Michelangelo Zambelli: morte há 70 anos - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória11/03/2019 | 07h30Atualizada em 11/03/2019 | 07h30

Michelangelo Zambelli: morte há 70 anos

Escultor italiano faleceu em 10 de abril de 1949, deixando obra que se mesclou à trajetória artística de Caxias ao longo do século 20

Michelangelo Zambelli: morte há 70 anos Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação/divulgação
Michelangelo com a esposa Adelina Stangherlin Zambelli por volta de 1925 Foto: Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação / divulgação

Não há residência, igreja, capela, parque, praça, empresa e estabelecimento comercial de Caxias que, em algum momento do século 20 não tenha abrigado — ou abrigue até hoje — alguma imagem sacra desenvolvida no lendário Atelier Zambelli.

Com a recente reabertura do Memorial Zambelli, junto aos Pavilhões da Festa da Uva, e a um mês dos 70 anos da morte de Michelangelo Zambelli, em 10 de abril de 1949, recordamos das homenagens prestadas ao escultor pelos jornais "O Pioneiro" e "O Momento" na época de seu falecimento.

Em ambos, nas edições de 16 de abril de 1949, Michelangelo ocupou a seção "Necrologia", espaço destinado a destacar a trajetória de personagens ilustres da cidade — embrião do tradicional "Obituário". Provavelmente elaborado pela família, o texto publicado nos dois semanários é idêntico, com algumas subtrações de frases no Pioneiro, conforme reproduzido abaixo.

Nascido na comuna de Canneto Sull’ Oglio, província italiana de Mântova, em 26 de agosto de 1883, Michelangelo Zambelli tinha 65 anos.

Leia mais:
Michelangelo Zambelli e a Estátua da Liberdade: um símbolo da Praça Dante desde 1922
Os leões de Michelangelo Zambelli no Parque Cinquentenário
Atelier Zambelli: um ícone da arte sacra
O Cine Central e as esculturas de Estácio Zambelli
Para recordar de Estácio Zambelli  
Rafael Zambelli: combate e morte durante a Primeira Guerra Mundial

Foto: Agência RBS / reprodução
Michelangelo com a esposa Adelina Stangherlin Zambelli por volta de 1925Foto: Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação
Foto: Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul / reprodução

A seção "Necrologia" em 1949  

Após longo período de pertinaz enfermidade, veio a falecer no dia 10, nesta cidade, o senhor Michelangelo Zambelli, um dos mais diletos filhos de Caxias. Pessoa vastamente estimada, descendente de velhos pioneiros da colonização, tinha por Caxias grande simpatia e atração, tanto que, tendo cursado a Academia de Artes de Milão, onde distinguiu-se com invulgar brilhantismo, tornando-se um artista de grandes possibilidades, não se importou de procurar centros maiores para dar a conhecer o seu talento. Retornando ao nosso meio, demonstrou sempre facetas de sua sensibilidade artística, de sua habilidade de escultor exímio e sentimental e de sua capacidade de concepção . 

E assim foi que Michelangelo Zambelli, possuído de um desejo intenso de ver sua terra culta e grandiosa, trouxe para ela a sua contribuição. Os trabalhos artísticos que apresentava em público tiveram destacada admiração, constituindo mesmo verdadeira romaria e atração de forasteiros e artistas que vinham a Caxais à procura de seu atelier. Perpetuando o talento de Michelangelo, ficam nos templos religiosos da nossa cidade inúmeras imagens santas e tantas outras espalhadas pelos demais municípios do Estado — e até mesmo mesmo entre muitos da Federação Brasileira. 

Na Estátua da Liberdade, que alterosa destaca-se na Praça Rui Barbosa, no coração da cidade, deixou ele um marco da sua habilidade e da sua alma de artista. Como chefe de família e como cidadão, demonstrava traços salientes de seu caráter e das suas nobres qualidades de amigo, pois era grandemente estimado pela bondade que sabia expandir. 

Era casado com a senhora Adelina Stangherlin Zambelli, não deixando deste matrimônio nenhum filho. Pranteando-Ihe a morte, deixou seus irmãos Estácio, Edmundo e Ângelo Zambeli e as viúvas Carmela e Octacilia Zambeli, sendo ainda ligado por laços de família com os senhores Antônio Santo Basso, João José Conte e Jonatas Travassos. 

A infausta notícia do falecimento deste caxiense ecoou profundamente no seio da sociedade local, a qual prestou assinalados serviços, pois teve a oportunidade de ocupar com muita dedicação diversos cargos em diretorias de algumas das instituições da cidade. 

O seu sepultamento foi efetuado no dia 11, às 9h, tendo um grande acompanhamento. 

Leia mais:
Atelier Zambelli: homenagem no centenário
Memorial Zambelli e outros endereços para recordar da história de Caxias do Sul
Atelier Zambelli: Via-Sacra e São Luiz Gonzaga na Capela da Cantina Antunes em 1944
Obelisco do Parque Cinquentenário em 1925
Monumento à Itália: os 60 anos de um monumento à espera de restauro

Michelangelo (à esquerda, sentado) e o irmão Mario Cilo Zambelli em um registro de 1905, época em que Michelangelo havia retornado da Itália com o diploma da Academia de Breda, em MilãoFoto: Acervo família Zambelli / divulgação
Seção Necrologia publicada no jornal O Momento, em 16 de abril de 1949Foto: Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul / reprodução

O início

A trajetória dos Zambelli teve início com a chegada do imigrante italiano Tarquinio Zambelli à Serra por volta de 1883. Egresso da Escola de Belas Artes de Milão, com amplo conhecimento em pintura, escultura e decoração, o patriarca logo introduziu os filhos Michelangelo, Mario Cilo, Annunzia, Estácio e Raffaele no ofício, levando-os para trabalhar no então "Grande Laboratório Artístico de Tarquinio Zambelli e Filhos". 

De todos os descendentes de Tarquinio, Michelangelo foi o que teve atuação mais intensa na cidade e região da Serra. Após uma temporada em Buenos Aires, o primogênito fundou em 1915 o "Atelier de Escultura Michelangelo Zambelli & Cia Ltda", localizado na Av. Júlio de Castilhos, 815. 

Foto: Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação

Com o falecimento de Michelangelo, em 1949, a esposa Adelina assumiu a direção do negócio, juntamente com o sócio Nilo Tomasi. A produção seguiu até o início dos anos 2000, quando o velho casarão de madeira, próximo ao Santo Sepulcro, começou a sofrer com a degradação física.

Passado um período de indefinições, entre 2002 e 2004, parte do acervo remanescente foi adquirido pela Festa Nacional da Uva, com suporte técnico e artístico do extinto Departamento de Memória e Patrimônio Cultural, da Secretaria da Cultura. 

Nascia aí, no subsolo do Monumento Jesus Terceiro Milênio, o Memorial Atelier Zambelli — fechado desde agosto de 2017 e reaberto ao público em fevereiro último, após mais de um ano fechado para reformas estruturais visando controlar goteiras, mofo e umidade.

Leia mais:
Cripta do Santo Sepulcro na década de 1930
Zambelli & Locatelli: os detalhes do interior da Igreja do Santo Sepulcro
Memórias da Júlio: as histórias que rondam o velho casarão ao lado do Santo Sepulcro  

Foto: Reprodução / Agência RBS

Leia mais:
Memorial Atelier Zambelli: 10 anos depois
Memorial Zambelli se perde em meio às goteiras
Memorial Atelier Zambelli recebe reforma para evitar infiltrações
A história do bairro e a Paróquia de Lourdes em um calendário
Lourdes, zona Caipora e Bairro Guarani
Líbera Rizzo e a capela de Nossa Senhora das Graças

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória   

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros