Fábrica de joias Eberle Kochemborger em 1948 - Cidades - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Memória20/05/2019 | 07h30Atualizada em 20/05/2019 | 07h30

Fábrica de joias Eberle Kochemborger em 1948

Empresa surgida em 1912 ganhou nova sede na esquina das ruas Andrade Neves e Pinheiro Machado 

Fábrica de joias Eberle Kochemborger em 1948 Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação/Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação
Nova e "alterosa" sede da fábrica foi inaugurada em março de 1948, na esquina das ruas Andrade Neves e Pinheiro Machado Foto: Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

A firma foi fundada ainda em 1912, mas o endereço mais lembrado surgiu em março de 1948, na esquina das ruas Andrade Neves e Pinheiro Machado. Há 71 anos era inaugurado lá "o novo e alteroso prédio" da Firma Eberle Kochemborger & Cia Ltda, especializada na produção de joias.

Conforme informações contidas no Álbum Comemorativo do 75º Aniversário de Colonização Italiana no RS, lançado em 1950, a empresa iniciou como uma simples ourivesaria, passando, em 1926, a fabricar joias em pequena escala, com importação e venda por atacado. 

Texto original da época evocava o crescimento:

"No ano de 1934, decidiram os dirigentes dedicar-se apenas à fabricação de joias dos mais diversos tipos, em escala mais vasta. Atualmente, a firma é uma das mais importantes no seu ramo, tendo seus produtos a melhor aceitação não só neste Estado, como também no Rio de Janeiro e São Paulo, mantendo viajantes e representantes nas principais praças do país. A linha de produção abrange aproximadamente 200 artigos, incluindo aneis, brincos, correntes, pulseiras, broches e braceletes em ouro, prata e platina".

A reportagem de 1950 também destacava o moderno maquinário:

"Conta a fábrica com uma das afamadas máquinas “Gourmet”. Trata-se de uma máquina automática para produção de correntes, na qual entra o fio de prata e sai a corrente pronta. A firma Eberle Kochemborger foi a primeira no Brasil a possuir esta importante máquina, recebida em 1939". 

Na imagem maior acima, o novo prédio recém-concluído em 1948, com o letreiro original — atualmente, o espaço abriga uma academia de musculação e ginástica. 

Leia mais:
O cinquentenário da Metalúrgica Abramo Eberle em 1946 

Funcionários trabalhando na ourivesaria, em meados dos anos 1950Foto: Studio Geremia / Agência RBS, reprodução

O ourives e a piteira 

Em 1950, a Eberle Kochemborger somava cerca de 200 funcionários, que atuavam basicamente na ourivesaria e nas seções de gravação em aço e trabalhos em prata. À época, a empresa tinha como sócios a Metalúrgica Abramo Eberle, o ourives e diretor técnico Reynaldo Kochemborger e os senhores Riquelme Triches, Aristides Peroni, Jaime Moro, Henrique Bertelli, Alcides Bacarin e Wilson Brandt. 

Foi de Reynaldo, conhecido como Reinaldino, a ideia para que Abramo Eberle adotasse uma "marca" para os produtos da metalúrgica. O ourives sugeriu a figura de uma piteira, de formato singular e semelhante a uma corneta — recordação trazida por Abramo de São Paulo, em 1906. 

Sugestão aceita, dois anos depois, em 1908, o adorno passou a acompanhar as peças da fábrica e, posteriormente, a decorar duas bordas do telhado: no terraço da Sinimbu e na esquina da Borges com a Os Dezoito do Forte.

Leia mais:
Eberle: a fábrica de joias e a origem da piteira
Salão Nobre do Eberle em 1968
Eberle Centro: detalhes de outros tempos
Antigos vitrais da fachada do Eberle são recuperados
Memórias do Palacete Eberle  

O ourives Reynaldo Kochemborger em 1950Foto: Banco de dados / reprodução
A famosa piteira no terraço da SinimbuFoto: Cristiano Barrero / divulgação

Leia mais:
Inauguração do Varejo do Eberle em 1949
Varejo do Eberle: um clássico do Centro
Varejo do Eberle: presentes que duram uma vida inteira
Encontro de ex-funcionários do Varejo do Eberle
Varejo do Eberle: o jubileu de prata de Enio Arioli em 1968   
Martha Rocha visita o Varejo do Eberle em 1955
Terezinha Morango confere o varejo do Eberle em 1958
Varejo do Eberle: uma vitrine multicor no Dia das Mães de 1968
Para recordar de Dona Ercília e das vitrines do Eberle nos anos 1960 

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória   

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros