Femaçã: uma história surgida em 1935 - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória19/04/2019 | 07h30Atualizada em 19/04/2019 | 07h30

Femaçã: uma história surgida em 1935

Visitar Veranópolis de hoje a domingo é oportunidade para saber mais sobre o Berço Nacional da Maçã

Femaçã: uma história surgida em 1935 Letícia Fracasso / divulgação/divulgação
Busto do agricultor José Bin, que plantou as primeiras macieiras, está instalado no distrito de Lajeadinho Foto: Letícia Fracasso / divulgação / divulgação

O último final de semana da 10ª Femaçã movimenta Veranópolis de hoje (19) a domingo (21), com uma ampla programação. E dar uma circulada pela festa e pela cidade, conhecida como a Terra da Longevidade, é oportunidade para se conhecer também um pouco mais sobre o "Berço Nacional da Maçã".

Toda essa história teve início em 1935, na localidade de Lajeadinho, interior do município. Foi onde, há 84 anos, o agricultor José Bin (1897-1972) plantou em sua propriedade cinco sementes de uma espécie de maçã oriunda da California (EUA).  Conforme informações repassadas de divulgação da festa, um dos "pezinhos" sobreviveu e, após um processo de enxerto, frutificou uma qualidade especial de maçã — que não murchava e não perdia peso depois de muito tempo guardada.

Bin passou, então, a multiplicar a macieira com novos enxertos e distribuir as mudas aos vizinhos, disseminando a variedade que mais tarde viria a ser denominada "José Bin". Veranópolis recebia, assim, o título de "Berço Nacional da Maçã", por registrar em sua história o primeiro cultivo de macieira no Brasil.

Na imagem acima, o busto do agricultor José Bin, instalado no distrito de Lajeadinho.

Leia mais:
Veranópolis eternizada pelas lentes de Elígio Parise
Cooperativa Agrícola Alfredo Chavense em 1942
Encontro da família Brandalise em Vernaópolis 

Em 1971: a rainha Ieda Maria Bortoli e as princesas Ivete Ana Bavaresco e Helena Maria Polesello na aberturaFoto: Acervo Casa da Cultura Frei Rovílio Costa / divulgação
As soberanas de 1971 com o governador Euclides Triches, a primeira-dama Neda Ungaretti Triches e o prefeito Nadyr PeruffoFoto: Acervo Casa da Cultura Frei Rovílio Costa / divulgação

A primeira edição 

Em 1960, a comunidade de Lajeadinho teve a iniciativa de realizar a 1ª Festa da Maçã, obtendo muito sucesso, já que o cultivo da fruta ganhava espaço no setor agrícola. De 1960 a 1970, o evento aconteceu no distrito, até que em 1971, ocorreu a 1ª Festa Municipal da Maçã, de 23 a 30 de maio. 

Naquela edição, o evento foi divulgado pela rainha Ieda Maria Bortoli e pelas princesas Ivete Ana Bavaresco e Helena Maria Polesello, tendo como convidados na abertura o governador do Estado, Euclides Triches, e a primeira-dama Neda Ungaretti Triches.

O sucesso, literalmente, deu frutos e, em 1973, Veranópolis realizava a sua 1ª Festa Estadual da Maçã, ocorrida de 23 de maio a 13 de junho, também prestigiada pelo governador Euclides Triches. Um novo passo foi dado e, em 1976, com a presença do então Presidente da República Ernesto Geisel e do governador do RS, Sinval Guazelli, a cidade promoveu a 1ª Festa Nacional da Maçã (Femaçã), de 21 a 31 de maio.

Na segunda imagem abaixo, um registro da 1ª Festa Nacional da Maçã. Da esquerda para a direita, a primeira-dama do município Olenca Giugno Soares; a princesa Maria Mercedes Balottin; o vice-presidente da República, Adalberto da Silva Pereira; a imperatriz Solange Azevedo; o governador Sinval Guazelli; o presidente da comissão, Paulo Ernesto Valduga; o deputado estadual Urbano de Moraes; e a princesa Fátima Galeazzi.

Em 1973: o governador Euclides Triches recebe uma maçã da imperatriz Clarice Farina e das princesas Sonia Maria Censi e Hilda Bisatto Foto: Acervo Casa da Cultura Frei Rovílio Costa / divulgação
A festa de 1976: governador Sinval Guazelli (D) com as soberanas Solange Azevedo, Maria Mercedes Balottin e Fátima GaleazziFoto: Acervo Casa da Cultura Frei Rovílio Costa / divulgação

Pausa e retorno em 2008

Turbinada pelo título de Berço Nacional da Maçã, Veranópolis soube transformar a festa em um evento tradicional no calendário da região, mostrando ao Brasil o potencial turístico e empresarial do município - e, lógico, atraindo investimentos em diversas áreas.

Intercalando períodos de três e quatro anos entre cada edição, a festa ocorreu em 1979 (segunda edição), 1983, 1986, 1990 e 1994. Após um hiato de 14 anos, o evento retornou com força total em 2008, chegando agora à sua 10ª edição.

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória   

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros