Eberle: o jubileu de prata de Zulmir Fabbris em 1939 - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória30/12/2019 | 07h00Atualizada em 30/12/2019 | 07h00

Eberle: o jubileu de prata de Zulmir Fabbris em 1939

Antigo diretor começou a trabalhar na fábrica em 1914 e faleceu pouco antes de completar 50 anos de atuação, em 1964

Eberle: o jubileu de prata de Zulmir Fabbris em 1939 Studio Geremia / Acervo pessoal de Francisco Michielin, divulgação/Acervo pessoal de Francisco Michielin, divulgação
Zulmir Fabbris (o quarto sentado, a partir da esquerda), ao lado de José Eberle, diretores e colegas em 1939 Foto: Studio Geremia / Acervo pessoal de Francisco Michielin, divulgação / Acervo pessoal de Francisco Michielin, divulgação

Colaborador da coluna Memória, o médico e escritor Francisco Michielin disponibilizou vasto material sobre a trajetória do Esporte Clube Juventude, relatando histórias e personagens que se mesclaram não apenas ao futebol mas ao desenvolvimento de Caxias do Sul ao longo do século. 20  É o caso do senhor Zulmir Fabbris, um dos 35 fundadores do Juventude – tanto do Recreio quanto do Esporte –, além de lendário diretor da seção de artigos religiosos da Metalúrgica Abramo Eberle.

Praça Vestibular Abramo Eberle em 1946

Na imagem acima, disponibilizada por Michielin, vemos a comemoração do jubileu de prata de Fabbris, celebrado em 1º de agosto de 1939. A foto seguia o padrão de todos os jubilados nas décadas de 1930, 1940 e 1950, com a direção e os funcionários da respectiva seção junto ao homenageado. 

Fabbris (o quarto sentado, a partir da esquerda) aparece ao lado dos diretores José "Bepin" Eberle e Caetano Pettinelli, além de vários outros nomes que fizeram história na fábrica, como João Crisóstomo, Atílio Peroni, Alberto Miller, Hugo Argenta, Oscar Martini, Américo Garbin, Humberto Bassanesi, Henrique Michielin, Agostinho Fochesatto, Antônio Fedrizzi, Alcides Fedrizzi, Pedro Moré, Hugo Seidl e Odino Sartori.

Eberle: um relógio de ouro no jubileu de prata

No registro abaixo, parte desse grupo aparece junto ao fundador Abramo Eberle (sentado ao centro), durante uma reunião da direção e funcionários em 1941. Abramo faleceria dali a quatro anos, em 14 de janeiro de 1945. Na sequência, um perfil de Zulmir Fabbris no Boletim Eberle de 1959, quando ele completou 45 anos de empresa.

Leia mais:
O cinquentenário da Metalúrgica Abramo Eberle em 1946
Funeral de Abramo Eberle em 1945
Memórias do Palacete Eberle
Eberle Centro: uma esquina e uma piteira
Eberle: a fábrica de joias e a origem da piteira   

Zulmir Fabbris (quarto sentado, a partir da esquerda), Abramo Eberle (ao centro) e funcionários durante uma reunião em 1941Foto: Studio Geremia / Acervo pessoal de Francisco Michielin, divulgação
Foto: Agência RBS / reprodução

O bispo da Maesa

Filho de Luiz e Leonilda Fabbris, Zulmir nasceu em 6 de janeiro de 1894. Primogênito de nove irmãos, iniciou profissionalmente como atendente no quiosque de Anúncio Ungaretti, localizado junto à Praça Dante. Aos 20 anos, em 1914, deu entrada na Metalúrgica Abramo Eberle como balconista.

Católico e profundo conhecedor dos artigos sacros produzidos pela empresa, Fabbris também foi, ao longo das décadas seguintes, uma espécie de relações públicas da Eberle e elo natural de comunicação entre a firma e o clero. Não por acaso era conhecido entre os representantes comerciais como "O Bispo da Maesa"...

Foto: Reprodução / Agência RBS

Morte às vésperas do jubileu de ouro, em 1964

Conforme a homenagem póstuma publicada no Boletim Eberle de julho de 1964 (fotos acima e abaixo), Zulmir Fabbris faleceu em 7 de junho daquele ano, a 54 dias de completar o jubileu de ouro na Metalúrgica Abramo Eberle, onde iniciou em 1º de agosto de 1914. 

"É por isso que esta crônica sai hoje desalinhada, sem jeito, ainda úmida das lágrimas de todos os seus familiares e amigos. Esta crônica, que desejaríamos refletisse a alegria de uma etapa vencida com galhardia, perseverança e muita fé, reflete hoje a tristeza que enlutou os corações de nós todos que labutamos cotidianamente na nossa Maesa". 

Leia mais:
Eberle: o jubileu de prata de Enio Arioli em 1968
Jandira Michelon e os 30 anos de atuação no varejo do Eberle
Encontro de ex-funcionários do Varejo do Eberle   

Foto: Reprodução / Agência RBS
Foto: Agência RBS / reprodução

Bandeira do Juventude

Conforme matéria do Pioneiro de 13 de junho de 1964 (fotos abaxio), a Metalúrgica Abramo Eberle e a empresa Controles Robertshow do Brasil S.A. suspenderam seu expediente no dia 8 de junho, como uma homenagem a Zulmir Fabbris. O texto completava:

"O féretro, com grande acompanhamento e recoberto pela bandeira do Juventude, do qual Zulmir era sócio-fundador, foi conduzido à Catedral Diocesana, onde foi rezada missa de corpo presente, tendo o reverendo padre Brandalise reverenciado a memória e feito a encomendação do extinto. Zulmir Fabbris, que desaparece contando 70 anos de idade, deixa a prantear-lhe sua morte a esposa, dona Modestina Ely Fabbris; sua filha Claudia Allucy Kolling, casada com o senhor João Kolling Netto; e seus irmãos: viúva Romilda Zani, senhorita Flora Fabbris, senhora Alice Garbin, esposa do senhor Américo Garbin; e senhores Gastão Fabbris e Vasco Fabbris."

Leia mais:
Varejo do Eberle: um clássico do Centro
Varejo do Eberle: presentes que duram uma vida inteira
Martha Rocha visita o Varejo do Eberle em 1955
Terezinha Morango confere o varejo do Eberle em 1958
Varejo do Eberle: uma vitrine multicor no Dia das Mães de 1968 

Foto: Agência RBS / reprodução

Depoimento de Cláudio Eberle

Antes de Zulmir Fabbris ser sepultado no Cemitério Público Municipal, Claudio Eberle discursou em nome da empresa. Confira parte do texto:

“Morreu Zulmir Fabbris, e esta triste ocorrência, enchendo de dor os nossos corações, vem cobrir de luto não apenas os seus familiares, mas também a sociedade humana que labuta na casa de Abramo Eberle, da qual Zulmir foi fiel amigo e discípulo. A morte de Zulmir nos consternou profundamente. Porque toda a sua vida foi um exemplo de dedicação e amor voltados ao trabalho honesto, profícuo e criador. Porque foi o companheiro inseparável de todas as horas, acompanhando nas mínimas coisas tudo quanto se referia à nossa empresa, da qual foi um dos melhores esteios e construtor". (Jornal Pioneiro, 13 de junho de 1964)

Leia mais:
O jubileu de prata de Orevil Bellini em 1967
Orevil Bellini, o desenhista do Eberle
Orevil Bellini e um carro alegórico premiado na Festa da Uva de 1954
Facas de gaúcho, clássicos da Metalúrgica Abramo Eberle

Inauguração do busto de Abramo Eberle em 1946: os diretores Odino Sartori, Américo Garbin, Humberto Bassanesi (atrás), Henrique Michielin, José Eberle e Zulmir Fabbris (à frente)Foto: Studio Geremia / Acervo de família, divulgação

Leia mais:
Salão Nobre do Eberle em 1968
Eberle Centro: detalhes de outros tempos
Antigos vitrais da fachada do Eberle são recuperados
Eberle: o jubileu de prata e ouro de Honório Marotto em 1948
Eberle: a seção de gravação em 1956
Eberle: o jubileu de prata de Hugo Seidl em 1952
Inauguração do Varejo do Eberle em 1949
Getúlio Jacoby da Rosa: um jubileu de prata em 1969   

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória  

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros