Morte de Alfredo Jaconi enluta Caxias em 1952 - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória20/01/2020 | 07h00

Morte de Alfredo Jaconi enluta Caxias em 1952

Ex-jogador e ex-presidente do clube foi vítima de um acidente há 68 anos

Morte de Alfredo Jaconi enluta Caxias em 1952 Acervo de Francisco Michielin / divulgação/divulgação
Jaconi (à direita) com o time do Juventude em 1940, quando já havia abandonado a carreira de jogador Foto: Acervo de Francisco Michielin / divulgação / divulgação

"Em estado de choque e comoção, a cidade parou. Assim que notícia circulou, as lojas foram fechando suas portas. A tristeza perambulava pelas ruas. Pessoas choravam e se abraçavam. Seu velório e sepultamento foram dos mais imensos que Caxias do Sul conheceu. O séquito ao cemitério virou uma procissão interminável. Clubes de todas as partes enviaram representantes, bandeiras e condolências. Morrera o nosso admirável símbolo maior. Uma lenda".

Assim o médico e escritor Francisco Michielin definiu a despedida do ídolo Alfredo Jaconi em seu livro Juventude: Paixão e Glória, lançado em 2016. Era a manhã de 6 de dezembro de 1952, e o faz-tudo Alfredinho encarregara-se de encomendar os barris de chope para a comemoração do grande título da cidade, recém conquistado. 

"Uma vez na Cervejaria Leonardelli, próximo das máquinas, sentiu-se mal de repente, colocou às mãos à cabeça, vitimado por dor e tontura. Acabou tombando sobre uma das potentes alavancas, que o atingiu na região abdominal. Dizem que, pelo súbito momento de inconsciência nem sequer gritou".

A trajetória de Alfredo Jaconi no Esporte Clube Juventude

Os detalhes da tragédia também foram publicados na primeira página do jornal Diário do Nordeste em 7 de dezembro de 1952, um dia após o falecimento:

"Alfredinho encontrava-se na Cervejaria Leonardelli, na sala de máquinas, aguardando uma pessoa amiga, com quem devia palestrar. Debruçado sobre o parapeito protetor, ao lado do volante do gerador, apreciava certamente as rotações da máquina quando foi colhido, presumivelmente, pela correia, que o arrastou, comprimindo-o contra o volante, esmigalhando-lhe o cérebro e causando-lhe morte instantânea". 

Alfredo Jaconi tinha apenas 42 anos.

Leia mais:
Francisco Michielin e uma homenagem ao Esporte Clube Juventude
Francisco Michielin e as equipes de 1948, 1952 e 1954
Estádio Alfredo Jaconi: rumo aos 45 anos  
Cervejaria Leonardelli: a trajetória do cervejeiro alemão Carlos Frederico Henn 

Alfredo Jaconi em 1935, três anos antes de encerrar a carreira de atletaFoto: Acervo de Francisco Michielin / divulgação

Causas possíveis do acidente

Edição de 7 de dezembro de 1952 do Diário do Nordeste (abaixo) também especulou sobre as prováveis causas do acidente:

"Alfredinho, há vários dias, demonstrava profunda fadiga. Tomado de uma incontrolável sonolência, chegava a adormecer nas mesas dos cafés, na roda dos amigos que com ele palestravam. Tendo que atender à sua progenitora, dona Cesira, gravemente enferma, e aos compromissos atinentes às funções que desempenhava – entre elas, o de distribuidor do Inseticida Rajá –, passava noites inteiras sem dormir. Acredita-se que o sono o tenha surpreendido naqueles momentos de espera, e ao fraquejar o corpo, viu-se inclinado sobre a correia, que o colheu causando-lhe a trágica morte".  

Leia mais:
Uma olimpíada agita Caxias do Sul em 1952
Vídeo: Oscar Boz e o filme original das Olimpíadas Caxienses de 1952   
Charles Lamb nas Olimpíadas Caxienses de 1952
Francisco Michielin: "E nós tivemos Olimpíada" 

Foto: Agência RBS / reprodução

O velório

Conforme o jornal Diário do Nordeste, os despojos de Alfredinho foram recolhidos à residência de sua progenitora, à Rua Os Dezoito do Forte, "transformada em câmara ardente, onde os esportistas caxienses lhe prestaram a derradeira homenagem".

Todas as festividades esportivas locais foram suspensas, e a bandeira do Esporte Clube Juventude foi hasteada a meio pau, em sinal de luto. No dia 8, na abertura do jogo do Juventude contra o Gianella pelo campeonato citadino, também foi prestada uma homenagem póstuma ao desportista.  

Atos fúnebres

Matéria publicada na edição do Pioneiro de 13 de dezembro de 1952 (abaixo) também destacou a trajetória de Alfredinho e o reconhecimento da cidade durante os atos fúnebres: 

"Sua popularidade e seu prestígio foram comprovados pela grande massa que foi prestar-lhe sua última homenagem quando de seu sepultamento, domingo último, onde vimos elementos de todas as classes sociais e desportivas acompanharem seu corpo até a última morada. O corpo de Alfredinho jaz inerte. Sua memória, todavia, perpetuar-se-á para sempre como legítimo exemplo àqueles que desejam ser úteis ao nosso desporto. Ao lado de todos os lauréis do glorioso clube da Quinta dos Pinheiros, contemplaremos com saudade um nome: Alfredo Jaconi".

Leia mais:
Uma campeã das Olimpíadas Caxienses de 1952
Olimpíadas Caxienses: a passagem de Wilson Lucchese pelo esporte
A Prova Ciclística Subida da Serra em 1967  
Carrinhos de lomba fervem a Rua Os Dezoito do Forte em 1950
Lauro Piccoli e os primórdios do basquete em Caxias do Sul
Uma gincana de lambretas em 1959  

Foto: Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul / reprodução

Mudança de nome

Em 1954, dois anos após a morte do ídolo, a Quinta dos Pinheiros foi reformada, ganhando o nome de Alfredo Jaconi. O novo estádio, inaugurado em 23 de março de 1975, manteve a denominação, eternizando um de seus mais apaixonados juventudistas.

Leia mais:
A construção do Estádio Alfredo Jaconi
A inauguração do Estádio Alfredo Jaconi em 1975
Um jogo de futebol e três locutores no telhado em 1948  
Dia da Cerveja: recordações da clássica Pérola
Cervejaria Leonardelli: rótulos que fizeram história
Publicidade da antiga Cerveja Pérola no centro de Caxias
Inauguração da nova Cervejaria Leonardelli em 1952 VÍDEO: o filme original da inauguração, em 14 de fevereiro de 1952  

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória   

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros