Um casarão histórico revitalizado na Av. Júlio - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória29/03/2019 | 07h30Atualizada em 29/03/2019 | 07h30

Um casarão histórico revitalizado na Av. Júlio

Antigo sobrado da família Parolini Pezzi, entre a Dr. Montaury e a Visconde de Pelotas, está em fase final de obras

Um casarão histórico revitalizado na Av. Júlio Rodrigo Lopes / Especial/Especial
Reforma iniciada há três meses incluiu pintura e troca das janelas e da sacada de ferro Foto: Rodrigo Lopes / Especial / Especial

O casarão está recebendo os últimos detalhes e, em breve, será o mais recente exemplar histórico revitalizado da Av. Júlio Castilhos, entre as ruas Dr. Montaury e Visconde de Pelotas. Falamos da construção que pertenceu inicialmente ao imigrante italiano Germano Parolini, comerciante dos primórdios da colonização e membro da Junta Municipal entre 1890 e 1891 — o assunto foi abordado em uma coluna de 2016, conforme você lê AQUI.

Coberta durante anos pelas enormes placas publicitárias, a fachada original ressurgiu em 2015, com as lojas adequando-se à lei que regulamenta o tamanho dessas estruturas em prédios antigos. O que se viu à época, no entanto, foi uma lástima: aberturas revestidas com tijolos, detalhes suprimidos, grade da varanda original serrada ao meio, pintura descascada, fiação exposta e até vegetação brotando em meio ao concreto (fotos abaixo).

Tudo isso começou a ficar para trás há três meses, quando se iniciaram os trabalhos de reforma do imóvel, tanto interna quanto externamente. A cargo do arquiteto Andrigo Demari, o projeto incluiu novas aberturas, nova grade na varanda, nova pintura, enfim, intervenções que cada vez mais devem servir de exemplo — para que outros proprietários e locatários de imóveis antigos atentem para a memória e a história dos espaços. 

A cidade agradece...  

Na sequência abaixo, um "antes e depois".

Leia mais:
Casarões antigos iluminados à noite: adote esta ideia
Casarão dos anos 1930 "reaparece" na Av. Júlio de Castilhos
Casarões antigos ressurgem no centro de Caxias 

Grade foi cortada ao meio, restando apenas o LINI, de Germano Parolini, primeiro proprietário da casaFoto: Roni Rigon / Banco de dados, Agência RBS
Grades, equipamentos de ar condicionado e janelas fechadas com tijolos comprometem a arquitetura históricaFoto: Roni Rigon / Banco de dados, Agência RBS
Com a retirada das antigas placas publicitárias, segundo pavimento trouxe à tona os reflexos de anos de descaso e má conservação Foto: Roni Rigon / Banco de dados, Agência RBS
Casarão está em fase final de obrasFoto: Rodrigo Lopes / Especial
Grade da varanda também foi substituídaFoto: Rodrigo Lopes / Especial
Pintura e reposição das janelas conferem nova vida ao antigo casarão da JúlioFoto: Rodrigo Lopes / Especial

Leia mais:
Casa Prataviera: um ícone do Centro
Casa Prataviera: o centenário do empresário Francisco Alberti
O Edifício Caixa de Fósforo e a clássica formiguinha
Brazex iluminada para o Natal de 1954
Banco da Província, na Júlio: evolução e demolição  

O imigrante Germano Parolini 

Imigrante italiano natural da região do Tirol, Germano Parolini foi casado com Emília Parolini, com quem teve duas filhas, Inês e Adele. Segundo registros de 1918, o comerciante possuía três sobrados "de material" na Av. Júlio de Castilhos, que acabaram sendo herdados pelos descendentes – a residência em questão foi, posteriormente, a moradia do neto Emílio Parolini Pezzi.

Na imagem abaixo vemos o casarão dos Parolini em meados da década de 1930, quando o térreo abrigava a casa de comércio da família. Na lateral, a placa com o nome dos proprietários: Viúva Mansueto Pezzi e Filhos. 

Detalhe: na grade da sacada, em metal, também havia a inscrição do primeiro dono, Germano Parolini, infelizmente corrompida pelo tempo e não preservada (abaixo). 

Leia mais:
Sila Mariani Santini e a Mercearia Caxiense em 1952
Mercadinho do Povo na Av. Júlio em 1947
Restaurante Quitandinha na Av. Júlio nos anos 1950
Bomboniére Maratá em 1943
Lembranças da antiga Joalheria Beretta
Comerciárias da Loja Renner em 1961 

O casarão e a casa de comércio da família Parolini em meados dos anos 1930Foto: Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação
A inscrição Germano Parolini na grade de ferro da sacadaFoto: Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação

Em alvenaria 

Erguido nos primórdios do século 20, o sobrado de Germano Parolini teria sido uma das três primeiras casas de alvenaria da cidade, então dominada por moradias em madeira. Segundo Marcos Fernando Kirst, autor do livro Ecos do Passado, os tijolos saíram da primeira olaria instalada em Caxias, de propriedade do também imigrante italiano Felix Laner, em finais de 1882.  

Leia mais:
Av. Júlio de Castilhos em 1968
Studio Geremia, um clássico da Av. Júlio
Studio Geremia, parceiro da coluna Memória
Um almoço no Caxias Hotel em 1947
Interiores da Loja Magnabosco nos anos 1950
Hospital Saúde: um prédio com vocação para hospedar e ensinar
Casarão da família De Carli na Av. Júlio de Castilhos
Ary De Carli: um anúncio e uma foto premiada em 1955  

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória  

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros