Crônicas de Natal #11: "A Casa do Papai Noel" - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Especial13/12/2019 | 08h46Atualizada em 13/12/2019 | 13h53

Crônicas de Natal #11: "A Casa do Papai Noel"

Um Papai Noel não basta, é preciso centenas deles. Entenda como uma família ressignificou a data com as representações do personagem

Crônicas de Natal #11: "A Casa do Papai Noel" Arte: Luan Zuchi/Arte: Luan Zuchi
"A casa dos Bons Velhinhos" Foto: Arte: Luan Zuchi / Arte: Luan Zuchi
Pioneiro
Pioneiro

Cloris e Aline nos contam como é conviver entre Papais Noéis no  Crônicas de Natal desta sexta-feira.

Eles estão lá. Barbas brancas como algodão, com suas roupas vermelhas, os sorrisos e os olhares mais suaves do mundo. São aconchegantes e parecem querer contar muitas histórias para nos confortar. Não é oficial esse nome, mas por causa deles, todos em Nova Prata chamam a grande e antiga residência de madeira das famílias Cherubini e Lenzi de a Casa do Papai Noel.

Ouça o áudio da carta: 

São centenas de bonecos com enfeites como renas e anjos, mas apenas 200 estão expostos pelos cantos da moradia, quantidade suficiente para chamar a atenção. Vieram de várias partes do mundo para encantar e embelezar. Tem o Bom Velhinho do Brasil, da Rússia, da Espanha, do México, da Argentina, do Paraguai, da Bolívia e da Suíça. Muitos deles também foram fabricados pela colecionadora. São de vários tamanhos, cores e formas.

O personagem remete à  infância da matriarca Nerry Cherubini Lenzi e passa pela geração das filhas, netos e bisnetos. Quando lembra do Natal, Nerry diz que é impossível esquecer o pinheiro verde enfeitado com bolas coloridas, velas e barba de pau. Era uma árvore de verdade. O mais importante para as crianças era a chegada do Papai Noel no caminhão vermelho, mais conhecido como “bombeiro”, do saudoso Marne Lenzi, que nos deixou em 2013. O seu Marne era incrível. Passava o ano consertando as mangueiras com as luzes e pisca-piscas. Ninguém esquece da manjedoura que recebia na madrugada o Menino Jesus. Era o tempo em que participava-se da Missa do Galo à meia-noite na Igreja Matriz. Depois, a família saboreava a ceia acompanhada da canção Noite Feliz.

Leia mais
Crônicas de Natal #10: "Pela porta da frente"
Crônicas de Natal #9: "Noite encantada"
Crônicas de Natal #8: "A praça pode ser um grande salão de festas, um local mágico"
Crônicas de Natal #7: "A esperança de encontrar presentes no lugar do milho"
Crônicas de Natal #6: "Quando uma criança escreve para o Papai Noel, ela deposita um sonho" 

Lá pelos anos 1990, iniciou-se a coleção de Papais Noéis por uma das filhas de Nerry, a Naira. E a Naira diz que esse é o presente que ela adora ganhar em qualquer data. No mês de novembro, os Papais Noéis são os personagens principais, pois eles estão ali também para ornamentar a parte interna e externa da casa.

Para Naira, os bonecos têm um significado muito lindo, mas depois que o pai dela morreu, eles ficaram guardados durante seis longos anos. Nesse ano, saíram das caixas a pedido da Nerry. Muitos deles passearam por algumas exposições em Nova Prata em tempos passados. Hoje, podem ser vistos da rua, na sacada da moradia

A ideia é mostrar que a casa é o templo onde se cultua ao longo do ano o amor, a união, a fé e a esperança. Mas acima de tudo, onde reina a paz e todos os valores que nos fazem crescer e sempre viver o espirito natalino.

Cloris Aparecida Lenzi da Fonseca e Aline da Fonseca

 *Crônicas de Natal é um projeto assinado por Adriano Duarte, Andressa Paulino, Juliana Rech, Luan Zuchi e Manuela Balzan.

Leia também
Crônicas de Natal #5: "A força que possui um abraço"
Crônicas de Natal #4: "Quantas lembranças cabem em um Fusca?"
Crônicas de Natal #3: "Sair do hospital sem o filho nos braços foi doloroso"
Crônicas de Natal #2: "Foram muitas mãos para tornar realidade o sonho"
Crônicas de Natal #1: "Quero ganhar uma família antes do dia 25 de dezembro"
Confira quais tipos sanguíneos são compatíveis com o seu

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros