Guerino Sanvitto e a Malharia Jane em 1950 - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória21/05/2019 | 07h30Atualizada em 21/05/2019 | 20h09

Guerino Sanvitto e a Malharia Jane em 1950

Empresa fundada em 1939 era presença constante em estandes das Festas da Uva dos anos 1950 e 1960

Guerino Sanvitto e a Malharia Jane em 1950 Studio Geremia, acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação/divulgação
Estande da malharia na Festa da Uva de 1954 trazia blusas, coletes e artigos infantis Foto: Studio Geremia, acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação / divulgação

Panceri, Mariza, Salatino, Caxiense, Americana, Nilza, Gardenia, Pompeia, Celli… Não há quem não tenha adquirido ou "herdado" alguma peça das antigas malharias e tecelagens que fortaleceram o setor têxtil de Caxias do Sul a partir das primeiras décadas do século 20.

Entre tantas, a Malharia Jane destacou-se como um dos negócios da então Firma Guerino Sanvitto & Cia, localizada na Rua Os Dezoito do Forte, 2.227, esquina com a Marechal Floriano, onde hoje situa-se um posto de combustíveis. 

Funcionando anexa à loja de ferragens e materiais de construção de Guerino e à residência da família Sanvitto, a empresa foi um dos empreendimentos destacados no Álbum Comemorativo do 75º Aniversário da Colonização Italiana no Rio Grande do Sul, lançado em 1950. 

Conforme a reportagem, a Malharia Jane foi fundada em novembro de 1939, dedicando-se desde o início à produção de malhas finas:

"Tratam-se de pulôveres, calções, 'maillots', blusas, coletes e artigos para crianças em geral, todas peças fabricadas segundo a técnica mais avançada, dispondo para isso de um moderno maquinário e numerosos funcionários especializados".

O texto de 1950 também fazia menção à direção do negócio e ao crescimentos das vendas:

"Desde a fundação, girou sob a razão social de Guerino Sanvitto & Cia, tendo como sócios os senhores Guerino Sanvitto e Carlos Reynaldo Plentz, figuras de remarcado relevo no alto comércio, na indústria e na sociedade da 'Pérola das Colônias'. Mantém a firma representantes e agentes nas principais praças do Estado do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, onde o movimento de vendas se vem processando em ritmo sempre crescente".

Nas imagens acima e abaixo, os estandes da Malharia Jane nas Festas da Uva de 1950 e 1954. Na sequência, um detalhe do cotidiano da fábrica, com as operárias trabalhando nos teares. Por fim, dois anúncios da firma Guerino Sanvitto & Cia publicados no jornal A Época, na década de 1940.

Leia mais:
Tecelagem Irmãos Panceri em 1948
Malharia Salatino na década de 1950
O morro das madressilvas, na Avenida Júlio, em 1947
Inauguração do Varejo do Eberle em 1949
Fábrica de joias Eberle Kochemborger em 1948
Luiz Heimann e o Conhaque Agrária em 1950
Mercadinho do Povo, na Avenida Júlio, em 1947

O lúdico e premiado estande da Malharia Jane na Festa da Uva de 1950Foto: Studio Geremia, acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação
Funcionárias da Malharia Jane trabalhando nos teares em 1950Foto: Agência RBS / reprodução
Foto: Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul / reprodução
Foto: Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul / reprodução

Em 1958

Na reprodução abaixo, a página do Pioneiro de 13 de setembro de 1958 destacando as malharias integrantes do Sindicato da Indústria de Fiação e Tecelagem de Caxias. Elas saudavam o presidente italiano Giovanni Gronchi, então em visita à cidade.

Leia mais:
Aparício Postali e Giovanni Gronchi em 1958
Monumento à Itália: os 60 anos de um símbolo à espera de restauro
A "bota" de São Pelegrino em 1958 

Foto: Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul / reprodução

Um incêndio em 1952 

A Malharia Jane e a casa de comércio de Guerino Sanvitto foram atingidas por um violento incêndio na madrugada de 17 de janeiro de 1952. Conforme reportagem do jornal Diário do Nordeste de 18 de janeiro de 1952, "boa parte da mercadoria sinistrada era representada por um estoque de fios de lã, destinados à Malharia Jane, também de propriedade da referida firma". 

Posteriormente, a fábrica passou a funcionar na Rua Coronel Flores, 143, conforme anúncio abaixo, publicado no jornal "Assessor" em 1968.  

Leia mais:
O incêndio da Ferragem Caxiense em 1952 

Foto: Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul / reprodução

Leia mais:
Lanifício Gianella: um século de história
Ranchos no Lanifício Gianella em 1941
Lanifício Gianella na Festa da Uva de 1965  
Os preferidos dos caxienses em 1954  
Caxias nas páginas do Pioneiro em 1958
Varejo do Eberle: presentes que duram uma vida inteira  

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória  

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros