Santa Lúcia do Piaí: um fotógrafo, um distrito eternizado - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória23/04/2019 | 07h30Atualizada em 23/04/2019 | 07h30

Santa Lúcia do Piaí: um fotógrafo, um distrito eternizado

Confira registros captados por Fiorentino Cavalli entre os anos 1950 e 1970

Santa Lúcia do Piaí: um fotógrafo, um distrito eternizado Fiorentino Cavalli / Acervo de família, divulgação/Acervo de família, divulgação
A igreja e a praça de Santa Lúcia do Piaí nos anos 1970, quando Cavalli passou a fotografar em cores Foto: Fiorentino Cavalli / Acervo de família, divulgação / Acervo de família, divulgação

Dando sequência à trajetória do fotógrafo Fiorentino Cavalli, destacamos nesta terça  a atuação dele no distrito de Santa Lúcia do Piaí após o aprendizado profissional em Caxias, nos estúdios Geremia e Tomazoni. Conforme o pesquisador Éder Dall’Agnol dos Santos, em Santa Lúcia, Fiorentino foi incentivado a seguir na área da fotografia pelos padres da Ordem dos Cônegos Regulares Lateranenses, devido à grande amizade que tinha com os párocos da comunidade. 

Santa Lúcia do Piaí pelas lentes de Fiorentino Cavalli

A partir daí registrou diversos momentos e fatos importantes na vila, como as visitas pastorais dos bispos Dom Benedito Zorzi e Dom Paulo Moretto, eventos políticos e cívicos, inaugurações, clubes de mães e de futebol. Também foi o fotógrafo "oficial" das famílias — eternizando batismos, crismas, casamentos e até funerais — percorrendo as localidade de  Vila Oliva, Vila Seca, São Luís, Caravaggio da 6° Légua e Fazenda Souza, além das cidades de Antônio Prado, Nova Petrópolis e Veranópolis.

O estúdio de Fiorentino ficava localizado no porão de sua residência. Conforme Éder, muitas pessoas ainda lembram da famosa mesinha que fazia parte do cenário fotográfico — montado por ele mesmo — e da salinha escura de revelação das fotos. 

Foi ali, entre luzes, sombras e poses que centenas de moradores da região eternizaram momentos emblemáticos de suas vidas, como as bodas de ouro do casal Daniel Dall Agnol e Francisca Lazzarotto, em 1973 (na sequência abaixo). Outro destaque foi a reunião da família Andreis, no Natal de 1967. Na foto mais abaixo vemos Maria Dolores, Leontina, Bernardete, Antonio, Aldo, Paulo, Roma, Atair, Moacir, Divino, Itacir, Iria, Bárbara, Olga e Hélia. 

O casamento de Cirilo Lauer e Josefina Costa em 1957Foto: Fiorentino Cavalli / Acervo de família, divulgação
A primeira comunhão de Terezinha Lauer nos anos 1960Foto: Fiorentino Cavalli / Acervo de família, divulgação
As bodas de ouro de Daniel Dall Agnol e Francisca Lazzarotto, em 1973Foto: Fiorentino Cavalli / Acervo de família, divulgação
A primeira comunhão dos irmãos Líbera e Santolino Costa, nos anos 1950Foto: Fiorentino Cavalli / Acervo de família, divulgação
A família Andreis em 25 de dezembro de 1967: Maria Dolores, Leontina, Bernardete, Antonio, Aldo, Paulo, Roma, Atair, Moacir, Divino, Itacir, Iria, Bárbara, Olga e HéliaFoto: Fiorentino Cavalli / Acervo de família, divulgação
Nuelly Comunello, cunhada de Fiorentino Cavalli, nos anos 1950Foto: acervo de família / divulgação
Registro da doação de equipamentos médicos ao Hospital de Santa Lúcia, no final da década de 1960Foto: Fiorentino Cavalli / Acevo de família, divulgação

Leia mais:
Memórias de Santa Lúcia do Piaí em livro
Os 60 anos de uma capela-escola em Santa Lúcia do Piaí
Ponte Heitor Curra em Mato Perso em 1935  
Monumento ao Imigrante pelo Studio Tomazoni Caxias
Para recordar do Studio Geremia  

Santa Lúcia em cores

No final da década de 1960, Fiorentino conheceu o fotógrafo japonês radicado em São Paulo Paulo Koiti Hirashima, de passagem por Santa Lúcia do Piaí a serviço da Paróquia. Cavalli e Koiti acabaram virando amigos de longa data. Na década de 1970, através de Koiti, Fiorentino conheceu a fotografia em cores, já bastante usada em São Paulo — recurso que impulsionou ainda mais os trabalhos de Cavalli. 

Já no final da mesma década, Fiorentino, com a esposa e as suas duas filhas, deixaram Santa Lúcia e passam a residir no Bairro Cruzeiro. Na nova casa, Cavalli continuou  atuando como marceneiro e fotógrafo, se fazendo presente quase todos os finais de semana em Santa Lúcia, onde era muito solicitado para fotografar casamentos. 

Bastante conhecido também pelo envolvimento com a paróquia, Fiorentino faleceu em 26 de maio de 1992, Dia de Nossa Senhora de Caravaggio. Ele tinha 62 anos. 

Leia mais:
Família Damin e as origens de Santa Lúcia do Piaí
Família de Antonio Damin em Santa Lúcia do Piaí  
Origens da família Dall'Agnol
Família Dall'Agnol celebra as origens na Itália
A trajetória da família Tessari em livro  

A antiga casa de Fiorentino Cavalli, em Santa Lúcia do PiaíFoto: Fiorentino Cavalli / Acervo de família, divulgação

Parceria

Informações desta página são uma colaboração do historiador e pesquisador Éder Dall'Agnol dos Santos. Colaborador informal da coluna Memória, Dall'Agnol vem pesquisando a trajetória das famílias que ajudaram a colonizar o distrito de Santa Lúcia do Piaí – entre elas, os Damin, cuja história foi contada em parte recentemente neste espaço. O trabalho, segundo Dall'Agnol, deverá ser transformado em livro.  

Moradores do distrito que tenham interesse em colaborar com fotos e dados sobre suas famílias podem entrar em contato pelo e-mail ederdallagnol89@gmail.com ou fone/whatts (54) 98449.9186. 

Leia mais:
Encontro da família Chies em Carlos Barbosa
Encontro da família Soldatelli em São Marcos  
Encontro da família Facchin em São Marcos da Linha Feijó 

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória  


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros