Um caxiense (quase) em Hollywood nos anos 1920 - Cidades - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Memória16/12/2019 | 07h10Atualizada em 16/12/2019 | 07h10

Um caxiense (quase) em Hollywood nos anos 1920

Caxiense Amilcar Pezzi por pouco não viajou à terra do cinema devido à semelhança com o galã do cinema mudo Rodolfo Valentino, falecido em 1926

Um caxiense (quase) em Hollywood nos anos 1920 Julio Calegari e reprodução / Acervo de família e Agência RBS/Acervo de família e Agência RBS
Amilcar Vicente Pezzi (E) foi encorajado a rumar para Hollywood devido à semelhança com o galã Rodolfo Valentino (D), falecido em 1926 Foto: Julio Calegari e reprodução / Acervo de família e Agência RBS / Acervo de família e Agência RBS

Parece roteiro de filme, mas por pouco um morador de Caxias do Sul não virou astro do cinema mudo americano na década de 1920. Trata-se de uma das histórias da juventude do senhor Amilcar Vicente Pezzi, neto do pioneiro imigrante italiano Abramo Pezzi (1846-1903) – também conhecido pela alcunha de "Il Maestro" (o professor). 

Quem recordou desse curioso "capítulo" da história familiar foi o joalheiro Raymundo Pezzi, 84 anos, um dos filhos de seu Amilcar. Conforme ele, com a morte precoce do galã Rodolfo Valentino, em 1926, os estúdios de Hollywood deram início a uma campanha visando achar um sósia para substituí-lo – à época, Valentino era um ícone dos filmes mudos e seu falecimento causou enorme comoção entre público e indústria cinematográfica.

A idade (Valentino era de 1895, Amilcar, de 1898) e a semelhança física entre o caxiense e o ator italiano radicado nos EUA contribuíram para que a história avançasse: 

– O senhor João Dal Cortivo falou com meu pai e pediu uma foto dele para mandar para Hollywood. Os estúdios receberam e ficaram entusiasmados. Mandaram uma carta pedindo que ele comparecesse lá para fazer os testes – conta Raymundo.

Suelly Dal Cortivo e Oswaldo Ribeiro Mendes: um Dia dos Namorados em 1934

Amilcar Vicente Pezzi (E) foi encorajado a rumar para Hollywood devido à semelhança com o galã Rodolfo Valentino (D), falecido em 1926Foto: Acervo de família e Agência RBS / divulgação

Prestes a viajar

O filho não recorda do motivo específico, mas, depois de tudo organizado para viajar, o pai acabou não indo. Quem rumou aos States foi o amigo João Dal Cortivo, com o intuito de substituir o ator Tom Mix, também famoso na época pelos papeis de cowboy em filmes de faroeste.

– Ele foi na Metalúrgica Abramo Eberle e comprou os melhores arreios e estribos, todos em prata de lei. Já a sela para levar foi confeccionada pelo senhor Milani, dono de uma antiga firma de artigos de montaria na Júlio, próxima à Brazex – completou.

João Dal Cortivo rumou a Hollywood e, logicamente, americanizou o nome. Atendia agora por John Kortiff e trabalhava nos estúdios da meca do cinema. 

– Passados mais de 30 anos, John Kortiff veio a Caxias, onde eu o conheci. Era um senhor realizado, que vivia em Nova York – concluiu seu Raymundo.

Seu Amilcar? Encontrou o sucesso e o reconhecimento em outras áreas. 

Leia mais:
Edifício Dona Ercília e uma esquina recheada de histórias
Vinícola Adega Pezzi em 1933
Adega Pezzi: uma esquina, muitas mudanças
Eberle: o jubileu de prata e ouro de Honório Marotto em 1948
Inauguração do Varejo do Eberle em 1949
Das alturas da Metalúrgica Abramo Eberle em 1950
Memórias na vertical: as curiosidades dos antigos prédios de Caxias do Sul 

Seu Raymundo Pezzi e a fotografia do pai, Amilcar, na juventude Foto: Rodrigo Lopes / Especial

Trajetória na funilaria

Parte da trajetória da família Pezzi e de seu Amilcar foi lembrada pela filha Susete Pezzi no livro "Il Maestro", publicado em 1996. Nascido em 1898,  Amilcar era filho de Arcádio Pezzi e Isabel Casagrande. Em 1929, ele casou-se com Clélia Pasetti, com quem teve cinco filhos: Adelaide e Susete nasceram em Antônio Prado. Raymundo, Miriam e Lourdes, em Caxias. 

Padaria e Fábrica de Massas de Vittorio Pasetti em 1917

Com passagens pela Farmácia D'Arrigo e pela funilaria de Francisco Zatti, seu Amilcar ingressou na Metalúrgica Abramo Eberle em meados dos anos 1920, produzindo  letreiros em chapas metálicas – alguns deles eram matrizes vazadas que facilitavam a pintura e registravam marcas de vinhos em barris e caixas de madeira. No entanto, a engenhosidade e o espírito criativo levaram-no a investir em uma funilaria própria, numa época em que o PVC ainda não existia e o metal dominava as instalações hidráulicas, calhas e produtos industriais – primeiramente em Antônio Prado, depois em Caxias.  

Seu Amilcar também nutria gosto pela fotografia, pintando, colorindo e dando seu toque pessoal a dezenas de imagens de família, especialmente dos filhos na infância. Amilcar Pezzi faleceu em 6 de outubro de 1977. Ele tinha 79 anos.

Leia mais:
Família de Raymundo Magnabosco em 1946
Praça Dante Alighieri e arredores nos anos 1930 e 1940
Giovanni Battista Serafini: instantes e tempos eternizados
Studio Geremia: mesmo cenário, vários noivos
O centenário do empresário Francisco Alberti

O galã Rodolfo valentino e seu cachorro de estimação em 1922Foto: Banco de dados / Agência RBS

Rodolfo Valentino, o amante latino

Nascido na Itália em 1895, Rodolfo Valentino chegou aos Estados Unidos por volta de 1912, atuando inicialmente em companhias de teatro. 

A partir dos anos 1920, privilegiou a carreira cinematográfica, consolidando a imagem de "latin lover" em películas como Os Quatro Cavaleiros do Apocalipse, Sangue e Areia, A Dama das Camélias, O Sheik e O Filho do Sheik – esempre dando vida a personagens exóticos e sedutores. 

Valentino faleceu em agosto de 1926, aos 31 anos, após sofrer um colapso no Hotel Ambassador, em New York. Para estudiosos da sétima arte, foi o primeiro grande astro pop de Hollywood, três décadas antes da consagração de James Dean e Marlon Brando, nos anos 1950.

Leia mais:
Mauro De Blanco no Atelier de Teatro da Aliança Francesa em 1961
Therezinha Spinato: um baile de gala no Recreio da Juventude em 1955
Armazém Baldasso e os 90 anos de seu Angelo
Mercadinho do Povo na Av. Júlio em 1947
Praça Dante Alighieri coberta de neve em 1941
Rua Dr. Montaury em 1959  
Restaurante Quitandinha na Av. Júlio nos anos 1950
Bomboniére Maratá em 1943  
Martha Rocha visita o Varejo do Eberle em 1955
Terezinha Morango confere o varejo do Eberle em 1958 

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória  

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros