Caxias em 1957: A Metrópole do Vinho - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória30/01/2019 | 07h30Atualizada em 30/01/2019 | 07h30

Caxias em 1957: A Metrópole do Vinho

Publicação do jornalista Duminiense Paranhos Antunes definia-se como o "Órgão Oficial da Festa da Uva e Feira Agro-Industrial de Caxias do Sul"  

Caxias em 1957: A Metrópole do Vinho Reprodução / Agência RBS/Agência RBS
Foto: Reprodução / Agência RBS / Agência RBS

Lançado às vésperas da Festa da Uva de 1958 — e com o propósito de bombar as vendas no período do evento —, o álbum ilustrado Caxias do Sul - A Metrópole do Vinho foi uma espécie de continuação do badalado Documentário Histórico do Município de Caxias do Sul (1875-1950), lançado por ocasião dos 75 anos de imigração italiana, em 1950.

De autoria do jornalista Duminiense Paranhos Antunes, o catálogo definia-se, conforme a apresentação, como o "Órgão Oficial da Festa da Uva e Feira Agro-Industrial de Caxias do Sul". Destacava, desde os títulos dos capítulos, uma cidade que merecia ser conhecida: Vista Geral da Cidade a Vôo de Pássaro, Caxias do Sul - Uma Cidade de Turismo, Edificações Modernas, Caxias do Sul Intelectual, A Mulher Caxiense, Um Dia de Neve em Caxias do Sul, Vultos do Passado, Os Pioneiros, A Alma da Terra e Sinfonia do Trabalho.  

O grupo de colaboradores também era um um verdadeiro "timaço": Olmiro de Azevedo, Nestor Gollo, Joaquim Pedro Lisboa, Mario Gardelin, Ítalo Balen, Cyro de Lavra Pinto, Manoel Ramos de Castilhos e Bernardino Conte. Todos enaltecendo, em versos e resenhas, o início da cidade, o trabalho, a pujança econômica, as belezas naturais, a figura do agricultor e tudo o que fora construído até então.

Algo que o prefácio resumia bem: 

As gerações se sucedem, os homens passam. Mas o tempo não destrói os seus atos e as suas obras. A história milenar nos comprova. E se estamos fazendo história, no registro dos feitos dos homens que fecundaram a terra virgem, que os recebeu a 80 anos passados, ela lembrará no futuro aqueles que deixaram seus nomes gravados nas obras que levantaram, assim como seus artífices do presente, no relevo do seu trabalho, deixarão o exemplo, se não para os nossos filhos, para os filhos de nossos filhos... 

Leia mais:
Casa Gaúcha, um clássico do Centro
Irmãos Paranhos Antunes visitam Caxias do Sul em 1952
Frustração na Festa da Uva de 1958
Monumento à Itália: os 60 anos de um símbolo à espera de restauro

Foto: Reprodução / Agência RBS
Foto: Reprodução / Agência RBS

Impressão

O álbum Caxias do Sul - A Metrópole do Vinho foi impresso nas Oficinas Gráficas da LIvraria Mendes e finalizado pelo Serviço de Encadernação do Abrigo de Menores São José. Já as fotos foram produzidas por casas como o Studio Geremia, o Atelier Calegari, o Studio Tomazoni Caxias, a Foto Mancuso e o Atelier Óptica Caxiense Ltda, onde atuava o fotógrafo Hildo Boff. 

Leia mais:
Ferragem Andreazza: uma adega, décadas de histórias
Inauguração do novo Pastifício Caxiense em 1963
Lembranças recheadas de sabor no antigo Pastifício Caxiense
Cooperativa Vinícola São Victor nos anos 1950
Vinícola São Victor: a trajetória da família Zandomeneghi
Estação Férrea em 1958 

O autor

Duminiense Paranhos Antunes era pai de Christiano Carpes Antunes, primeiro colunista social do Pioneiro.

Leia mais:
Christiano Carpes Antunes e os primórdios da coluna social do Pioneiro Christian e as antigas folias de salão 

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória   

 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros