São Romédio despede-se de Italino Pedron, aos 102 anos - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória07/12/2019 | 07h00Atualizada em 07/12/2019 | 07h00

São Romédio despede-se de Italino Pedron, aos 102 anos

Missa de sétimo dia do morador mais antigo da localidade ocorre neste sábado, às 18h30min

São Romédio despede-se de Italino Pedron, aos 102 anos Acervo de família / divulgação/divulgação
A família Pedron na frente de casa de São Romédio, nos anos 1950: o jovem Italino (segundo à direita) com os pais Maria e Angélico e os irmãos Julieta, Josephina, Rosalina, Leonilda, Beltrão, Paulino e Attilio Foto: Acervo de família / divulgação / divulgação

A comunidade de São Romédio despediu-se no último final de semana de seu morador mais antigo. Italino Pedron, 102 anos, faleceu no domingo à noite devido a complicações decorrentes de uma queda – ele completaria os 103 daqui a um mês, em 3 de janeiro de 2020. As últimas homenagens ocorrem neste sábado, às 18h30min, durante a missa de sétimo dia, na igreja de São Romédio, localidade onde morou praticamente toda a vida.

O centenário de seu Italino Pedron em 2017

Filho do casal Angélico Pedron e Maria Giacoma Giordano, Italiano nasceu em Caxias em 3 de janeiro de 1917. Foi o quarto de uma prole de nove irmãos, completada por Romilda, Attílio, Leonilda (Nilda), Paulino (Nino), Rosalina, Josephina Elza (Fina), Beltrão Eugenio e Julieta (Julia). 

Parte de sua trajetória foi resgatada em uma biografia feita pela família para a comemoração dos 130 anos da Sociedade da Igreja de São Romédio, em 2006 – à época, seu Italino estava com 89 anos. Conforme o texto, o garoto residiu até os sete anos na Rua Visconde de Pelotas, em frente ao atual Edifício Parque do Sol. 

"Na época, os avós paternos, Giovanni e Maria Pedroni Pedron, em função da idade, decidiram trocar de residência com os pais de Italino, Angélico e Maria Giordano Pedron, vindo então a família a morar na Colônia de São Romédio. Desde então, os vínculos com a comunidade de São Romédio foram fortalecidos. Seus pais, muito religiosos, participavam da vida da comunidade igreja. Doaram parte das terras para o cemitério e a igreja. Sua mãe, Maria, participou como zeladora da Igreja por muitos anos, até falecer, em 1975".

Seu Italino em sua casa em São Romédio, em 2016Foto: Diogo Sallaberry / Agência RBS

A igreja

Com aproximadamente 12 anos, em 1929, Italino, juntamente com o pai, Angélico ajudou na construção da nova Igreja de São Romédio, carregando na carreta a areia do rio. O posterior trabalho como pedreiro, mestre de obras e construtor contribuiu também para que ele residisse em outras cidades e bairros de Caxias.

Já em 1975, construiu sua casa em São Romédio, onde foi morar com a família. A partir daí sempre procurou se envolver com as demandas comunitárias, participando das atividades sociais e como membro da diretoria da Associação Igreja de São Romédio em diversas gestões. 

O texto de 2006 resumiu bem esse comprometimento:

"Italino ainda hoje sente-se responsável e comprometido com a comunidade, como membro da diretoria e ajudando incansavelmente nas atividades festivas de São Romédio. Nestes 30 anos, tem sido um membro efetivo na vida comunitária, com seu jeito humilde, observador, atento e participativo. A sua mensagem para a comunidade era: "Que os jovens assumam a responsabilidade de dar continuidade a vida da comunidade de São Romédio, com a consciência de fazer parte dela, com o frescor, entusiasmo e a força da juventude."

Na imagem acima, a família Pedron na frente de casa de São Romédio, no início dos 1950: o jovem Italino (segundo à direita) aparece com os pais Maria e Angélico (sentados) e os irmãos Julieta, Josephina, Rosalina, Leonilda, Beltrão Eugenio, Paulino e Attilio (aplicado posteriormente na foto).

Leia mais:
Rumo aos 140 anos de São Romédio
São Romédio, talian e as origens de Caxias do Sul.
Nos 140 anos de São Romédio, moradores da primeira comunidade de Caxias compartilham memórias
Lembranças de São Romédio da Quinta Légua 

Seu Italino integrou o carro de São Romédio no primeiro corso alegórico da Festa da Uva, em 1932. Ele aparece acima da letra "U"Foto: Acervo de família / divulgação

História de 80 anos

Em 2012, seu Italino foi homenageado pela Festa da Uva e recordou de uma história de 80 anos. Participou, aos 95 anos, do corso alegórico que reproduziu o carro de São Romédio na edição de 1932, quando ele, aos 15, também desfilou (foto acima).

Família e homenagem

Em 1956, seu Italino casou com dona Genny Terra de Lima, nascendo dessa união os filhos Luis Alexandre, Janice Maria, José Amaro, Flávio Italino, André Jean e Eduardo, que lhe deram seis netos e um bisneto.

Ele foi sepultado segunda-feira no cemitério da Associação da Igreja de São Romédio. A missa de corpo presente foi celebrada por três padres: o pároco da comunidade dos Santos Apóstolos, padre Camilo Pauletti; o padre Mateus Boldori e o padre Josemar Conte, amigo da família, acompanhados pelos membros da liturgia, coral, e por grande número de parentes e amigos.

Leia mais:
A família Fedrizzi e as origens de São Romédio
Rua Tronca em 1958
Inauguração da Avenida São Lepoldo em 1952
O legado de Maria Luisa Rosa na educação caxiense 

Julieta e Italino em 2005Foto: Acervo de família / divulgação

Os dois irmãos

Seu Italino faleceu um mês após a morte da irmã Julieta (Julia) Pedron Tessari, em 31 de outubro. Ela completaria 92 anos em 21 de dezembro. Conforme relato do sobrinho Gilmar Pedron Lorenzi, o tio estava muito sentido com o falecimento de Julia, a única dos oito irmãos ainda viva.

Memória: a trajetória de dona Julieta Pedron Tessari

– Ela telefonava seguidamente pra ele, e em todas as festas de aniversário estava presente – conta Gilmar, completando que seu Italino já estava preparando a festa de 103 anos, a ser celebrada em 3 de janeiro.

Na foto acima, Seu Italino e a irmã Julieta em 2005. A missa deste sábado recorda o sétimo e o 30º dia de falecimento dele e dela, respectivamente.

Agradecimento

Parte das informações e fotos desta coluna são uma colaboração do leitor Gilmar Pedron Lorenzi, sobrinho de Italino.

Leia mais:
Livro e exposição resgatam legado do naturalista José Zugno
Você é um morador raiz do bairro Rio Branco? Teste seus conhecimentos
Imagens e histórias recuperadas no Museu dos Capuchinhos
Bairro Rio Branco: o Convento Imaculada Conceição em 1954
Freis Capuchinhos no Seminário Nossa Senhora Aparecida em 1939 

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória  

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros