Erico Verissimo visita Caxias do Sul em 1956 - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória05/02/2019 | 16h31Atualizada em 05/02/2019 | 16h31

Erico Verissimo visita Caxias do Sul em 1956

No aniversário de 70 anos de "O Tempo e o Vento", em 2019, recordamos da passagem do autor pela cidade

Erico Verissimo visita Caxias do Sul em 1956 Acervo de família / divulgação/divulgação
Erico Verissimo (C) é entrevistado por Nestor Gollo (D) no casarão do empresário Caetano Pettinelli (à esquerda) Foto: Acervo de família / divulgação / divulgação

Os 70 anos do épico O Tempo e o Vento, lançado em 1949 com o primeiro volume de O Continente,  joga luzes sobre a passagem do escritor Erico Verissimo por Caxias do Sul há 62 anos. Foi em 11 de dezembro de 1956, quando o autor chegou à cidade para uma palestra promovida pelo Departamento Cultural do Recreio da Juventude, em parceria com  o Centro Cultural Brasileiro-Norte- Americano e a Rádio Caxias. 

Matéria de capa do Pioneiro daquela semana destacou a visita, colhendo algumas impressões do escritor sobre a cidade: 

"Volto a Caxias satisfeito de rever esta terra amiga e trabalhadora. E nos três anos que passei nos Estados Unidos fazendo conferências e palestras, viajando por todo o território americano, sempre me lembrava de Caxias. Sim, porque quando eu falava no Brasil, falava no Rio Grande e quem fala no Rio Grande menciona Caxias do Sul. E digo isso não para vos agradar, mas citava Caxias como exemplo de cidade de vitalidade moça, trabalhadora, cheia de energia e entusiasmo. Mostrava o que de bom e salutar aqui nos trouxeram os imigrantes. Citava seu progresso e ascenção. E hoje volto satisfeito a Caxias, porque ela ocupa um lugar de destaque na minha geografia sentimental. Tanto assim que atendi em pronunciar aqui uma palestra, antes mesmo de fazê-lo em minha terra natal, Cruz Alta". 

Perguntado sobre novos livros de sua autoria a serem publicados e outros vertidos ao cinema nacional e estrangeiro, afirmou:

"O cargo que ocupei nos Estados Unidos prendeu-me todo o tempo. Não pude escrever. Mas estou com o terceiro volume da coleção das histórias do Rio Grande - "O Retrato", a primeira; "O Tempo e o Vento", o segundo; e agora o terceiro, que vai de 1924 até nossos dias, onde os personagens, muitos deles pelo menos, são vivos e oferecem dificuldade, mas é exatamente isso que anima um escritor. Não vi ainda o filme "O Sobrado", extraído de "O Tempo e o Vento", o que farei logo que se me oferecer a oportunidade".

Na foto acima, Verissimo é entrevistado pelo radialista, professor  e ex-diretor da Biblioteca Pública Municipal Nestor Gollo. O cenário é a mansão do empresário e antigo diretor da Metalúrgica Abramo Eberle Caetano Pettinelli, onde o escritor ficou hospedado. A imagem foi reproduzida do livro "A História nas Estantes", lançado por Marcos Fernando Kirst por ocasião dos 60 anos da Biblioteca Pública, celebrados em 2007. 

Abaixo, a reprodução da capa do Pioneiro de  15 de dezembro de 1956, destacando a passagem do escritor pela cidade. Na foto à direita, Erico aparece junto a Caetano Pettinelli.

Leia mais:
Martha Rocha na Baixada Rubra em 1955
Rincão da Lealdade e um churrasco para a Miss Brasil Martha Rocha
Martha Rocha, Miss Brasil 1954, visita Caxias do Sul
CTG Rincão da Lealdade na Festa da Uva de 1969
Varejo do Eberle: um clássico do Centro   
Restaurante da Exposição, na Rua Alfredo Chaves, em 1954
Mirante do Parque dos Macaquinhos em 1965 

Foto: Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul / reprodução

Obra seminal

Ameaçado pelo viés fascista que se instalou no governo do Brasil com o Estado Novo (1937-1946), Erico Verissimo, já um escritor consagrado, além de tradutor e conselheiro literário da Editora Globo, em 1943 decidiu aceitar convite da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, e para lá se mudou com a esposa e os dois filhos. 

Corria o ano de 1943 quando ele estabeleceu-se como professor de Literatura Brasileira no campus da cidade de Berkeley. Erico e a família ficaram em território norte-americano até meados de 1946. Na volta, o autor começaria o projeto do livro que se consagraria como uma obra seminal na literatura gaúcha. Previsto para ter um só volume, com aproximadamente 800 páginas, e ser escrito em três anos, O Tempo e o Vento acabou ultrapassando as 2,2 mil páginas, sob a forma de trilogia, consumindo 15 anos de trabalho do autor.

A trilogia

O Tempo e o Vento é uma trilogia que se divide em três tomos: O Continente (dois volumes); O Retrato (dois volumes); e O Arquipélago (três volumes). O romance conta a saga das famílias Terra e Cambará ao longo de 200 anos, desde a ocupação do Continente de São Pedro, começo do século 18, até o fim do Estado Novo, quase metade do século 20. 

Do lançamento, em 1949, até os dias atuais, O Tempo e o Vento e, especialmente, O Continente, no qual se sobressaem os personagens Ana Terra e Capitão Rodrigo Cambará, mereceram numerosas reedições, além de adaptações para o cinema e a televisão.

Parceria

Parte da informações desta página foi reproduzida da coluna Almanaque Gaúcho, do colega Ricardo Chaves, de Zero Hora. 

Leia mais:
Getúlio Vargas no Real Hotel em 1954
Ari De Carli: um anúncio e uma foto premiada em 1968
Nu fotográfico agita a Aliança Francesa em 1955
Mauro De Blanco no Atelier de Teatro da Aliança Francesa em 1961
Uma formatura na Escola de Belas Artes em 1958 

Confira outras publicações da coluna Memória
Acesse antigas publicações do blog Memória   

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros