Oficina de marcenaria do Senai em 1951 - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória25/03/2019 | 07h30Atualizada em 25/03/2019 | 07h30

Oficina de marcenaria do Senai em 1951

Unidade caxiense do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial chegou a Caxias em 1944

Oficina de marcenaria do Senai em 1951 Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação/Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação
Aprendizes em ação na oficina de marcenaria do Senai Nilo Peçanha no ano de 1951 Foto: Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

Dois anos após ser criado via decreto do presidente Getúlio Vargas, em 1942, o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) despontava em Caxias do Sul para impulsionar o desenvolvimento de uma cidade em franco processo de modernização fabril. 

A fundação remete a 1º de agosto de 1944, sendo a unidade caxiense do Senai a segunda ser instalada no Rio Grande do Sul. Oferecia, inicialmente, cursos nas áreas de ajustagem, tornearia mecânica, eletricidade e marcenaria, onde formaram-se – e formam-se até hoje – milhares de jovens de Caxias e região.

Conforme a professora Vania Beatriz Merlotti Herédia, autora dos textos da publicação A História de Muitas Histórias – A Força do Empresariado na Cidade e na Cultura, o crescimento das indústrias foi visível na década de 1940:

"A economia colhia frutos do modelo adotado por Vargas, baseado na substituição às importações, que oferecia um espaço notável para as indústrias no mercado nacional. Nesse período, a cidade é escolhida para a instalação de uma escola técnica do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, que refletia a crença do governo no fortalecimento da indústria nacional".

Nesse contexto, discorre Vânia no livro, é criada a Escola de Educação Profissional Senai Nilo Peçanha, que beneficia a indústria caxiense no que diz respeito à formação especializada de mão-de-obra. Localizada na Rua Vereador Mário Pezzi, a escola surge vinculada às indústrias existentes na época, sendo que a parte prática – prevista no modelo Senai – ocorreria nas próprias empresas.

"Até então, as grandes indústrias se preocupavam em formar mão-de-obra na própria indústria, como era o caso da Metalúrgica Abramo Eberle, que possuía dentro da fábrica curso de desenho e biblioteca para instruir seus operários. A unidade do Senai foi uma das alavancas do desenvolvimento econômico da região, potencializado pelas indústrias que se beneficiavam dos resultados da escola", destacou Vânia.

Integrantes do acervo do Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, os dois registros internos desta página compõem um ensaio realizado pelo Studio Geremia no Senai Nilo Peçanha em 1951. Acima, a sala de marcenaria. Abaixo, os aprendizes durante uma aula de eletroeletrônica.

Leia mais:
Encontro dos formandos de 1963 do Senai
Formatura do Senai em 1965
Louseno Menegotto, o organista da Catedral Diocesana
Pioneiro 70 anos: de volta a 1952
Pioneiro 70 anos: anúncios na estreia do jornal em 4 de novembro de 1948  

Alunos durante uma aula de eletroeletrônica em 1951Foto: Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação
Alunos durante uma aula de eletroeletrônica em 1951Foto: Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

Colaboração

Parte das informações e fotos desta página foi reproduzida do  livro "A História de Muitas Histórias - A Força do Empresariado na Cidade e na Cultura", editado pela Editora Belas Letras.

Vista aérea nos anos 1950: o Senai (à direita), o Emilio Meyer e o complexo da MaesaFoto: Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação

O início

O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) foi criado em 22 de janeiro de 1942, pelo Decreto-Lei 4.048 do então presidente Getúlio Vargas, com a missão de formar profissionais para a incipiente indústria nacional. O decreto estabelecia que a nova instituição de educação profissional seria mantida com recursos dos empresários e administrada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

No fim da década de 1950, quando o presidente Juscelino Kubitschek acelerou o processo de industrialização, o Senai estava presente em quase todo o território nacional e começava a buscar, no exterior, a formação para seus técnicos. Logo, tornou-se uma referência de inovação e qualidade na área de formação profissional.  

Fonte: www.portaldaindustria/senai

Leia mais:
Chegada dos moldes do Monumento ao Imigrante à Maesa em 1953
Maesa e as portas de bronze da Basílica de Belém do Pará em 1959
Maesa e a Praça Monteiro Lobato em 1953
Formatura dos contadores do Carmo em 1948
Formandos de Contabilidade do Carmo em 1965
Formatura do ginásio do Colégio Santo Antônio em 1966
Formandas da Escola Normal Duque de Caxias em 1957
A formatura das normalistas de 1964   
Formatura de datilografia do Ginásio São Carlos em 1945
Formatura do Magistério do Colégio São Carlos em 1965
Os 115 anos do Colégio São José
A cidade e o Colégio do Carmo pelo olhar do Irmão Bonifácio 

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória   

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros