São Pelegrino: as famílias Maggioni e Comunello - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória26/06/2019 | 07h00Atualizada em 27/06/2019 | 18h57

São Pelegrino: as famílias Maggioni e Comunello

Comércio de calçados e trajetória da família Maggioni mesclaram-se à evolução do bairro desde a década de 1940   

São Pelegrino: as famílias Maggioni e Comunello Acervo de Maria Helena Comunello / divulgação/divulgação
Em frente ao Armazém Zatti: dona Paulina Maggioni (D), Laura Zatti (E) e Amabile Rizzon Salvador Zatti (C) com as filhas após a missa dominical em 1949 Foto: Acervo de Maria Helena Comunello / divulgação / divulgação

A trajetória da clássica Casa Maggioni, abordada na coluna de ontem, traz à tona não apenas as memórias das famílias Maggioni e Comunello, mas também do cotidiano do bairro São Pelegrino. Que o diga dona Maria Helena Maggioni Comunello, moradora daquele trecho da Av. Júlio de Castilhos desde o final da década de 1940.

Você um morador raiz de São Pelegrino? Teste seus conhecimentos 

Um mosaico de fotografias antigas decorando uma das salas do apartamento resume bem essa relação de pertencimento _ com o bairro e com o comércio de calçados da família. Estão lá, por exemplo, as fotos da festa de 15 anos de dona Maria Helena — filha caçula de Paulo Maggioni e dona Paulina Pola Maggioni — realizada nas dependências da própria loja, em 1961. 

Outro destaque é a menina com a mãe em frente ao "vizinho de porta" Armazém Zatti, após a saída de uma missa no final dos anos 1940. Era a época em que a vizinhança era formada por nomes diretamente atrelados ao desenvolvimento do bairro, como os Muratore, Ferretti, Niederauer, Fasoli, Postali, Cia, Scopel, Bertola e Mariani, entre outros. Sem falar, lógico, em estabelecimentos clássicos frequentados por dezenas de outras famílias:

—  A Casa Londres, a Marmoria Cia, o Cinema Real, o armazém do senhor Luis Casara  — recorda dona Maria Helena, que, em 28 de novembro de 1964, casou com Moacir Comunello, nascendo dessa união os filhos Maria Paula, Fernando e Paulo Maurício. 

Leia mais:
São Pelegrino: a Praça João Pessoa nos anos 1950
Um bebedouro para animais em São Pelegrino
Monumento à Itália: os 60 anos de um símbolo à espera de restauro
Suzana Postali Fantinel: uma página para recordar do bairro São Pelegrino
Lembranças do Mariani Artefatos de Couro 

Maria Helena Maggioni (com a rosa) em sua festa de 15 anos, em 1961Foto: Acervo de Maria Helena Comunello / divulgação
Os 15 anos em 1961: Maria Helena e o pai, seu Paulo Maggioni, dançam dentro da lojaFoto: Acervo de Maria Helena Comunello / divulgação
Maria Helena e Moacir Comunello: casamento em 1964Foto: Acervo de Maria Helena Comunello / divulgação
Maria Helena Maggioni Comunello mostra o acervo de fotos da famíliaFoto: Rodrigo Lopes / Especial
Maria Helena Maggioni Comunello mostra o acervo de fotos da famíliaFoto: Rodrigo Lopes / Especial

Leia mais:
A "bota" de São Pelegrino em 1958
Os leões de Michelangelo Zambelli no Parque Cinquentenário  
Bar Danúbio nos anos 1950: sorvetes, bebidas e guloseimas
A Brasileira de Vinhos S.A. em 1971
São Pelegrino: o casarão da família Bedin/Guidali  

Vinho no porão

Mais do que reunir filhos e netos durante os tradicionais almoços de domingo, o salão de festas do prédio da família abrigava outra "atividade" marcante de seu Paulo Maggioni: a produção de vinho. Basicamente para o consumo em família, a bebida também era oferecida a amigos.  

Conforme a filha Maria Helena, o caminhão parava na calçada:

— A uva era transportada lá para baixo por um cano que passava pelo corredor ao lado da loja — recorda.   

Dois registros dessa fase (abaixo), com o casal junto às pipas e garrafas, são mantidos emoldurados até hoje no porão do prédio. É lá também que a neta Maria Paula Comunello, filha de Maria Helena, costuma promover um bazar aberto ao público.  O próximo ocorrerá no dia 13 de julho, das 9h às 17h. Serão vendidas roupas, acessórios, peças antigas de decoração e criações de Maria Paula.

Tudo em meio a lembranças dos avós, como garrafões, garrafas, maquinário vinícola e até o antigo sofá para os clientes provarem os sapatos na Casa Maggioni.   

Leia mais:
Ferragem Andreazza: uma adega, décadas de histórias
Inauguração do novo Pastifício Caxiense em 1963
Lembranças recheadas de sabor no antigo Pastifício Caxiense
Inauguração do Calcagnotto de São Pelegrino em 1975
Luiz Heimann e o Conhaque Agrária em 1950  

As pipas: seu Paulo Maggioni produzia vinhos para o consumo da família e amigosFoto: Acervo de Maria Helena Comunello / divulgação
Adega lotada: dona Paulina e seu Paulo Maggioni no salão de festas do prédio da famíliaFoto: Acervo de Maria Helena Comunello / divulgação

Atuação

Conforme Maria Helena Maggioni Comunello, que trabalhou na loja dos 14 aos 62 anos, o pai atuava mais nos bastidores e na administração. Já a mãe era a essência da "boa vendedora". Não por acaso, uma das lembranças mais frequentes entre os clientes era a de dona Paulina sentada ao lado do caixa, coordenando a equipe. 

Dona Paulina faleceu em 2011, aos 94 anos. Era viúva havia 24 anos de seu Paulo Maggioni, falecido repentinamente em 1987, um mês após o casal celebrar as bodas de ouro. Ele tinha 72 anos.

Leia mais:
Rua Coronel Flores pavimentada em 1942
Moinho Progresso e um incêndio em 1954  
Aparício Postali e Giovanni Gronchi em 1958
Lembranças do Excelsior Hotel
Caxias pelas lentes de um turista em 1960
Colégio La Salle, uma história de 80 anos
Formatura do secretariado do Colégio La Salle em 1973
Formatura do Magistério do Colégio São Carlos em 1965

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros