Com receio de perder laboratório de fotografia para produção de grafeno, alunos da UCS protestam - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Manifestação em Caxias19/08/2019 | 15h59Atualizada em 19/08/2019 | 15h59

Com receio de perder laboratório de fotografia para produção de grafeno, alunos da UCS protestam

Instalações seriam feitas no Bloco T; UCS, no entanto, garante que produção não será no Cetel

Com receio de perder laboratório de fotografia para produção de grafeno, alunos da UCS protestam Antonio Valiente/Agencia RBS
Instalações seriam feitas no Bloco T; UCS, no entanto, garante que produção não será no Cetel Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS

A informação de que o laboratório de fotografia do Bloco T (Cetel), na Universidade de Caxias do Sul (UCS), seria utilizado para a produção de grafeno fez com que os alunos dos cursos de comunicação protestassem. Com receio de perder o espaço, utilizado por quem cursa fotografia, publicidade e propaganda, jornalismo e relações públicas, estudantes colaram cartazes na frente do Cetel e se manifestaram nas redes sociais. Os protestos começaram ainda na semana passada, quando técnicos da UCS visitaram o local para verificar a viabilidade técnica da instalação da fábrica de grafeno.

Leia mais
Caxias do Sul tem projeto para construção de planta para fabricação de grafeno 

A UCS, no entanto, afirma que a produção de grafeno não será no Cetel. O diretor e administrador financeiro da universidade, Candido Luis Teles da Roza, garante que diversos prédios da instituição foram visitados, mas que o laboratório do Bloco T foi descartado. Porém, não adianta se o local já foi escolhido e nem quando começará a funcionar.

Para esclarecer melhor a situação, uma assembleia entre os alunos dos cursos de comunicação e um representante oficial da UCS ocorre nesta segunda-feira (19), às 18h30min.

O grafeno é uma das apostas do setor de pesquisa da UCS. O material, que tem como matéria-prima a base de carbono, da grossura de um átomo, altamente flexível e condutor de eletricidade e calor, é comparado ao silício por acelerar ainda mais a corrida para eletrônica do futuro. A universidade anunciou em maio os planos para a produção em escala industrial do grafeno, considerado o material mais leve e forte do mundo.

Leia também
Quatro contêineres são queimados ao lado de escola em Caxias do Sul
UBS Mariani passará por reforma orçada em cerca de R$ 1 milhão 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros