Monumento à Itália: inauguração em 1958, acidente e retorno - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória02/10/2019 | 07h00Atualizada em 02/10/2019 | 07h00

Monumento à Itália: inauguração em 1958, acidente e retorno

Solenidade de entrega da "bota" de São Pelegrino restaurada ocorre nesta quarta (2), a partir das 16h

Monumento à Itália: inauguração em 1958, acidente e retorno Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação/Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação
Solenidade de inauguração, em 1958, contou com Giovanni Gronchi D), o prefeito Rubem Bento Alves (C) e o bispo Dom Benedito Zorzi (E) Foto: Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

Dois anos, três meses e 24 dias depois de ser danificado em um acidente de trânsito, em 8 de junho de 2017, o Monumento à Itália retorna oficialmente a seu local de origem. Embora tenha sido recolocada na esquina da Av. Júlio com a Rua Feijó Júnior ainda no dia 8 de setembro, a tradicional "bota" de São Pelegrino será "reinaugurada" nesta quarta (2), a partir das 16h, pelo prefeito Daniel Guerra.

Você é um morador "raiz" do bairro São Pelegrino? Teste seus conhecimentos 

Depois de um imbróglio que se arrastou por todo o ano passado, envolvendo nomes de possíveis restauradores da estrutura em basalto, o trabalho teve início em fevereiro de 2019, quando o artista plástico André Gnatta assumiu o processo de recuperação. 

Reinstalado em ponto original, Monumento à Itália recebe acabamento em Caxias 

Conforme a arquiteta Karina Dick, da Secretaria Municipal da Cultura e responsável pelo projeto, o resultado também buscou deixar a "bota" mais perceptível à população.

–  A base foi elevada dos originais 16 centímetros para 50 centímetros, com o propósito de proteger a obra de eventuais colisões. Dessa forma, a estrutura ainda mantém a relação de altura com os canteiros da Praça João Pessoa, uma vez que o monumento, no nível do piso, passava despercebido pelas pessoas – explica Karina.  

A execução de todo o trabalho também foi acompanhada pela Divisão de Proteção ao Patrimônio Histórico e Cultural (Dippahc). Conforme a arquiteta Heloíse Salvador, titular da Dippahc, as duas placas originais em bronze, retiradas da estrutura que havia permanecido na praça para evitar furtos, voltam a compor o conjunto. 

Limpas e fixadas com maior segurança, elas destacam duas solenidades históricas, em 1958 e 1978 (leia mais abaixo). Uma terceira placa, em aço escovado, trará as informações referentes ao restauro. 

Segundo o artista plástico André Gnatta, a parte danificada da escultura (rachadura) será imperceptível à distância.

– Onde foi consertado, a mudança é mínima – revelou à reportagem da Rádio Gaúcha Serra, na última semana. 

Leia mais:
Marco Zero da construção de Caxias é furtado da Praça Dante
Placa de bronze é furtada do Monumento Gigia Bandera
Busto do empresário Candido Calcagnotto é levado da Praça da Bandeira 

Monumento permaneceu rodeado por tapumes nas últimas semanas e será entregue à comunidade nesta quartaFoto: Lucas Amorelli / Agência RBS

Custos

Conforme a arquiteta Karina Dick, da Secretaria Municipal da Cultura, a recuperação do Monumento à Itália custou um total de R$ 14.210,00. O valor compreende não apenas o restauro em si e os materiais utilizados, mas todo o trabalho de remoção da estrutura, com o auxílio de dois guindastes, para o atelier do artista André Gnatta, em fevereiro. 

A restauração será paga pelo Município, que deve pedir reembolso ao motorista responsável pelo dano.

Leia mais:
Bairro São Pelegrino e as lembranças da Sociedade Vinícola Riograndense
Rua Olavo Bilac e suas antigas vinícolas
Cooperativa Vinícola Caxiense e o lendário Vinho Casto
Cooperativa Vinícola Caxiense em 1960  
Praça João Pessoa na década de 1950  

Inauguração em 1958

A tradicional "bota", esculpida em basalto pelo mestre da cantaria José Zambon, foi inaugurada por ocasião da visita do presidente italiano Giovanni Gronchi a Caxias, em 13 de setembro de 1958. 

Gronchi circulou pela cidade na companhia do presidente Juscelino Kubitschek, que naquele ano quebrou o protocolo de governo e não compareceu à abertura da Festa da Uva – a justificativa foi de que, exatamente no período da festa, JK aguardava pelo político italiano no Rio de Janeiro, o que acabou não se concretizando. Para compensar, Juscelino, o vice João Goulart (Jango) e Gronchi chegaram a Caxias seis meses depois. 

A placa oficial traz os dizeres: "Giovanni Gronchi, presidente da Itália, aqui esteve hoje, em visita à nova pátria dos artífices que transformaram o Campo dos Bugres na moderna Caxias do Sul. Homenagem do município – 13.09.1958". 

Leia mais:
Dante Marcucci: um busto e uma polêmica
Busto de Dante Alighieri, um ícone da praça desde 1914
Busto de Dante completa um século na praça
Hospital Pompéia: inauguração do busto de Dom José Barea em 1966
Estátua da Liberdade, um ícone da Praça Dante desde 1922
Pórtico da Estrada Federal Getúlio Vargas em 1941 

Registros históricos

Na foto que abre a matéria, o momento da inauguração – Juscelino e Jango não participaram da solenidade. Vê-se o presidente italiano Giovanni Gronchi, o prefeito Rubem Bento Alves, o bispo Dom Benedito Zorzi, o padre Giordani, o governador do Estado, Ildo Meneghetti, autoridades e centenas de moradores do bairro.

Abaixo o momento em que o carro da comitiva desloca-se para o centro da cidade. O veículo é rodeado por alunas do Ginásio São Carlos, munidas de bandeiras da Itália e do Brasil.  Ao fundo, com as varandas e janelas tomadas de gente, o antigo casarão onde funcionou o consultório e a casa do dentista Aparício Postali e sua família — preservado em suas linhas originais e hoje sede de uma loja de roupas. 

 Aparício Postali e Giovanni Gronchi em 1958 

Após inaugurar o monumento comitiva do presidente Giovanni Gronchi deslocou-se de carro para o centroFoto: Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação


O monumento destacado (ao fundo)Foto: Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

Placa extra em 1978

Vinte anos depois, em 4 de novembro de 1978, o "mapa" recebeu uma placa extra oferecida pelo Legislativo, a partir de um projeto encaminhado pelos então vereadores Mário Gardelin, Dino Périco e Remo Marcucci. 

Eles buscavam homenagear, 60 anos após o armistício no front italiano, dois caxienses que haviam se inscrito como voluntários para defender a Itália na Primeira Guerra Mundial: o sargento Rafael Zambelli e o soldado Angelo Bracagioli, mortos em 1918. 

Conforme informações contidas no livro Os Filhos da Arte, de Irma Buffon Zambelli, após dois anos de combate, Rafael foi ferido e capturado pelos alemães, tornando-se prisioneiro de guerra a partir de 15 de novembro de 1917 –  no cativeiro, ele adquiriu a pneumonia dupla que acabou levando-o à morte, em 2 de março de 1918, no hospital militar de Langensalz, na Alemanha. 

Rafael Zambelli tinha apenas 18 anos.

Leia mais:
A "bota" de São Pelegrino em 1958
Gronchi e  Kubitschek: dois presidentes e uma capa em italiano em 1958
Rafael Zambelli: combate e morte na Primeira Guerra Mundial
Os leões de Michelangelo Zambelli no Parque Cinquentenário
Suzana Postali Fantinel: uma página para recordar do bairro São Pelegrino
Memórias de São Pelegrino: do Cine Real às Lojas Brasileiras
São Pelegrino: ontem e hoje
Moinho Progresso e um incêndio em 1954
Rua Coronel Flores pavimentada em 1942
São Pelegrino: a história da Viação Férrea do Rio Grande do Sul em livro

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória   

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros