O incêndio da Ferragem Caxiense em 1952 - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 

Memória08/01/2019 | 07h30Atualizada em 08/01/2019 | 19h53

O incêndio da Ferragem Caxiense em 1952

Sinistro destruiu a loja, sobrados vizinhos e a lendária Casa Minghelli, na esquina com a Marquês do Herval

O incêndio da Ferragem Caxiense em 1952 Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação/divulgação
O fogo na Ferragem Caxiense sendo controlado pelos bombeiros Foto: Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação / divulgação

Quando se fala em incêndios de grandes proporções na área central de Caxias, imediatamente vem a lembrança dos sinistros na Câmara de Vereadores, em 1992, e no Cine Teatro Ópera, em 1994. Porém, 40 anos antes, o Centro também "parou". Foi em 23 de novembro de 1952, um domingo, que a população testemunhou o "devastador incêndio que destruiu a Ferragem Caxiense", conforme manchete do então semanário Pioneiro de 29 de novembro de 1952.

Localizado na Rua Sinimbu, em frente à Metalúrgica Abramo Eberle, o espaço comercializava ferragens, tintas, óleos, vidros, armas, munições, cristais, porcelanas e miudezas em geral. Conforme relatos da época, foi provavelmente no estoque de óleos e produtos inflamáveis, nos fundos da loja, que tiveram início as explosões. 

Na sequência, o fogo consumiu parte da construção de alvenaria, um casarão de dois pavimentos em madeira ao lado, onde funcionava o curso de desenho da metalúrgica, e a antiga Casa Minghelli, estabelecimento comercial situado na esquina com a Marquês do Herval — desde o final dos anos 1950, o Edifício Minghelli. 

Leia mais:
Interior da Ferragem Caxiense em 1946
Ferragem Caxiense em 1947
Um incêndio agita o Centro de Caxias em 1952
Cine Apollo, Cine Ópera e dois incêndios
Moinho Progresso e um incêndio em 1954
Praça Dante Alighieri coberta de neve em 1941

O fogo na Ferragem Caxiense sendo controlado pelos bombeirosFoto: Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação

Na imprensa

Texto do Pioneiro da época destacou a história da casa, a esquina e o trabalho dos "soldados do fogo":

"Estabelecimento antigo que vinha servindo esta região, com abundante sortimento de ferragens das melhores procedências, em poucas horas, com assombro da população, desapareceu sob a voragem das chamas. A Casa Comercial Minghelli, cujo edifício era de madeira, em poucos instantes também desapareceu. Não obstante, houve tempo para serem retiradas todas as mercadorias existentes, de sorte que o único prejuízo foi a velha casa de madeira. Os soldados do fogo se houveram com bastante perícia e denodo, merecendo aplausos". 

Ainda conforme a reportagem, prédios vizinhos como o Hotel Menegotto e a Funilaria Guidali também ficaram ameaçados: "Não fosse a ação eficiente dos bombeiros, sem dúvida o desastre teria assumido proporções gigantescas"

Leia mais:
Pioneiro 70 anos: formatura dos contadores do Carmo em 1948
Pioneiro 70 anos: anúncios na estreia do jornal em 4 de novembro de 1948
Pioneiro 70 anos: de volta a 1952  
Pioneiro 70 anos: expressões em desuso, mas com o charme da época  

Foto: Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul / reprodução

As imagens

Nas fotos desta página, alguns registros da movimentação no entorno e uma rara sequência captada próximo ao chafariz da então Praça Rui Barbosa. As imagens integram o acervo do Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami.

Leia mais:
Inauguração da Rodoviária de Caxias do Sul em 1958
Mansão Raabe: cinzas e ruínas no Carnaval de 1990  
Memórias do antigo Real Hotel
Os preferidos dos caxienses em 1954  
Acrobatas alemães agitam o Centro de Caxias em 1957
Estátua da Liberdade, um ícone da Praça Dante desde 1922  

Nuvem de fumaça tomou conta do Centro em 23 de novembro de 1952. À época, parte do Eberle e torre do relógio estavam sendo construídas Foto: Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação
A casa Minghelli praticamente destruída pelo fogoFoto: Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação
A nuvem de fumaça captada a partir do chafariz da então Praça Rui BarbosaFoto: Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação
A nuvem de fumaça captada a partir do chafariz da então Praça Rui BarbosaFoto: Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação

Prova de ciclismo em meio à tragédia

Três leitores recordaram do episódio em 2014, quando a coluna abordou o incêndio pela primeira vez.

"Exatamente no dia desse histórico incêndio da Ferragem Caxiense, a Rádio Caxias ZYF-3, a promotora de eventos esportivos na época, realizava uma prova de ciclismo com percurso Caxias-Farroupilha-Caxias. A transmissão radiofônica da competição foi interrompida para levar informações do incêndio ao vivo. Os ciclistas foram chegando na Av. Júlio de Castilhos, defronte ao Café Central, pulando sobre as mangueiras do Corpo de Bombeiros, que estavam entendidas através da Praça Rui Barbosa. Essa informação foi-me passada por Charles Milton Lamb, o "Chaleira", o ciclista vencedor naquele dia". (Ivan Zeni dos Santos)

"Este incêndio ficou muito marcado em mim. Naquele domingo, minha família tinha ido na missa da Catedral e eu estava junto. Tinha apenas três anos, mas lembro bem das explosões e das enormes labaredas". (João Carlos Pieruccini Faé)

"Com 12 anos e morando nos fundos do prédio, pela Av. Júlio de Castilhos, estávamos apavorados porque diziam que a quadra inteira poderia ser atingida". (Maria Helena Muratore)

Leia mais:
Charles Lamb nas Olimpíadas Caxienses de 1952
O adeus ao ídolo do ciclismo Charles Lamb
Confira o vídeo original das Olimpíadas Caxienses de 1952, feito por seu Oscar Boz
Um jogo de futebol e três locutores no telhado em 1948

Hoje

O espaço que sediava a antiga Ferragem Caxiense hoje abriga uma loja de utilidades domésticas, praticamente a mesma atuação comercial de 66 anos atrás. 

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória  


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros