Crônicas de Natal #7: "a esperança de encontrar presentes no lugar do milho" - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Especial09/12/2019 | 08h55Atualizada em 09/12/2019 | 08h59

Crônicas de Natal #7: "a esperança de encontrar presentes no lugar do milho"

Para crianças pobres, um prato de milho não foi suficiente para atrair o Papai Noel, mas conseguiu sensibilizar um vizinho

Crônicas de Natal #7: "a esperança de encontrar presentes no lugar do milho" Arte: Luan Zuchi/Arte: Luan Zuchi
"Inesquecível" Foto: Arte: Luan Zuchi / Arte: Luan Zuchi
Pioneiro
Pioneiro

Lisiane Pandolfi conta a história de uma criança que conhecia o mundo pelos olhos de quem crescia no interior de Antônio Prado. Elas fazem da série  Crônicas de Natal,  que será publicada até o dia 25 de dezembro.   

Confira:

Foi lá pelos anos 1960. Lenir Carniel Miot tinha seis anos e conhecia o mundo pelos olhos de quem crescia no interior de Antônio Prado. Eram tempos difíceis, de saudades da mãe, que havia morrido um ano antes. A ausência materna deixara Lenir e outros cinco irmãos sob os cuidados do pai agricultor. Lenir era quase a filha do meio, com dois irmãos maiores e três irmãs mais novas do que ela. Não havia muito tempo para chorar, a vida forçava Lenir a amadurecer antes do tempo. Os pequenos ficavam sob seus cuidados em casa, enquanto os mais velhos iam trabalhar na roça. Papai Noel e seus presentes eram sonhos distantes, mas um gesto tornaria aquele Natal inesquecível para a menina e seus irmãos.

Ouça o áudio da carta: 

Alguns dias após a data, Lenir foi até a casa de um vizinho e soube que os filhos dele, seus amigos de infância, haviam ganhado presentes. Sem entender o porquê do esquecimento do Papai Noel em passar na sua casa e muito triste por ela e os irmãos não terem ganho nada, Lenir voltou cabisbaixa.

Mesmo sendo dia, colocou as irmãs menores para dormir, arrumou um prato de milho para o Bom Velhinho, fez um pedido e foi deitar também. Um tempo depois acordou com a esperança de encontrar presentes no lugar do milho, o que, obviamente não aconteceu. À noite, quando o seu pai retornou para casa, as crianças, muito tristes, relataram o esquecimento do Papai Noel.

Leia mais
Crônicas de Natal #6: "Quando uma criança escreve para o Papai Noel, ela deposita um sonho"
Crônicas de Natal #5: "a força que possui um abraço"
Crônicas de Natal #4: "quantas lembranças cabem em um Fusca?"
Crônicas de Natal #3: "sair do hospital sem o filho nos braços foi doloroso" 

Seu Adelino, calejado pelo trabalho pesado na roça e pela perda da esposa, não se conteve mais uma vez. Ficou muito triste e deixou as lágrimas escaparem. Sentia-se impotente, pois não tinha condições de dar presentes aos filhos, que já haviam perdido a mãe tão pequenos.

No dia seguinte, seu Adelino contou para o vizinho o que havia acontecido no dia anterior. O vizinho, então, por ter melhores condições financeiras, foi a uma loja na cidade e comprou presentes para as seis crianças.

As crianças, ao receberem os presentes, ficaram tão alegres por finalmente comemorar o Natal atrasado, e com algo que jamais teriam ganho do pobre pai. Foi um momento mágico e marcante demais para esquecer. O gesto daquele vizinho tornou a data de Lenir e dos irmãos um pouco mais alegre e acalenta até hoje o coração de Lenir que, aos 67 anos, ainda se emociona ao relembrar.

Lisiane Pandolfi, professora.

 *Crônicas de Natal é um projeto assinado por Adriano Duarte, Andressa Paulino, Juliana Rech, Luan Zuchi e Manuela Balzan.

Leia também
Crônicas de Natal #2: "foram muitas mãos para tornar realidade o sonho"
Crônicas de Natal #1: "quero ganhar uma família antes do dia 25 de dezembro"
Confira quais tipos sanguíneos são compatíveis com o seu
Receitas Ilustradas #2: aprenda a fazer um fettuccine fresco com polpeta toscana
Receitas Ilustradas: aprenda a fazer entrecot grelhado com manteiga de ervas

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros