A trajetória do padre Sidney Zanettini  - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória27/12/2019 | 19h50Atualizada em 27/12/2019 | 20h35

A trajetória do padre Sidney Zanettini 

Religioso natural de Nova Prata foi o primeiro pároco da comunidade do Sagrado Coração de Jesus, do bairro Cruzeiro

A trajetória do padre Sidney Zanettini  Acervo de família / divulgação/divulgação
Padre Sidney Zanettini celebra a união de Neve Perini e Ivo Bisol em 1960, na antiga igreja do bairro Foto: Acervo de família / divulgação / divulgação

O aniversário de 60 anos de criação da Paróquia Sagrado Coração de Jesus do bairro Cruzeiro, celebrado no dia 25 de dezembro, joga luzes sobre a trajetória de seu primeiro pároco, o padre Sidney Zanettini. 

Filho de Raymundo e Wenceslina Lenzi Zanettini, Sidney Luiz Zanettini nasceu em Nova Prata em 28 de abril de 1927. Sua ordenação como sacerdote deu- se aos 24 anos, em 2 de dezembro de 1951, no município de origem. Já em de 1952, passou a atuar em Caxias, na Paróquia de São Pelegrino, onde colaborou na construção da atual igreja, inaugurada em 1953. Um ano depois, em 1954, Zanettini deixou São Pelegrino para atuar na igreja de Lourdes, onde permaneceu por seis anos. 

Calendário de Lourdes: uma paróquia rumo aos 80 anos

Em 1960, Zanettini assumiu como vigário da Igreja Sagrado Coração de Jesus, cuja paróquia fora criada em 25 de dezembro de 1959 por Dom Benedito Zorzi – o bispo desmembrou- a da igreja de Nossa Senhora de Lourdes, que dava assistência espiritual aos moradores do então bairro Cruzeiro do Sul ( atual Cruzeiro). 

A igreja

No tempo de Zanettini, a antiga igreja do Cruzeiro localizava- se no atual estacionamento próximo ao salão comunitário – chegado ao bairro nos primórdios dos anos 1960, ele logo fez amizade com as famílias locais e colaborou de forma efetiva no desenvolvimento da comunidade. 

Além de comandar a paróquia do Cruzeiro, Zanettini atuou na Catedral Diocesana, foi capelão e assistente religioso do presídio local, além de assistente jurídico do Circulo Operário Caxiense, vide sua graduação em Direito. 

Leia mais:
Sidney Zanetti, Caravaggio e a Via-Sacra de Aldo Locatelli em 1960
Aldo Locatteli nas posições de Cristo para a Via-Sacra de São Pelegrino
Encontro dos descendentes de Ciro Rech e Rosina Bisol

Sidney Zanettini celebra o batismo de Ricardo Boff, juntamente com os padrinhos Ivo e Sueli Boff, na Catedral Diocesana, em 1957Foto: Hildo Boff / Acervo de família. divulgação

Atuação no Paraná

Em 1966, Sidney Zanettini assumiu a Diocese de Maringá, no Paraná, onde permaneceu por 21 anos. Lá, atuou nas paróquias de Santa Isabel do Ivaí e Mandaguari.  Também auxiliou na construção da famosa Catedral de Nossa Senhora da Glória – cujo formato foi inspirado no foguete russo Sputnik II (foto abaixo) – e foi seu cura durante 18 anos. 

Posteriormente, atuou como pároco nas catedrais de Palmas e de Paranavaí, no mesmo Estado.  O retorno à Diocese de Caxias do Sul ocorreu em 1994, quando assumiu o cargo de Capelão do Hospital São João Batista de Nova Prata.  Monsenhor Sidney Luiz Zanettini faleceu em 5 de março de 2005. Ele tinha 77 anos. 

Leia mais:
Dona Anory e as "Páginas de uma Vida"
Lourdes, Zona Caipora e Bairro Guarani
Paróquia de Lourdes rumo aos 80 anos
Apostolado da Oração da Paróquia de Lourdes em 1948
Pórtico da Estrada Federal Getúlio Vargas em 1941  

Zanettini no início dos anos 1960 Foto: Acervo de família / divulgação

A Catedral de Maringá

Seis anos após a morte de Sidney Zanettini em Nova Prata, em 2005, a Diocese de Maringá obteve a autorização para transladar o corpo do religioso. Em 28 de abril de 2011, seus restos mortais foram sepultados na cripta da Catedral de Nossa Senhora da Glória, na cidade paranaense. Construída entre 1958 e 1972 e com 124 metros de altura, trata- se da mais alta catedral da América Latina (foto abaixo). 

Foto: Acervo Catedral de Maringá / divulgação

Parceria

Informações desta coluna são uma colaboração do pesquisador Éder Dall'Agnol dos Santos.

Leia mais:
Bairro Lourdes: a Praça Vestibular Abramo Eberle em 1946
Origens do Colégio Madre Imilda
A história do prédio do Arquivo Histórico Municipal
O pioneirismo da família de Vicente Rovea  
Cripta do Santo Sepulcro na década de 1930
Zambelli & Locatelli: os detalhes do interior da Igreja do Santo Sepulcro
Memórias da Júlio: as histórias que rondam o velho casarão ao lado do Santo Sepulcro  

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória   

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros