A Livraria Saldanha e as lembranças de seu Henrique em 1981 - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória04/12/2019 | 07h00Atualizada em 04/12/2019 | 07h00

A Livraria Saldanha e as lembranças de seu Henrique em 1981

Fundador do estabelecimento em 1916, comerciante recordou da trajetória da família e da loja em uma reportagem de 1981, pouco antes de falecer

A Livraria Saldanha e as lembranças de seu Henrique em 1981 Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação/divulgação
Henrique (de terno branco), o pai e as vitrines tomadas de artigos sacros e pratarias do Eberle , na década de 1930 Foto: Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação / divulgação

A segunda parte da coluna sobre a Livraria Saldanha destaca hoje algumas das lembranças do empresário Henrique Saldanha de Figueiredo Filho. Ele foi um dos empresários entrevistados pelo Pioneiro em 1981, para uma matéria sobre o Dia do Comerciante, comemorado em 16 de julho. 

A reportagem discorria sobre estabelecimentos tradicionais da cidade mantidos por seus fundadores e familiares, como o Armazém Zatti e a loja de discos da senhora Iria Rauber, ambos em São Pelegrino (fotos abaixo). 

A seguir, parte do texto publicado na edição de 17 de julho de 1981:

"Ainda há na cidade lojas mais que cinqüentenárias, de longa tradição e que conservam até nossos dias características semelhantes às de quando foram fundadas. Além disso, em muitos desses estabelecimentos comerciais ainda trabalham os proprietários, parte da história viva de Caxias. Um exemplo desses é Henrique Saldanha de Figueiredo Filho, mas conhecido como "seu Saldanha", cuja loja, na esquina da Av. Júlio com a Rua Visconde de Pelotas, tem se mantido fiel à mesma filosofia da sua fundação. Lá podem ser encontrados os mais diversos brinquedos, de todos os tipos e preços, enfeites, pilhas, balões e as mais inimagináveis quinquilharias e curiosidades.

Seu Saldanha está no ramo há aproximadamente 60 anos e afirmou que não pretende parar de trabalhar. Aos 83 anos, recusou todas as propostas de venda do valioso ponto. "Todos os meses aparece alguém querendo comprar e pagando uma fortuna, mas eu não vou vender", disse. "Só bancos apareceram cinco, mas eu não tenho a mínima intenção de me desfazer da loja". 

A Casa Saldanha foi fundada por seu pai em 1916. Toda sua família é oriunda de Rio Pardo. Saldanha contou que, quando sua mãe morreu, ainda na cidade de origem, o pai e os filhos ficaram inconsoláveis e receberam um convite de um tio que morava em Bento Gonçalves para mudarem-se para lá. Algum tempo depois, eles conheceram Caxias e resolveram estabelecer-se na cidade, adotando o ramo do comércio. Logo seu Saldanha passou a tomar conta do estabelecimento. 

Para ele, o início foi difícil. Ele relatou que chegava a trabalhar à noite, pois nunca tiveram muitos funcionários. "Eu dormia rapidamente, após o jantar, e depois acordava para ir trabalhar", falou. Segundo Saldanha, ser comerciante sempre foi agradável, em virtude da prosa, do contato direto e do conhecimento da freguesia. Mas ele não é saudosista a ponto de lamentar o aparecimento das grandes lojas e da desumanização da atividade. Apenas preocupa-se em manter seu estabelecimento tal qual ele sempre foi. Até o fim”. 

Seu Saldanha faleceu dois anos depois, em 1983. A livraria fechou na sequência – mas as lembranças da mítica loja e suas vitrines seguem na memória coletiva da cidade até hoje.

Leia mais:
Mercadinho do Povo, na Avenida Júlio, em 1947
Casa Prataviera: o centenário do empresário Francisco Alberti
Guerino Sanvitto: dos primórdios ao Colavoro
Avenida Júlio e as lembranças da Vila Braghirolli  

Década de 1930: Henrique (de terno branco), o pai e as vitrines tomadas de artigos sacros e pratarias do EberleFoto: Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação
Henrique Saldanha em uma de suas últimas entrevistas para a imprensa, em 1981Foto: Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul / reprodução
Foto: Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul / reprodução

A família

Henrique Saldanha de Figueiredo Filho nasceu em 1898, em Rio Pardo, e ganhou o mesmo nome do pai. Após o falecimento da mãe, Palmira do Amaral Lisboa de Figueiredo, em 1915, a família migrou para a Serra Gaúcha – primeiramente estabeleceram-se em Bento Gonçalves, depois em Caxias. 

Caçula da prole, "Henriquinho", como também era chamado, tinha outros sete irmãos: Odorico, Antonieta, Anna (Nininha), Aracy (Ciloca), Firmino, Maria Carlota (Lolota) e Palmira (Didila), todos eles dedicados ao jornalismo e à literatura. Proprietários de uma gráfica e de uma editora, os Saldanha editaram jornais em todos os locais onde moraram: O Incôndito (1914), em Rio Pardo; O Intruso (1915), em Bento Gonçalves; e O Estímulo (1916), em Caxias.

Leia mais:
Anna Saldanha: a precursora do espiritismo em Caxias do Sul
Mistério em centro espírita de Caxias: onde estão os restos mortais de Anna Saldanha?
Os possíveis caminhos do corpo de Anna Saldanha, precursora do espiritismo em Caxias do Sul   

Venda e retorno

Conforme informações do Arquivo Histórico Municipal, Henrique fundou a Livraria Saldanha em sociedade com o pai e o irmão em 1916, vendendo-a, em 1947, para a firma Calcagnotto & Cia. O negócio foi retomado em 1952, quando ele registrou a firma com o nome de Henrique Saldanha Filho e a razão social "Casa Saldanha". 

Henrique (na primeira fila, à esquerda) e amigos na Praça Dante Alighieri em 6 de julho de 1926 Foto: Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação

Na Praça Dante em 1926

Na imagem acima, o jovem Henrique (em primeiro plano, à esquerda) aparece junto a amigos em 1926, no acesso à extinta balaustrada da Estátua da Liberdade, na Praça Dante Alighieri, tendo ao fundo o quiosque de Adelino Sassi,  a Catedral Diocesana e um dos clássicos leões esculpidos por Michelangelo Zambelli (hoje no acesso ao Parque Cinquentenário).

Entre outros aparecem Francisco Crisostomo Gonçalves, Dinarte de Oliveira Soares, José Gazola, Armando Müller, Júlio Sassi, Carlito Crisostomo Gonçalves, Armando Azevedo, Gastão Festugato, João Falcão, Clodoveu Gaviolli, Vitório Pettinelli e Antônio Veiga. 

Abaixo, seu Saldanha durante uma homenagem ocorrida em 1973. Ele aparece entre os ex-prefeito Mario David Vanin e o senhor Osvaldo Ferreira (em pé).

Henrique Saldanha entre Mario David Vanin (E) e Osvaldo Ferreira (em pé) durante uma homenagem em 1973Foto: Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação

Leia mais:
Carlos Cesa e a trajetória da Farmácia Confiança
Hospital Pompéia: os 50 anos do Pio Sodalício em 1963
Inauguração do Varejo do Eberle em 1949  
Sila Mariani Santini e a Mercearia Caxiense em 1952  
Família de Raymundo Magnabosco em 1946
Bomboniére Maratá em 1943
Comerciárias da Loja Renner em 1961
Lembranças da antiga Joalheria Beretta
A Malharia Salatino na década de 1950
Centenário da Ferragem Caxiense: o incêndio de 1948
Os 130 anos de fundação da firma Amadeo Rossi 

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória  

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros