O leite não pode esperar: nem o frio de 0ºC inibe família de agricultores de São José dos Ausentes  - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Inverno05/07/2019 | 15h01Atualizada em 05/07/2019 | 15h08

O leite não pode esperar: nem o frio de 0ºC inibe família de agricultores de São José dos Ausentes 

Na manhã mais fria do ano, Elton Guimarães e o filho Luan começaram a ordenha das vacas por volta das 7h30min

O leite não pode esperar: nem o frio de 0ºC inibe família de agricultores de São José dos Ausentes  Antonio Valiente/Agencia RBS
Na manhã mais fria do ano, Elton Guimarães começa a ordenha das vacas por volta das 7h30min Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS

Não é com a expectativa dos turistas que o agricultor Elton Guimarães, 59 anos, aguarda pela possível chegada da neve a São José dos Ausentes. Para o dono da primeira queijaria do município de 3,5 mil habitantes, no topo dos Campos de Cima da Serra, neve é sinônimo de pasto danificado. E isso o obriga a reforçar a compra de ração para alimentar o gado. São mais de 100 cabeças na propriedade que divide com a esposa, a comerciante Neiva Susin, 59.Também para Neiva, o frio e a umidade que prenunciam a neve não são bem-vindos:

— Esse frio é muito bom pra ficar em casa. Mas para quem trabalha fora, é de doer — reclama Neiva.

Leia mais  
São José dos Ausentes amanhece com -1,5 grau nesta sexta-feira Frio na Serra bate recorde do ano no Estado nesta quinta-feira
São José dos Ausentes registra -1,5°C e Caxias do Sul amanhece com a primeira geada do ano   

Bom mesmo é para os netos. Alice, 5, e Ruan, 3, não vão à escola e nem à creche, respectivamente, em dias como essa sexta-feira (5), em que o termômetro marcou -1ºC, mas com sensação térmica ainda menor pela ação do vento e da umidade. Filhos de Luan, o caçula de Elton e Neiva, os pequenos brincam de esconde-esconde, assistem televisão e de maneira alguma se entediam enquanto os mais velhos tocam a lida do dia, que começa bem cedo.

É por volta das 7h que Luan chega à casa do pai. O trabalho começa com a higienização do aquecedor que irá receber o leite das vacas, extraído de forma mecânica. São 70 litros por dia, que dentro de 60 dias serão vendidos na forma de peças do tradicional queijo artesanal serrano. A produção é maior nos meses mais quentes, quando as vacas chegam a dar 200 litros por dia. O próximo passo é agregar o rebanho - cerca de 15 vacas leiteiras e seus terneiros - para a ordenha. É a parte mais demorada da manhã, embora o processo mecanizado faça com que tirar cinco litros de leite seja de uma facilidade quase ofensiva aos mais antigos, que faziam a ordenha com as próprias mãos.

— É um serviço que deixa a gente muito preso, porque tem várias etapas. Não tem como fazer em outro horário, precisa ser cedo. E não pode falhar um dia, senão prejudica a produção. É o típico trabalho que é só para quem gosta. E, normalmente, quem gosta é quem cresceu nessa vida, amando o campo e estar em meio aos animais — comenta Elton, membro da quarta geração da primeira família que povoou Ausentes. 

Aposentado há três anos, o patriarca conta que construiu a fábrica pensando no filho, que deixou a faculdade de Agronomia após o primeiro ano, por preferir a vida no interior. Foi quando a queijaria deixou de ser um negócio inteiramente artesanal e ganhou ares mais profissionais, com ajuda de órgãos como a Emater e a prefeitura. A clientela, contudo, continua majoritariamente local. É o comércio de São José dos Ausentes que compra a maior parte dos queijos, para irem Brasil afora nos porta-malas dos turistas. 

 SÃO JOSÉ DOS AUSENTES, RS, BRASIL (05/07/2019)Reportagem mostra como é a rotina de uma familia de São José dos Ausentes, que mesmo com frio precissa acordar cedo para trabalhar. (Antonio Valiente/Agência RBS)
Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS

— O queijo artesanal é como pão. Se 10 pessoas prepararem o mesmo tipo de pão, nenhum vai ficar igual ao outro. O sabor depende muito do tempo de maturação de cada peça. A gente deixa por 30 dias, mas há quem prefira pegar um queijo de apenas dois dias, que vai ter outro sabor, menos concentrado.

Após a ordenha, Luan aplica ao leite recém-extraído o coalho. Após repousar por uma hora no aquecedor, a coalhada é retirada e colocada em prensas, onde ganharão a forma final para depois serem colocadas na prateleira, para maturação. Encerrada a lida na fabriqueta, Luan e Elton limpam o galpão e higienizam os equipamentos.As vacas são devolvidas ao pasto. Também para elas, a tarde será de merecido descanso.   

A tradição do camargo

Após a penúltima vaca ser ordenhada mecanicamente, a última é a escolhida para oferecer leite aos terneiros que perderam suas mães. Também será a última vaca que irá fornecer o leite para o camargo, saboroso café da manhã campeiro. 

 SÃO JOSÉ DOS AUSENTES, RS, BRASIL (05/07/2019)Reportagem mostra como é a rotina de uma familia de São José dos Ausentes, que mesmo com frio precissa acordar cedo para trabalhar. (Antonio Valiente/Agência RBS)
Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS

Trata-se de um café servido na caneca de ferro, que recebe o leite tirado diretamente do ubre, sem passar por qualquer processo. Por mais que o morador da cidade possa estranhar, é uma bebida cremosa e muito saborosa. 

— O camargo precisa ser feito do leite de uma vaca que esteja amamentando um terneiro já crescido, de pelo menos quatro meses. Ela irá fornecer um leite mais gordo e mais saboroso. A vaca que amamenta um recém-nascido produz o colostro, alimento que é mais apropriado para o desenvolvimento do terneiro, com os anticorpos que ele precisa para não adoecer — explica Luan.

Na casa da família Guimarães, até os pequenos Alice e Ruan saboreiam o Camargo. O caçula prefere o seu na mamadeira, com achocolatado.

Leia também
Frio lota hotéis de Gramado e lojas reforçam estoque
Com frio intenso, aumenta a busca por atendimento em hospitais de Caxias
Governador visita obra, mas não deve anunciar inauguração do novo presídio de Bento Gonçalves 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros