Eberle Centro, uma esquina e uma piteira - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória01/08/2019 | 07h00Atualizada em 01/08/2019 | 07h00

Eberle Centro, uma esquina e uma piteira

Marca registrada surgida em 1908 é um dos símbolos do prédio, na esquina das ruas Os Dezoito do Forte e Borges de Medeiros, e recebeu iluminação especial

Eberle Centro, uma esquina e uma piteira Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação/Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação
A construção do prédio que ganharia a piteira no telhado, na esquina da Os Dezoito do Forte com a Borges, em meados da década de 1940 Foto: Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

Ela está lá há mais de 70 anos, mas até hoje muita gente ainda a confunde com uma corneta, uma trompa e até uma cornucópia. Falamos da famosa piteira que adorna o telhado da antiga Metalúrgica Abramo Eberle, na esquina das ruas Borges de Medeiros e Os Dezoito do Forte. 

Eberle: a fábrica de joias e a origem da piteira 

Com o recente trabalho de iluminação para valorizar a fachada e os detalhes arquitetônicos do prédio, o símbolo ganhou ainda mais destaque, assim como sua história. Ela foi esmiuçada no livro "O Milagre da Montanha", lançado em 1946, cujo trecho reproduzimos abaixo:

"Em 1906, a força de expansão dos produtos da fábrica, a grande procura que os mesmos passaram a ter, levaram os dirigentes a cogitar a escolha da marca. Cada um dos interessados tinha seu ponto de vista e cada qual apresentou sua sugestão. Sucede que pouco tempo antes, Abramo Eberle, ao regressar de São Paulo, entre as pequenas lembranças afetivas, trouxera uma piteira de forma singular, algo parecido a uma pequena corneta, ou melhor, a uma pequena trompa de caça, que deu de presente a Luiz Gasparetto. certa ocasião, em que o fundador encarecia a necessidade de escolherem uma marca para os produtos da fábrica, em presença de Luiz Gasparetto e Reinaldo Kochenborger, este último teve uma inspiração e sugeriu que se adotasse a "Piteira" como marca para os produtos da fábrica".

A partir de 1908, a marca tornou-se um símbolo da perfeição de acabamento e da ótima qualidade do material empregado nas diversas seções da fábrica. 

"Os produtos marcados com a "Piteira" conquistaram justificada fama à futura grande metalúrgica. A adoção dessa marca assinala uma etapa de grande progresso nos métodos de fabricação e nos processos de expansão, rumo aos grandes mercados nacionais e estrangeiros". 

Tanto que a expansão física da empresa, verificada a partir da década de 1940, destinou dois lugares de destaque ao símbolo, esculpido em concreto: no topo do telhado do prédio erguido nos fundos do quarteirão — a esquina das ruas Os Dezoito do Forte e Borges de Medeiros — e também no beiral do terraço pela Rua Sinimbu, bem menos perceptível. 

Na foto abaixo, o complexo da Rua Borges de Medeiros concluído, ainda com o telhado original (ao fundo) e a piteira no topo. Na sequência, o símbolo atualmente, devidamente iluminado.

Leia mais:
Fábrica de joias Eberle Kochenborger em 1948
O cinquentenário da Metalúrgica Abramo Eberle em 1946  
Salão Nobre do Eberle em 1968
Eberle Centro: detalhes de outros tempos
Antigos vitrais da fachada do Eberle são recuperados
Memórias do Palacete Eberle   

Os funcionários do Eberle durante um desfile cívico pela Borges de Medeiros na Semana da Pátria, nos anos 1940. Ao fundo, a piteiraFoto: Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação
A piteira iluminada no telhado, na esquina da Borges com a DezoitoFoto: Marcelo Casagrande / Agência RBS
A piteira iluminada no telhado, na esquina da Borges com a DezoitoFoto: Marcelo Casagrande / Agência RBS
A piteira iluminada no telhado, na esquina da Borges com a DezoitoFoto: Marcelo Casagrande / Agência RBS
A piteira no beiral do terraço pela Rua SinimbuFoto: Cristiano Sobroza Monteiro / divulgação

Leia mais:
Olivo Berton e os jubilados do Eberle em 1968
Getúlio Jacoby da Rosa: um jubileu de prata em 1969  
Eberle: a trajetória de Joaquim Barasuol  
Eberle: um relógio de ouro no jubileu de prata
Eberle: o jubileu de prata e ouro de Honório Marotto em 1948
Eberle: a seção de gravação em 1956
Eberle: o jubileu de prata de Hugo Seidl em 1952
Orevil Bellini, o desenhista da Eberle 

A marca hoje

Surgida para marcar os produtos do Eberle, a "Piteira" foi adquirida em 1989 pela metalúrgica caxiense Metalgusa — atualmente é a marca registrada da Via Appia Indústria e Comércio de Metais Ltda, responsável pela fabricação das mais tradicional linha de itens de montaria do Brasil. Sob o slogan "tradição desde 1908 em produtos que duram para sempre", a empresa possui ainda uma linha completa de cutelaria e acessórios. 

O catálogo inclui peças como argolas, bridões, esporas, estribos, fivelas, freios, facas, chairas e talheres articulados. No site ww.piteira1908.com.br, a empresa também disponibiliza uma preciosidade histórica: o catálogo original de 1937, com os produtos de encoureamento e montaria produzidos pela Metalúrgica Abramo Eberle na época (detalhe abaixo). 

Facas de gaúcho, clássicos do Eberle  

Foto: Piteira1908 / Reprodução
Foto: Reprodução / Agência RBS
A piteira e a esquina nos anos 1970Foto: Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação
A esquina da Borges com a Dezoito por volta de 1979, com a famosa piteira no telhado da fábricaFoto: Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

História no Boletim Eberle

Em 1959, uma das edições do lendário Boletim Eberle detalhou a história da piteira. O texto foi um colaboração do jornalista e historiador Mário Gardelin, que na época entrevistou o diretor Júlio João Eberle, filho de Abramo.

Leia mais:
Boletim Eberle: o informativo mensal da Metalúrgica Abramo Eberle   
Rua Guia Lopes no Boletim Eberle em 1958
Rua Dr. Montaury em 1959 

Foto: Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul / reprodução
Foto: Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul / reprodução
Foto: Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul / reprodução
Foto: Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul / reprodução
Foto: Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul / reprodução

Leia mais:
Inauguração do Varejo do Eberle em 1949
Varejo do Eberle: um clássico do Centro
Varejo do Eberle: presentes que duram uma vida inteira
Encontro de ex-funcionários do Varejo do Eberle
Varejo do Eberle: o jubileu de prata de Enio Arioli em 1968  
Martha Rocha visita o Varejo do Eberle em 1955
Terezinha Morango confere o varejo do Eberle em 1958
Varejo do Eberle: uma vitrine multicor no Dia das Mães de 1968
Para recordar de Dona Ercília e das vitrines do Eberle nos anos 1960 

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória  

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros