"Quero que a justiça seja feita", diz homem molhado por seguranças em Caxias do Sul - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Entrevista24/01/2019 | 14h02Atualizada em 24/01/2019 | 14h44

"Quero que a justiça seja feita", diz homem molhado por seguranças em Caxias do Sul

Vítima gravou depoimento para assessores do vereador Rafael Bueno (PDT)

"Quero que a justiça seja feita", diz homem molhado por seguranças em Caxias do Sul Assessoria do vereador Rafael Bueno (PDT) / Reprodução/Reprodução
Foto: Assessoria do vereador Rafael Bueno (PDT) / Reprodução / Reprodução

Molhado por seguranças de uma empresa privada quando utilizava um banheiro público de Caxias do Sul, Irineu Seibert, 56 anos, se manifestou pela primeira vez sobre o ocorrido. O homem, que está internado em uma clínica para tratamento, aceitou gravar um vídeo para assessores do vereador Rafael Bueno (PDT), que foi quem primeiro divulgou as imagens da ação dos vigilantes. O caso está em investigação pelo Ministério Público e a Polícia Civil. O delegado Vitor Carnaúba diz que as primeiras imagens apontavam para um crime de injúria qualificada.

Leia mais:
Prefeitura de Caxias quer punir empresa que contratou seguranças que molharam homem
Seguranças que molharam homem em Caxias do Sul podem ser responsabilizados
Vídeo que circula nas redes sociais mostra idoso sendo molhado por seguranças em Caxias

No depoimento, Seibert conta que estava com uma forte dor de barriga e por isso foi até ao banheiro público. Uns 10 minutos depois, um jato começou a entrar na cabine do sanitário.

— Fiquei indignado. Pensei até que fossem maus elementos, mas eles estavam fardados — conta a vítima.

Foto: Reprodução

O homem afirma que não conseguiu escutar o que os seguranças diziam em razão da água esguichada, que entupiu seus ouvidos. Seibert afirma que em nenhum momento pediu para ser molhado e que não falou com os seguranças antes do ataque.

— (Estes vigilantes) são muito desrespeitosos, fazer o que fizeram comigo. Podem cometer este tipo de ignorância com qualquer um, para uma criança ou um animal. Eu quero que justiça seja feita contra esses dois elementos — afirma Seibert no vídeo.

Segundo Alex Sandro Gonçalves Moraes, sócio proprietário da empresa na qual trabalham os seguranças, o vídeo foi gravado no final do ano passado. A empresa teria sido contratada pela prefeitura, via Secretaria Municipal da Cultura, de forma terceirizada, para garantir a segurança dos enfeites natalinos que decoravam a Praça Dante até a primeira semana de janeiro. 

Moraes também aparece nas imagens e, no sábado (dia 19), em entrevista à emissora RBS TV, alegou que a situação foi uma brincadeira e garantiu ainda que o homem de camiseta vermelha havia solicitado que fosse molhado. Essa versão foi desmentida pela divulgação de um segundo vídeo, que mostra os vigilantes ofendendo e expulsando a vítima de dentro de uma cabine do banheiro público.

Confira o relato: 

Depoimento oficial está agendado

Conforme combinado com a clínica que atende Seibert, a Polícia Civil agendou para esta sexta-feira (24) o depoimento da vítima. Após, serão procurados os seguranças envolvidos. Os investigadores do 1º Distrito Policial (1º DP) já recolheram as imagens que foram divulgadas nas redes sociais e solicitam que, quem tiver outros vídeos do ataque, os procure no telefone (54) 3221.4000. As denúncias podem ser feitas anonimamente.

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros