Francisco Michielin e uma homenagem ao Esporte Clube Juventude (I) - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória11/01/2020 | 18h33Atualizada em 11/01/2020 | 19h34

Francisco Michielin e uma homenagem ao Esporte Clube Juventude (I)

Autor do livro "Juventude: Paixão e Glória", médico e escritor recorda de vários episódios históricos do clube e da cidade

Francisco Michielin e uma homenagem ao Esporte Clube Juventude (I) Acervo de Francisco Michielin / divulgação/divulgação
O time em 1934, com a rainha Suely Campagnollo Bergmann Foto: Acervo de Francisco Michielin / divulgação / divulgação

A partir desta edição, a coluna Memória passa a publicar uma série de textos compartilhados pelo médico e escritor Francisco Michielin. Autor do livro Juventude: Paixão e Glória, lançado em 2016, Michielin possui vasto material sobre a trajetória do clube – um acervo de centenas de imagens e histórias curiosas que, agora, também poderão ser conferidas neste espaço. Dando a largada, uma homenagem, óbvia, a seu time do coração: 

"Pertencer aos 40 maiores clubes brasileiros é um sonho que, muito provavelmente, jamais passou pela cabeça dos fundadores do Juventude, no remoto 1913. Mais do que isso, estar listado como o vigésimo nono de todo o Brasil, segundo o recente ranking oficial da CBF. E, portanto, ser sagrado como o mais laureado do interior gaúcho. Aqui, como homenagem ao seu retorno à Série B, apresentamos quatro formações diferentes nos tempos mais antigos do esquadrão esmeraldino." (Francisco Michielin)

Francisco Michielin e as equipes de 1948, 1952 e 1954

Na foto acima, o timão de 1934, com a rainha Suely Campagnolllo Bergmann. Em pé, da esquerda para a direita, estão Bolacha, Mário Martini, Bortinha, Renato Fasoli, Antonio Garbim e Zito. No meio, Frigeri, Dirceu, Xispa, Martinez e o lendário Alfredo Jaconi, À frente, sentados nas laterais, Gonzaga e Raul. Ao centro, o goleiro Adelino Fabbris, de apelido Vanzetti, em alusão a um dos anarquistas italianos injustamente levados à cadeira elétrica nos EUA, em 1927.

Leia mais:
Francisco Michielin lança livro sobre os primeiros 100 anos do Esporte Clube Juventude
Francisco Michielin na pulsação literária
Estádio Alfredo Jaconi: rumo aos 45 anos

O time em 1939, formado por feras como Benito Gonzalez, Alcides Longhi e Antonio GarbimFoto: Studio Calegari / Acervo de Francisco Michielin, divulgação

Em setembro de 1939

Acima, o plantel que levantou o bicampeonato ostentando um uniforme totalmente inovador para a época, setembro de 1939. Integravam o time, entre outros, Benito Gonzalez (o Castelhano Voador), Alcides Longhi, Bergmann, Bolacha, Bolachinha, Alfredinho,  Frigeri, Renato Fasoli, Adriano, Bortinha, Antonio Garbim, Remo Boscatto, Chapa, Léo e Segalla. 

A escalação em 1940, com o mítico Alfredo Jaconi à direitaFoto: Acervo de Francisco Michielin / divulgação

Alfredo Jaconi de "fatiota" em 1940

O flagrante acima mostra o time tricampeão da cidade em 1º de setembro de 1940, aparecendo o mítico Alfredo Jaconi de “fatiota” e chapéu no canto à direita – Jaconi, que dá nome ao estádio, faleceu em 1952.  O time já se dava ao luxo de possuir abrigos especiais.

O time em 1941Foto: Acervo de Francisco Michielin / divulgação

Contra o Flamengo em 1941

Por fim, na foto acima, o time que aplicou a maior goleada da história dos clássicos da cidade, abatendo o Flamengo por 7 x 2 no dia 31 de agosto de 1941. Nesse jogo, o ponteiro esquerdo Remo Boscatto, natural de Flores da Cunha, concretizou o recorde de quatro gols nessa particular rivalidade. Os outros três foram marcados por Mário Martini, Russinho e Cacique Frigeri. O Ju é tetracampeão de Caxias do Sul.

Leia mais:
Deu pra ti, anos 1970: dicas de férias de verão no Jornal de Caxias em 1974
Galópolis: a entronização do Sagrado Coração de Jesus no Lanifício São Pedro em 1954
Conheça a história do casarão mais antigo do Centro de Caxias habitado pela mesma família desde o século 19

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória   

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros