A padaria dos irmãos Amoretti e o clássico pão "cervejinha" - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória03/01/2020 | 18h13Atualizada em 03/01/2020 | 18h39

A padaria dos irmãos Amoretti e o clássico pão "cervejinha"

Antiga construção de tijolos aparentes existe até hoje no terreno da família, na Rua Marechal Floriano

A padaria dos irmãos Amoretti e o clássico pão "cervejinha" Acervo de família / divulgação/divulgação
Construção de tijolos que abrigou a antiga padaria, nos primórdios do século 20, hoje sedia confraternizações da família, atrás do casarão de madeira Foto: Acervo de família / divulgação / divulgação

Entre as tantas lembranças da família Amoretti, tema da reportagem especial da revista Almanaque deste final de semana, destacamos aqui a história da famosa padaria comandada por Nicolau Amoretti e pelos filhos mais velhos, a partir do finalzinho do século 19. O espaço funcionava na parte dos fundos da moradia, localizada na Rua Marechal Floriano, 858, e sobrevive até hoje, transformado em uma espécie de salão de festas e reuniões de família. 

Nicolau Amoretti: um porto-alegrense na Colônia Caxias 

Conforme dona Ivanizi Amoretti Sartori, autora do livro Resgatando o Passado, o avô Nicolau atuava no ramo da panificação ainda em Porto Alegre e deu continuidade a trabalho ao mudar para Caxias, com o auxílio dos filhos Luiz, Carlos (Carlim) e Sebastião. O sucesso vinha ancorado em duas "estrelas": o pão cervejinha assado no forno de barro —  desativado há décadas, mas cujos resquícios existem até hoje nos fundos do casarão.

Segredo eterno

Com a morte de Nicolau Amoretti, em 1908, os três irmãos deram sequência à padaria. O trabalho foi destacado por dona Ivanizi no perfil de Luiz Amoretti, que residiu no antigo casarão da Rua Marechal Floriano até o fim de seus dias.

"Luiz Amoretti, o segundo filho, nasceu em 1877 e faleceu em 1944. Uma das especialidades fabricadas (na padaria) era o pão cervejinha, cuja receita foi um segredo jamais revelado. Quando veio a modernização das padarias, com fornos elétricos e máquinas para amassar, juntamente com seus irmãos e sócios, Sebastião e Carlim, desistiu do negócio. Foi pena. As pessoas mais antigas lembravam com saudade dos saborosos pães que produziam e que eram entregues ainda quentinhos. Jamais quiseram vender a receita, apesar da insistência e das boas ofertas que faziam os donos das padarias que aqui se instalaram. E também não ensinaram para ninguém. A receita guardaram em segredo para sempre". 

Posteriormete à lendária padaria, o casarão seguiu como referência de boa gastronomia.  Por décadas, dona Victória (mãe de Ivanizi) e a filha Maria (tia) atenderam a encomendas de tortas, docinhos, sonhos e salgadinhos.

Leia mais:
Padaria e Fábrica de Massas de Vittorio Pasetti em 1917
Studio Geremia: mesmo cenário, vários noivos
O centenário do empresário Francisco Alberti 

Capa do livro destacou a antiga padariaFoto: Agência RBS / reprodução

A foto da capa

Um dos espaços mais charmosos do terreno dos Amoretti até hoje, o anexo feito de tijolos aparentes unidos a barro onde funcionava a lendária padaria  foi o cenário escolhido para a capa do livro (acima). 

Espaço de gastronomia desde os primórdios do casarão, ele segue hoje como espaço de convivência e festa da família. Reunindo as várias gerações de descendentes, logicamente, ao redor da boa mesa...   

Leia mais:
Armazém Onzi, um clássico do bairro Rio Branco
Inauguração das Feiras Livres em 1948
Armazém de Antonio Boz nos anos 1940  
Sila Mariani Santini e a Mercearia Caxiense em 1952
Inauguração do Super Calcagnotto em 1975 

Os irmãos Arnaldo, Gastão, Antônio (em pé), Carlim e Luiz (sentados)Foto: Julio Calegari / Acervo de família, divulgação

Clube Juvenil

Além de ter atuado na área da panificação, Luiz Amoretti, juntamente com o cunhado Américo Ribeiro Mendes (casado com sua irmã Antonieta), integrou o grupo de rapazes responsável pela fundação do Clube Juvenil, em 1905. 

Clube Juvenil, 110 anos depois
Um passeio pelos salões do Clube Juvenil 

Na foto acima, vemos os irmãos Amoretti por volta dos anos 1910: Luiz (sentado à direita) aparece ao lado de Carlim (sentado à esquerda), Arnaldo, Gastão e Antônio (em pé). Abaixo, todos os 15 irmãos com a matriarca Maria "Marieta" Santini Amoretti. Atrás, a partir da esquerda, estão João, Luiz, Sebastião, Carlos, Arnaldo e Antônio. Na fila do meio, Antonieta, Ida, Hermínia, Maria, Amélia, Santina e Cecília. À frente, a matriarca Marieta ladeada por Silvia e Gastão. 

A matriarca Maria “Marieta” Santini Amoretti com os 15 filhosFoto: Acervo de família / divulgação

Leia mais:
Armazém Baldasso e os 90 anos de seu Angelo
Mercadinho do Povo na Av. Júlio em 1947
Praça Dante Alighieri coberta de neve em 1941
Rua Dr. Montaury em 1959  
Restaurante Quitandinha na Av. Júlio nos anos 1950
Bomboniére Maratá em 1943   

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória  

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros