Pais e alunos da escola Arlinda Manfro protestam contra transferência em Caxias - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Polêmica 30/07/2019 | 10h19Atualizada em 30/07/2019 | 11h39

Pais e alunos da escola Arlinda Manfro protestam contra transferência em Caxias

Estudantes retornariam às aulas nesta terça-feira no Centro de Eventos da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer (Smel)

Pais e alunos da escola Arlinda Manfro protestam contra transferência em Caxias Andre Fiedler/Agência RBS
Estudantes retornariam às aulas nesta terça-feira no Centro de Eventos da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer (Smel) Foto: Andre Fiedler / Agência RBS

Pais e alunos da Escola Municipal Professora Arlinda Lauer Manfro, em São João da 4º Légua, em Galópolis, se reuniram para protestar na frente do colégio na manhã desta terça-feira (30). No dia em que os estudantes retornariam das férias e teriam que ter aulas no Centro de Eventos da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer (Smel), ao lado do campo de futebol do bairro, cerca de 80 pessoas protestaram contra a transferência das crianças. Eles também deram um abraço simbólico na escola. 

A polêmica em torno da mudança ocorre desde o dia 4 de junho, quando a Secretaria Municipal de Educação informou aos pais que os 62 alunos da instituição, que está na área rural, seriam transferidos. 

Leia mais
Reforma no Centro Esportivo sairia pelo mesmo valor de obra em escola de Galópolis
Ministério Público de Caxias quer informações sobre transferência de estudantes em Galópolis 
Pais de alunos que foram transferidos para estudar em capela mortuária temem fechamento de escola em Caxias
Alunos de escola no interior de Caxias podem estudar em local provisório por até dois anos
Estudantes de escola de Caxias do Sul são transferidos para capela mortuária
Pais reclamam de possibilidade de filhos terem aula em capela mortuária em Caxias do Sul   

O questionamento dos pais é por que o município não reforma o prédio atual. Eles temem que a escola seja fechada e, assim, as crianças tenham que sair do interior. 

A corretora de seguros Gilmara Strapasson, 39 anos, tem dois filhos, de 2 e 4 anos, que não foram para a aula nesta terça-feira. Eles participaram da manifestação ao lado da família:

— Hoje é o retorno das férias e estamos aqui para demostrar que queremos continuar aqui no interior. A escola pode ser reformada, é possível reformar, então por que não fazer? Em Galopólis, o sol eles não vão enxergar porque só bate a luz do sol às 14h, é úmido, não tem parquinho e nem lugar para eles brincarem. 

A mudança dos alunos foi questionada pelo Ministério Público (MP), que orientou a prefeitura a elaborar um projeto de recuperação da escola. Além disso, 16 integrantes do Conselho Municipal de Educação votaram contra o remanejamento para o local escolhido pelo município.

Outro ponto que chama à atenção é a informação de que a reforma da escola custaria R$ 32 mil, enquanto o valor investido pelo município para adequar o Centro de Esportes gira em torno de R$ 30 mil. A Comissão de Educação da Câmara de Vereadores também é contra a escolha do local. Os pais e a comunidade ofereceram ajuda para a reforma da escola. 

A presidente do Conselho de Pais e Mestres da Arlinda Manfro, Marina Silvana Menzomo Strapasson, 39, reitera que a comunidade ofereceu diversas opções para que as crianças permanecessem no meio rural. Sugeriram o salão paroquial e a escola Felipe Camarão, fechada em 2017.

— A Smed demostrou que a escola será fechada porque, até agora, não apresentaram projeto e alegam que não tinham equipe para trabalhar, e que isso seria feito somente em janeiro de 2020. A nossa motivação é garantir que a escola não feche. Nós temos lei que garantem que a comunidade possa reformar a escola.

O MP chegou a ingressar com uma ação civil pública pedindo que a transferência dos estudantes fosse proibida. Na sexta-feira (26), o juiz Emerson Kaminski negou a liminar, sob o entendimento de que "as intervenções contratadas pela municipalidade atendem, ainda que precariamente, as necessidades de segurança e habitabilidade". O magistrado afirma, no entanto, que a Smed terá que "demonstrar medidas emergenciais para reformar o educandário", sem determinar prazo. A decisão foi publicada nesta segunda-feira (29).

Entenda o caso 

De 5 de junho até o dia 15 de julho, 17 alunos do 4° e 5° ano  estudaram, provisoriamente, em uma sala onde funcionava uma capela mortuária, ao lado da Igreja de São João da 4º Légua. No retorno às aulas, os alunos passaram a estudar no prédio do Centro de Eventos da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer (Smel), na área central de Galópolis.

O que diz o município

A secretária de Educação, Marina Matiello, estava em visita a escolas na manhã desta terça e não pôde atender a reportagem. Por meio da assessoria de imprensa, afirmou que o município teve 15 dias para responder perguntas e apresentar um projeto do espaço no Centro de Eventos. Ela voltou a dizer que o projeto de reforma da Arlinda Manfro será elaborado a partir de janeiro de 2020.

Leia também
Pai tirou filha de casa antes de matar companheira em Bom Jesus, segundo polícia
Homem que aplicou golpe na compra de um veículo em Gravataí é detido tentando vender carro em Caxias 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros