Guerino Sanvitto: dos primórdios ao Colavoro - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória01/07/2019 | 07h00Atualizada em 01/07/2019 | 14h51

Guerino Sanvitto: dos primórdios ao Colavoro

Completam-se hoje 120 anos do nascimento do empresário que teve destacada atuação em Caxias do Sul ao longo do século 20 

Guerino Sanvitto: dos primórdios ao Colavoro Acervo de família / divulgação/divulgação
Guerino, Therezinha e os filhos Lorita e Willly Sanvitto em 1935, defronte à loja da família, na esquina da Marechal Floriano com a Os Dezoito do Forte Foto: Acervo de família / divulgação / divulgação

Às vésperas da abertura do Colavoro Sanvitto, nada mais oportuno do que recordar de parte da trajetória de seu patrono: o empresário Guerino Sanvitto, cujos exatos 120 anos de nascimento são recordados hoje. E é no palacete rosa da Avenida Júlio entre a Visconde de Pelotas e a Garibaldi, onde ele viveu com a esposa e os filhos, que um novo capítulo dessa saga começa a ser escrito a partir desta sexta-feira (5).

Colavoro Sanvitto: palacete histórico reabre com ambiente familiar, mas enfoque comercial
Amada Cozinha reabre no Colavoro Sanvitto
Murais assinados pela artista plástica Cristina Mazzochi decoram o novo Colavoro Sanvitto  

Filho do casal de imigrantes italianos Victor e Justina Sanvitto, Guerino nasceu em 1º de julho de 1899, no antigo Travessão Victorio Manoel, 1º distrito de Caxias. Juntamente com o irmão Vitorio, Guerino mantinha uma vasta área de terras nas proximidades do bairro Santa Catarina, onde situava-se a lendária Granja Sanvitto. 

Foi lá que, em 1944, Guerino e Vitorio receberam a visita do então Interventor Federal do Rio Grande do Sul, Ernesto Dornelles, e do Ministro da Aeronáutica, Salgado Filho — ambos de passagem pela cidade para conferir a 2ª Exposição de Viticultura. Em meio aos parreirais, Dornelles e Salgado Filho tomaram contato com as 28 castas de uvas finas produzidas na propriedade, entre elas a "Moscato de Hamburgo", a "Alphonse Lavallée" e a "Dedo de Dama".

Conforme reportagem do jornal "A Época" de 12 de março de 1944 (abaixo), Salgado Filho elogiou calorosamente a produção e disse "lamentar que tais uvas não pudessem ser apreciadas pelo povo do Rio de Janeiro". 

Outro trecho enaltecia a produção:

"A importante granja conta já 8 mil pés de videiras finas, produzindo as mais belas e saborosas uvas de toda a região".

Mas o destaque do texto recaiu mesmo sobre o vanguardismo do agricultor:

"Fato digno de maior realce é o plantio que está fazendo o sr. Guerino Sanvitto, em terreno de sua propriedade, de um milhão de pés de eucalipto, cooperando, assim, de modo altamente patriótico, para o reflorestamento de nossa região."

Foto: Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul / reprodução

Em família 

Guerino Sanvitto casou com Therezinha Pauletti em 20 de agosto de 1927. Dessa união nasceram os filhos Lorita Sanvitto Andreazza, 90 anos; Willy Sanvitto (falecido em 2010, aos 78); Luiz Carlos Sanvitto, 82; e Lorena Sanvitto, falecida com apenas cinco anos, de leucemia, em 1946. 

Até a metade da década de 1940, a família morou na esquina das ruas Marechal Floriano e Os Dezoito do Forte, onde o empresário mantinha o misto de ferragem e secos & molhados "Guerino Sanvitto & Cia" e a Malharia Jane — ambas atingidas por um incêndio em 1952. 

A mudança para o palacete rosa da Avenida Júlio deu-se em 1946, quando a casa foi concluída. Já partir dos anos 1970, Guerino e o filho Willy deram início à urbanização dos terrenos de propriedade da família, entre Caxias do Sul e Farroupilha —  a área dos famosos eucaliptos na entrada da cidade pela ERS-122, onde hoje situa-se o bairro Sanvitto e o Iguatemi Caxias. 

É exatamente no acesso ao shopping que o empresário e a esposa também permanecem ligados: no cruzamento da Rua Guerino Sanvitto com a Avenida Therezinha Pauletti Sanvitto. 

Guerino faleceu em 1981, aos 81 anos. Therezinha, em 1989, aos 83.

Leia mais:
Casarão da família Sanvitto, na Avenida Júlio, em 1968
Guerino Sanvitto e a Malharia Jane em 1950
O incêndio na firma Guerino Sanvitto & Cia em 1952  

Guerino e a esposa Therezinha com os filhos Lorita e Willy, em meados dos anos 1950Foto: Acervo de família / divulgação
Guerino Sanvitto, Therezinha e os filhos Willy e Luiz Carlos durante um jantar nos anos 1960Foto: Acervo de família / divulgação
Guerino e os filhos Willy (E), Luiz Carlos (ao fundo) e Lorita, por volta de 1970Foto: Acervo de família / divulgação

Leia mais:
Lorita Sanvitto Andreazza e um carro soberano na Festa da Uva de 1954
Lorita Sanvitto Andreazza e "a festa interminável" de 1954
Willy Sanvitto e a construção do Estádio Alfredo Jaconi
Willy Sanvitto e a inauguração do Estádio Alfredo Jaconi em 1975
Juventude perde seu patrono, Willy Sanvitto  

Foto: Luciana Corso Galiotto / divulgação

O Colavoro

Tombado pelo Patrimônio Histórico do Município, o casarão da família (foto acima) abre ao público a partir desta sexta-feira (5). O Colavoro Sanvitto oferece estações e salas de trabalho compartilhado, miniauditório e estacionamento nos fundos do terreno. 

Também abriga, no subsolo, o charmoso bistrô Amada Cozinha, da chef Carolina Dal Pont Branchi e da sommelier de azeites Maria Beatriz Dal Pont. A inauguração para convidados ocorre nesta quinta (4). 

Foto: Luciana Corso Galiotto / divulgação
Foto: Luciana Corso Galiotto / divulgação
Foto: Luciana Corso Galiotto / divulgação

Leia mais:
Ferragem Andreazza: uma adega, décadas de histórias
A Praça Rui Barbosa em 1969
Casa Prataviera: um ícone do Centro
Casa Prataviera: o centenário do empresário Francisco Alberti
Família de Raymundo Magnabosco em 1946
Ary De Carli: um anúncio e uma foto premiada em 1955
Lojas Renner: a visita da Miss Brasil em 1961   
Inauguração do Varejo do Eberle em 1949
O incêndio da Ferragem Caxiense em 1952 

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória  

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros