Revista do Globo, um clássico de 90 anos - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória23/01/2019 | 11h56Atualizada em 23/01/2019 | 11h56

Revista do Globo, um clássico de 90 anos

Publicação surgida em janeiro de 1929 contou com os trabalhos de nomes como Erico Verissimo e Mario Quintana

Revista do Globo, um clássico de 90 anos Reprodução / Agência RBS/Agência RBS
Foto: Reprodução / Agência RBS / Agência RBS

O ano de 1929, apesar dos prenúncios da crise econômica mundial, que viria a dar no conhecido crash de 29 de outubro, exibia uma Porto Alegre ainda pujante na área cultural. Além da efervescência nas cenas teatral e musical, com apresentações no Theatro São Pedro, a Capital inaugurava salas de cinema imponentes, como o Cine Teatro Avenida. Na área editorial, surgiram duas publicações que marcaram época: a Revista do Globo e o jornal Estado do Rio Grande – este era o órgão oficial do então Partido Libertador, dirigido por Raul Pilla. Teve vida efêmera, ainda que destacada, fechando em 1937.

A Revista do Globo, no entanto, chegou para deixar um legado inestimável a vários setores da área cultural não só de Porto Alegre, mas de todo o Estado: da literatura ao jornalismo, do cinema ao teatro, da fotografia à moda. Lançada em janeiro de 1929 pela Livraria do Globo, que mais tarde passou a ter a marca Editora Globo em seus produtos editoriais, manteve-se ativa até 1967, tornando-se um verdadeiro ícone gaúcho.

Foto: Agência RBS / reprodução

O início

A revista surgiu como uma evolução do Almanaque do Globo, editado até então. Ao longo de quase 58 anos, contabilizou 941 edições e dois números especiais: um sobre a Revolução de 1930 e outro sobre a grande enchente de 1941. A publicação circulava com uma média de 80 a 90 páginas. Foi também uma verdadeira escola de jornalismo e design gráfico.

Por lá passaram, entre tantos outros, profissionais como Mansueto Bernardi, Erico Verissimo, Mario Quintana, Justino Martins, Mário de Almeida Lima, Henrique Maia, Antônio Goulart, Flávio Carneiro, João Fahrion, João Mottini, Nelson Boeira Faedrich, Vitório Gheno, Henrique D’Ávilla Bertaso e José Bertaso Filho, estes dois membros da família proprietária da Livraria e Editora Globo. 

Leia mais:
Boletim Eberle: o clássico informativo mensal da metalúrgica Rua Guia Lopes no Boletim Eberle em 1958  
Pioneiro 70 anos: a capa da primeira edição, em 4 de novembro de 1948
Pioneiro 70 anos: recordações impressas na memória
Pioneiro 70 anos: formatura dos contadores do Carmo em 1948
Pioneiro 70 anos: anúncios na estreia do jornal em 4 de novembro de 1948
Pioneiro 70 anos: de volta a 1952  
Pioneiro 70 anos: expressões em desuso, mas com o charme da época  

Raridade: Dona Lourdes Curra e o exemplar de estreia, datado de 1929Foto: Rodrigo Lopes / Especial

A capa da estreia, em 1929

A capa do número um da Revista do Globo, já adiantando o excelente padrão gráfico que marcaria sua trajetória, foi desenhada pelo lendário designer Sotero Cosme – uma mulher estilizada com um globo dourado entre os braços tornou-se o símbolo do periódico.

Foi exatamente essa raridade a escolhida para ilustrar a matéria sobre a biblioteca do advogado Heitor Curra (1899-1973), doada pela filha Lourdes Curra à Universidade de Caxias do Sul em dezembro. Leitor assíduo da publicação, Heitor manteve a coleção original completa e encadernada dos primeiros três anos da publicação, um clássico atemporal cuidadosamente conservado por dona Lourdes por anos – e a partir de agora salvaguardado pela UCS.

Leia mais:
Biblioteca de Heitor Curra é doada à Universidade de Caxias do Sul
Heitor Curra: vindima no antigo casarão da Rua Bento Gonçalves
História de Heitor Curra é preservada
Lembranças de Heitor Curra  
Ponte Heitor Curra em Mato Perso em 1935  

Há 90 anos: a capa da primeira edição, lançada em janeiro de 1929.Foto: Reprodução / Agência RBS
Foto: Agência RBS / reprodução
Foto: Agência RBS / reprodução
Foto: Agência RBS / reprodução

Doação e consulta

Os exemplares da biblioteca de Heitor Curra doados recentemente à UCS passarão por higienização e catalogação. Posteriormente, estarão disponíveis à comunidade, no setor de Coleções Especiais e Obras Raras, que permite apenas a consulta local. 

Trata-se do mesmo procedimento realizado com outra coleção de vulto adquirida via testamento pela UCS em 2018: o acervo literário de 4 mil títulos da família Bornheim, doado ainda em vida pela professora e poetisa Amália Marie Gerda Bornheim (1934-2017), irmã do filósofo e escritor Gerd Bornheim (1929-2002).

Leia mais:
Um passeio pelo acervo literário da família Bornheim
Gerda Bornheim lança livro de haicais em Caxias
Morre a poetisa Gerda Bornheim, em Caxias do Sul 

Parceria

Parte das informações desta página foi publicada originalmente na coluna Almanaque Gaúcho, do colega Ricardo Chaves, de Zero Hora.

Leia mais:
Randon 70 anos: uma mecânica surge em 1949, na Rua Matteo Gianella
Cobertores que fizeram a fama do Lanifício Gianella
Galópolis e a cascata Véu de Noiva em 1948

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória   


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros