). 

A expansão dos negócios caminhava junto com a personalidade altruísta do empresário. Bastante ligado às causas humanitárias, Alcides Longui anualmente promovia a doação de sapatos colegiais para os alunos do Abrigo de Menores São José.

Leia mais:
Inauguração da Gráfica Murialdo em 1948
Ana Rech: os 90 anos do Colégio Murialdo
Colégio Murialdo e o Curso Normal Rural em 1968

O varejo da Fábrica de Calçados Caxias, na esquina da Sinimbu com a Marquês do Herval, durante o Congresso Eucarístico de 1948Foto: Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação
Varejo abriu em 1948, junto ao lendário casarão da família Pezzi, atual Edifício Dona ErcíliaFoto: Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

Em família

Alcides Longhi casou-se com Noris Leda Artico em 10 de setembro de 1938, nascendo dessa união os filhos Beatriz, Elisabeth, Vera Mari, Villi Victorio, Vitor Augusto e Roberto Alcides. Ele faleceu em 18 de agosto de 1994, aos 77 anos. Na foto acima, o casal posando no lendário Studio Geremia, cujo cenário eternizou centenas de noivos nos anos 1930 e 1940. 

Leia mais:
Para recordar do Studio Geremia
Studio Geremia, parceiro da coluna Memória
Dia das Mães: um registro no Studio Geremia 

O casamento de Alcides Longhi e Noris Leda Artico em 1938Foto: Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

Colaboração

Parte das informações desta coluna foi reproduzida das pesquisas e do livro Crônica das famílias Longhi & Frantz e sua Parentela em Caxias do Sul, de Ricardo André Longhi Frantz, neto de Alcides.

Leia mais:
Bairro Rio Branco e as duas igrejas dos Capuchinhos
Inauguração do novo edifício do Banrisul em 1952
Memórias na vertical: as curiosidades dos antigos prédios de Caxias do Sul  
Rádio Caxias no Edifício Sehbe em 1950
Eberle: o terraço de onde se captava a cidade
Praça Dante Alighieri coberta de neve em 1941  
Bairro Nossa Senhora de Lourdes em 1948 

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória   

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros