Santa Lúcia do Piaí: a trajetória do médico boliviano Carlos Arnez - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória30/01/2020 | 07h00Atualizada em 30/01/2020 | 20h11

Santa Lúcia do Piaí: a trajetória do médico boliviano Carlos Arnez

Doutor Carlos atuou no distrito entre o final dos anos 1950 e o início da década de 1970

Santa Lúcia do Piaí: a trajetória do médico boliviano Carlos Arnez Acervo de família/divulgação
Carlos Arnez (de branco) durante uma solenidade de doação de equipamentos médicos ao hospital de Santa Lúcia, no final da década de 1960 Foto: Acervo de família / divulgação

Dando sequência à trajetória das famílias e personagens de Santa Lúcia do Piaí, pesquisados e compartilhados pelo historiador Éder Dall'Agnol dos Santos, destacamos hoje a atuação do médico boliviano Carlos Jaime Arnez no distrito a partir da década de 1960.

Filho de Juan de Dios Arnez e Lola Lobo Arnez, Carlos Jaime Arnez nasceu na pequena cidade de Punata, em Cochabamba, na Bolívia, em 23 de abril de 1929. Conforme apurado por Éder, em 1954, o jovem estudante de 25 anos deixou Cochabamba decidido a cursar Medicina no Rio de Janeiro. 

A chegada a Santa Lúcia do Piaí deu-se pouco tempo depois, no início de 1957, época em que o Hospital São Francisco tinha como diretor o doutor Eraldo Christ, natural de Nova Petrópolis. Três anos depois, em 1960, Carlos assumiria o cargo no lugar de Eraldo, trazendo também para atuar por aqui, como dentista, o colega boliviano Gaspar Miranda, de La Paz.

O "Caramba"

Em Santa Lúcia do Piaí, Carlos morou em uma residência localizada próximo ao hospital, local conhecido como "potreiro" – a casa era de propriedade das irmãs que trabalhavam no São Francisco.

Embora tenha assumido o cargo de novo diretor do hospital bem no período eleitoral – e encontrado algumas  dificuldades com partidários do médico anterior –, doutor Carlos foi bem aceito pelas famílias da comunidade. Participava de festas da vila e frequentava jantares nas casas dos moradores locais. 

Nos momentos de lazer,  apreciava tocar violão, juntamente com o padre Paulo, pároco de Santa Lúcia (foto abaixo). Com seu sotaque castelhano, o médico logo ganhou o apelido de "Caramba", expressão muito usada por ele nas mais diversas situações.

Na imagem acima, Arnez (de branco) durante uma solenidade de doação de equipamentos médicos ao hospital de Santa Lúcia do Piaí, no final da década de 1960. A partir da esquerda estão o subprefeito Luiz Tomazzelli, a senhora Neli Comunello Cavalli (assinando a ata), o casal Mário e Emilda Buffon com o filho Marcos, Hilda e Jacó Cioatto com a filha Rejane, além do senhor Luiz Rech. À frente do médico, dona Leontina Andreis e a filha Roma. O registro é do fotógrafo Fiorentino Cavalli, marido de Neli.

Leia mais:
Santa Lúcia do Piaí: a trajetória da professora Ildegar Jung Ferraza
Santa Lúcia do Piaí nos tempos da profe Ilde
Dom Vicente Scherer visita Santa Lúcia do Piaí em 1947
Santa Lúcia do Piaí e a exposição de produtos agrícolas de 1965
O Bar Communello na história de Santa Lúcia do Piaí    

Médico boliviano Carlos Arnez, que atupu em Santa Lúcia do Piaí entre 1957 e início dos anos 1980. Na foto, tocando violão na companhia do pároco de Santa Lúcia do Piaí, padre Paulo.
O médico e o padre Paulo, pároco de Santa LúciaFoto: Acervo de família / divulgação

A família Andreis

A integração com famílias locais marcou a trajetória do boliviano também em atividades básicas do cotidiano. Dona Leontina Andreis, esposa do barbeiro Antonio Andreis (o Toni Sota) lavava, passava e engomava as camisas do médico. 

Conforme Éder, Carlos gostava muito do capricho e habilidade com que Dona Leontina realizava o serviço, tanto que não queria outra pessoa para realizar o trabalho – a filha Roma Andreis recorda de, muitas vezes, a mando da mãe, ir buscar as camisas na residência do doutor. 

Carlos também era muito amigo de Itacir Tadeu Andreis (filho mais velho de Antonio e Leontina) e tinha simpatia por todos da família. Abaixo, um registro da família Andreis no Natal de 1967. O casal Antonio e Leontina aparece com seus 13 filhos: Maria Dolores, Bernardete, Aldo, Paulo, Roma, Altair, Moacir, Divino, Itacir, Iria, Bárbara, Olga e Hélia.   

Registros antigos de Santa Lúcia do Piaí pelas lentes de Firoentino Cavalli. Na foto, a família de Antonio e Leontina Andreis, nos anos 1960.
A família de Antonio e Leontina Andreis no Natal de 1967Foto: Fiorentino Cavalli / Acervo pessoal de Éder Dall'Agnol dos Santos,divulgação

Complicações no parto

Foi junto à família Andreis que Carlos teve um dos casos mais complicados de sua trajetória em Santa Lúcia do Piaí. 

Dona Leontina,  então com 45 anos, estava grávida da filha caçula, Bernadete Andreis. Conforme apurado por Éder, na véspera de ela ganhar a criança, sentido as dores do parto ainda em casa, seu Antonio Andreis foi com a esposa até o hospital da vila, localizado a alguns metros da residência da família – devido à idade, dona Leontina corria sério risco de vida, tanto ela quanto a criança. 

Foi quando, na sala de espera, Carlos deu a notícia ao amigo Antonio Andreis: ele conseguiria salvar somente uma delas. Antonio, em uma decisão que ninguém gostaria de tomar naquele momento, decidiu pela vida da esposa, até por já ter uma prole de 12 filhos. Mãe e filha, felizmente, saíram com vida do parto normal,realizado em 23 de dezembro de 1960, às vésperas do Natal – ficaram, porém, 16 dias hospitalizadas.

Leia mais:
Família de Francesco Lazzarotto na década de 1920
Francesco Lazzarotto e a capela da Linha São Maximiliano   
A linha de ônibus de Santa Lúcia do Piaí 

Médico boliviano Carlos Arnez, que atupu em Santa Lúcia do Piaí entre 1957 e início dos anos 1980. Na foto, com seu carro em meados dos anos 1960.
Carlos Arnez em meados dos anos 1960Foto: Acervo de família / divulgação

Leia mais:
Família de Secondino Bonatto em Santa Lúcia do Piaí
Secondino Bonatto e o moinho de Santa Lúcia do Piaí
Santa Lúcia do Piaí pelas lentes de Fiorentino Cavalli
Santa Lúcia do Piaí: um fotógrafo e um distrito eternizado
Família de João Communello em Santa Lúcia do Piaí 

Anos 1970 e 1980

Doutor Carlos permaneceu em Santa Lúcia até meados de 1970 – nesse período, foram adquiridos vários equipamentos cirúrgicos para o hospital e um uma camionete rural, usada no transporte de pacientes. 

Após transferir-se para o centro de Caxias, passou a atender em seu consultório na Av. Júlio de Castilhos, 2.261, atuando também no antigo INPS e no Departamento de Futebol do Esporte Clube Juventude. Em 1982, o médico mudou-se para São Paulo. 

Carlos Jaime Arnez faleceu em junho de 2018. Ele tinha 89 anos.

Médico boliviano Carlos Arnez, que atupu em Santa Lúcia do Piaí entre 1957 e início dos anos 1980.
Foto: Acervo de família / divulgação

Leia mais:
Família Damin e as origens de Santa Lúcia do Piaí  
Família de Antonio Damin em Santa Lúcia do Piaí   
Família Andreazza em Santa Lúcia do Piaí 

Parceria

Colaborador da coluna Memória, o historiador Éder Dall’Agnol dos Santos vem pesquisando a trajetória de diversas famílias que ajudaram a colonizar o distrito de Santa Lúcia do Piaí desde finais do século 19. O trabalho, segundo ele, deverá ser transformado em livro em breve. 

Moradores do distrito que tenham interesse em colaborar com fotos e dados sobre suas famílias ao longo do século 20 podem entrar em contato pelo e-mail ederdallagnol89@gmail.com ou telefone/whatsapp (54) 98449.9186.

Leia mais:
Família Miller e um salão de baile em Santa Lúcia do Piaí
Santa Lúcia do Piaí recebe Euclides Triches em 1952  
Santa Lúcia do Piaí: o capitel de Caravagginho
Santa Lúcia do Piaí: o casamento de Santo Zanol e Nair Turella em 1959
Os 60 anos de uma capela-escola em Santa Lúcia do Piaí   

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória  

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros