Grito dos Excluídos e Excluídas fez seu manifesto depois do encerramento oficial do desfile - Cidades - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Dia da Independência07/09/2019 | 18h36Atualizada em 07/09/2019 | 20h28

Grito dos Excluídos e Excluídas fez seu manifesto depois do encerramento oficial do desfile

Com cartazes a favor da educação, grupo foi recebido por vaias e aplausos, revelando a polarização que se encontra o país em termos políticos

Grito dos Excluídos e Excluídas fez seu manifesto depois do encerramento oficial do desfile marcelo Casagrande/Agencia RBS
Grito dos Excluídos e Excluídas, manifesto de oposição ao governo Bolsonaro, esteve presente no final do desfile em Caxias do Sul Foto: marcelo Casagrande / Agencia RBS

Passava do meio dia de sábado, dia 7 de setembro, quando um grupo de manifestantes autoproclamados como Grito dos Excluídos e das Excluídas, aproximava-se do prédio da Eberle, na esquina das ruas Sinimbu com a Marquês do Herval, em Caxias do Sul. Entre eles, estavam estudantes, representantes dos movimentos de defesa dos direitos das mulheres, dos negros, do movimento LGBT+, e militantes progressistas.

Leia ainda
Apesar da instabilidade do clima, Desfile da Independência ocorreu em Caxias

Tudo transcorria em paz, apesar do esvaziamento da Sinimbu, porque o protocolo oficial do Desfile da Independência informou do final do evento assim que os últimos carros da Guarda Municipal aproximavam-se do palanque oficial, em frente à Praça Dante Alighieri, onde estava o prefeito Daniel Guerra e demais autoridades. Ou seja, mesmo antes de o grupo aproximar-se do palanque, as autoridades e parte do público já havia debandado.

Entre os gritos de ordem, dos manifestantes, estava a frase: "Tira a tesoura da mão e valoriza a educação!", que faz crítica aos cortes anunciados pelo governo Bolsonaro. A proposta orçamentária para 2020, prevê redução de 18% dos recursos totais do Ministério da Educação, além de restringir verbas de projetos sociais como o Minha Casa e Minha Vida e o Bolsa Família.

CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 07/09/2019 - Desfile de 7 de setembro em Caxias do Sul iniciou com chuva. No final teve confusão. NA FOTO: grito dos excluídos e excluídas. (Marcelo Casagrande/Agência RBS)
Manifestação do Grito dos Excluídos e das Excluídas continha discurso de cunho político e a favor da Amazônia.Foto: marcelo Casagrande / Agencia RBS

Na pauta de críticas desse movimento dos excluídos e das excluídas, que se mobilizaram em Caxias, estava também o grito a favor da preservação da Amazônia. Em meio aos manifestantes, haviam ainda pessoas com camisetas e cartazes em defesa do ex-presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva (PT), com o bordão "Lula Livre" sendo entoado.

A polarização literalmente ocupa as ruas, como se percebeu neste desfile em Caxias. Assim como o presidente Jair Messias Bolsonaro (PSL) tem proclamado que enfim o Brasil se vê livre da cor vermelha, em uma alusão aos partidos políticos assumidamente à esquerda, que usam a cor vermelha como símbolo de suas bandeiras, os defensores desse novo Brasil também assumem esse discurso. Enquanto que a oposição procura dar voz e vasão ao que entende ser um retrocesso toda essa mobilização por um país que caminha mais à direita.

Em um determinado momento, alguns manifestantes do Grito dos Excluídos e Excluídas aproximaram-se de um pequeno grupo de defensores do Brasil verde e amarelo, sob a tríade Deus, pátria e família e trocaram agressões verbais. 

CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 07/09/2019 - Desfile de 7 de setembro em Caxias do Sul iniciou com chuva. No final teve confusão. NA FOTO: grito dos excluídos e excluídas. (Marcelo Casagrande/Agência RBS)
Ao centro, Cleonice Araújo, momentos antes de ter sido detida sob a acusação se agressão, em frente à Catedral Diocesana de Caxias.Foto: marcelo Casagrande / Agencia RBS

Logo essa discussão deixou de ser apenas verbal e passou para uma fase mais crítica, de confronto físico. Leia a seguir o relato, escrito por Raul Cardoso Silva, estagiário de psicologia do Centro de Referência LGBT+:

"Após encerrar nosso desfile com o Centro de Referência LBGT+, que ocorreu pacificamente, nos unimos ao Grito dos Excluídos e das Excluídas, composto pelos movimentos sociais estudantis, das mulheres, de pessoas negras, professores e demais militâncias. 

Nós, do centro de referência, decidimos andar de mãos dadas, atrás de todo bloco. O público se dividia entre aplausos e vaias. Entre os que vaiavam, na altura da Catedral Diocesana, um grupo de aproximadamente seis pessoas usavam a bandeira de escudo para proferir ofensas e nos cuspir. 

A Cleo (Cleonice Araújo), foi até a bandeira, sentou-se junto a eles e disse: "Eu também sou Brasil". Me dirigi até ela, temendo a reação dos demais. Foi então que começaram a nos empurrar, cuspiram na Cleo, e enquanto eu tentava apaziguar a situação, um homem se lançou sobre a Cleo, que por sua vez reagiu. 

O tumulto se instaurou. Eu, que busquei conter a situação e apartar a briga, fui agredido pela Brigada, que surgiu violentando a Cleo, confundindo contenção com agressão. Então, a Cleo foi algemada, e eu agredido com cacetetes. O homem que a agrediu não foi. Qual critério adotam para definir uma situação de risco? A violência após o desfile a favor do patriotismo, revela a situação desta pátria pária, mãe hostil.".

CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 07/09/2019 - Desfile de 7 de setembro em Caxias do Sul iniciou com chuva. No final teve confusão. NA FOTO: grito dos excluídos e excluídas. (Marcelo Casagrande/Agência RBS)
Momento em que Cleonice é detida, conforme a relato do Boletim de Ocorrência, "com uso de força moderada".Foto: marcelo Casagrande / Agencia RBS

A versão oficial da Brigada Militar, relatada através do Boletim de Ocorrência (BO), revela que: "ela (Cleonice Araújo) foi contida por uma guarnição da BM, que fez uso de força moderada". A seguir leia um trecho do BO que foi revelado ao Pioneiro. O texto integral não foi liberado pela BM.

 "Cleonice (Cleunice Araújo) entrou em vias de fato contra duas pessoas, devido a elas irem de encontro à manifestação da Cleonice, que pisou na bandeira do Brasil. Cleonice teria se alterado e entrado em luta corporal, agredindo as pessoas. Logo após, ela foi contida por uma guarnição da BM, que fez uso de força moderada e conduziu a ela (Cleonice) e mais uma testemunha para a delegacia para o devido registro. Duas das vítimas (nomes preservados pela BM) tiveram pequenas lesões".

Confira a seguir um vídeo que mostra um dos momentos do confronto entre manifestantes de oposição e pro-Bolsonaro:


Confira a seguir galeria de fotos da manifestação do Grito dos Excluídos e das Excluídas:

Leia também:
Quem são e o que pensam os caxienses que têm o pensamento mais à esquerda
Caxienses revelam seu pensamento mais à direita
"Nem tanto à direita, nem tanto à esquerda", diz caxiense que defende o consenso
"Não sou de direita ou de esquerda. A gente tem que dialogar com todos" afirma novo bispo de Caxias

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros