A trajetória de Alfredo Jaconi no Esporte Clube Juventude - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória18/01/2020 | 13h56Atualizada em 18/01/2020 | 13h56

A trajetória de Alfredo Jaconi no Esporte Clube Juventude

Entre os anos 1920 e 1950, ele foi jogador, treinador, assessor técnico, massagista, diretor de campo e presidente do clube

A trajetória de Alfredo Jaconi no Esporte Clube Juventude Acervo de Francisco Michielin/divulgação
Alfredo Jaconi (agachado à direita) e o time do Esporte Clube Juventude em 1934, quando ele tinha 24 anos Foto: Acervo de Francisco Michielin / divulgação

Juventudista e jaconero que se preze conhece – ou pelo menos deveria conhecer – a história dele. Falamos do mítico Alfredo Jaconi, jogador, treinador, assessor técnico, massagista de ocasião, diretor de campo, presidente do clube, enfim, uma das figuras mais expressivas da família esmeraldina – um papo de verdade, de alma e coração, nas palavras do médico, escritor e juventudista Francisco Michielin. Às vésperas dos 45 anos de inauguração do estádio que leva seu nome, em 23 de março de 1975, recordar de "Alfredinho" é obrigatório.

Filho de Hilário e Cesira Jaconi, Alfredo Jaconi nasceu em 27 de fevereiro de 1910 e com menos de oito anos já frequentava a lendária Quinta dos Pinheiros. Começou cedo, segundo detalhado por Michielin no livro Juventude: Paixão e Glória, lançado em 2016:

"Não tinha ainda 15 anos completos ao vestir a camisa alviverde pela primeira vez na condição de “mirim”. Dos infantis, passou a ser juvenil, depois aspirante e, por fim, consumando os seus sonhos, meia esquerda titular, quebrando o galho, também, na ponta direita. Mas, praticamente. jogou em todas as posições, pois sempre se oferecia para atuar onde houvesse uma brecha."

 Na foto acima, Alfredo Jaconi (agachado à direita) e o time de 1934, com a rainha Suely Campagnolllo Bergmann ao centro. Em pé, da esquerda para a direita, estão Bolacha, Mário Martini, Bortinha, Renato Fasoli, Antonio Garbim e Zito. No meio, Frigeri, Dirceu, Xispa, Martinez e Jaconi, À frente, sentados nas laterais, Gonzaga e Raul. Ao centro, o goleiro Adelino Fabbris, de apelido Vanzetti, em alusão a um dos anarquistas italianos injustamente levados à cadeira elétrica nos EUA, em 1927. 

Leia mais:
Francisco Michielin e uma homenagem ao Esporte Clube Juventude
Francisco Michielin e as equipes de 1948, 1952 e 1954
Estádio Alfredo Jaconi: rumo aos 45 anos 

Na imprensa

Conforme reportagem do Pioneiro de 13 de dezembro de 1952 desde sua mocidade, Alfredinho dedicou horas, dias e anos a serviço de seu clube do coração, ocupando todas as posições diretivas após encerrar sua carreira como atleta, em 1938. Foi de simples auxiliar até o mais alto mandatário do clube.

"Suas horas de lazer eram tomadas pelos vários serviços e encargos que ocupava naquela agremiação. Tanto que os próprios serviços profissionais eram interrompidos ou mesmo prejudicados em função da atenção ao Juventude".

Entre tantas atividades paralelas, a que ficou eternizada foi a de vendedor do Inseticida Rajá, fabricado pelo laboratório do doutor Rui Ramos e comercializado a bordo de sua famosa motocicleta.

Leia mais:
A construção do Estádio Alfredo Jaconi
A inauguração do Estádio Alfredo Jaconi em 1975
Um jogo de futebol e três locutores no telhado em 1948 

Na foto acima, o jovem Alfredinho (o terceiro a partir da esquerda) aparece com o time mirim do Sport Clube Juventude em 1922, defronte à antiga Agência Sul da Ford. O grupo é completado pelos jogadores Henrique Michielin, Julio Filippini, Casemiro Michielin, Germano Michielin, um, Grossi, Jacinto Lozano, Neno Vial, Renato Galló, Alberto Canalle e Oswaldo ¿Mirim¿ Ártico. Atrás, junto à porta, o senhor João Battastini (de bigode) e Ernesto Battastini. A imagem foi gentilmente cedida pelo médico e escritor Francisco Michielin, filho do antigo jogador e diretor da Metalúrgica Abramo Eberle Henrique Michielin (1909-1947).
O adolescente Alfredo Jaconi (terceiro a partir da esquerda) e time mirim do Esporte Clube Juventude em 1922Foto: Giacomo Geremia / Acervo de Francisco Michielin,divulgação

Alfredinho no Ju em 1922

Na foto acima, o jovem Alfredinho (o terceiro a partir da esquerda) aparece com o time mirim do Sport Clube Juventude em 1922, defronte à antiga Agência Sul da Ford. O grupo é completado pelos jogadores Henrique Michielin, Julio Filippini, Casemiro Michielin, Germano Michielin, um, Grossi, Jacinto Lozano, Neno Vial, Renato Galló, Alberto Canalle e Oswaldo "Mirim" Ártico. 

Atrás, junto à porta, o senhor João Battastini (de bigode) e Ernesto Battastini. A imagem foi gentilmente cedida pelo médico e escritor Francisco Michielin, filho do antigo jogador e diretor da Metalúrgica Abramo Eberle Henrique Michielin (1909-1947).    

Presidência em 1946

Alfredo Jaconi chegou à presidência do clube em 1946. A partir daí, comandou a campanha para a construção do novo pavilhão, responsável por trazer grande orgulho à papada no decorrer da década de 1950.

Conforme o autor Francisco Michielin, Alfredinho também garimpava novos jogadores, arranjando-lhes moradia. Quando o dinheiro não era suficiente, cobria as despesas com seus próprios recursos, vendendo terrenos de sua propriedade.

"Não tinha o menor prurido em desfazer-se de seu capital.Vendeu rifas, desembolsou dinheiro e perdeu boa parte do patrimônio. Tudo doado ao seu clube do coração".

Abaixo, os mascotes Marien Salatino Rech (no colo de Alfredo Jaconi) e seu primo Raimundo Nora, juntamente com o senhor Lotair Reis.

Alfredo Jaconi (à esquerda) e os mascotes do Ju, Marien Salatino Rech e Raimundo NoraFoto: Studio Tomazoni Caxias / Acervo de Francisco Michielin, divulgação

Morte na cervejaria

Ajudar o Ju, para Alfredo Jaconi, não era um sacrifício, era um honra, definiu o autor Francisco Michielin em seu livro. Toda essa dedicação, porém, foi interrompida na manhã de 6 de dezembro de 1952, nas dependências da lendária Cervejaria Leonardelli. Foi enquanto Alfredinho encomendava os barris de chope para a grande Parada da Vitória, com a qual o clube campeão da cidade  festejaria os triunfos esportivos daquela última temporada. 

Mas essa é uma história que você confere em detalhes na próxima coluna, com a repercussão de sua morte nos jornais Diário do Nordeste e Pioneiro de 68 anos atrás...

Leia mais:
Inauguração da nova Cervejaria Leonardelli em 1952
VÍDEO: o filme original da inauguração, em 14 de fevereiro de 1952
Francisco Michielin lança livro sobre os primeiros 100 anos do Esporte Clube Juventude
Francisco Michielin na pulsação literária
Carrinhos de lomba fervem a Rua Os Dezoito do Forte em 1950
Taca-le pau na Rua Os Dezoito do Forte em 1950
Uma gincana de lambretas em 1959   

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória   

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros