Memória: Biblioteca do político Heitor Curra é doada à Universidade de Caxias do Sul - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 

Caxias antiga10/12/2018 | 07h43Atualizada em 10/12/2018 | 08h37

Memória: Biblioteca do político Heitor Curra é doada à Universidade de Caxias do Sul

Acervo com coleções, almanaques, livros técnicos e dezenas de títulos literários raros foi preservado pela filha Lourdes Curra

Memória: Biblioteca do político Heitor Curra é doada à Universidade de Caxias do Sul Rodrigo Lopes / Especial/Especial
Edição de estreia da Revista do Globo, datada de 5 de janeiro de 1929, integra a coleção, juntamente com outros volumes encadernados e mantidos por dona Lourdes Curra Foto: Rodrigo Lopes / Especial / Especial

Político, advogado, impulsionador do desenvolvimento da antiga Vila de Nova Trento e prefeito de Flores da Cunha entre 1933 e 1941, Heitor Curra também foi um leitor voraz. E sua vasta biblioteca, recheada de coleções, almanaques e títulos raros em vários idiomas, em breve estará salvaguardada e disponível para consulta. Tudo graças à iniciativa da filha, a professora e escritora Lourdes Curra, que na última quinta-feira (6) encaminhou a doação do acervo completo do pai à Biblioteca Central da Universidade de Caxias do Sul.

São centenas de exemplares preciosos, desde os 13 tomos da Storia Universale di Cesare Cantù, de 1884; um raro Almanaco Antoniano, editado em Padova, em 1929; uma edição de 1933 da Correspondência Íntima de Ruy Barbosa; até a coletânea Sonetos Brasileiros, edição de 1913, organizada por Laudelino Freire e abrangendo obras de Muniz Barreto, João Caetano e Pedro de Alcântara, entre outros.

Uma das raridades é a coleção completa e encadernada dos primeiros três anos da Revista do Globo, editada em Porto Alegre a partir de 5 de janeiro de 1929 (foto na contracapa). Outra preciosidade são os lendários volumes do Boletim Eberle, redigidos pelo filho Nestor Curra e editados pela metalúrgica entre 1956 e 1965, trazendo o detalhado cotidiano da fábrica e diversas nuances da cidade no período.

Leia mais:
Heitor Curra: vindima no antigo casarão da Rua Bento Gonçalves
Boletim Eberle: o clássico informativo mensal da metalúrgica
Rua Guia Lopes no Boletim Eberle em 1958 

Foto: Rodrigo Lopes / Especial
Foto: Rodrigo Lopes / Especial
Foto: Rodrigo Lopes / Especial
Foto: Rodrigo Lopes / Especial
Foto: Rodrigo Lopes / Especial
Foto: Rodrigo Lopes / Especial

Coleções de vulto

Conforme a coordenadora do sistema de bibliotecas da UCS, Michele Marques Baptista, num primeiro momento, as obras passarão por higienização e catalogação. Posteriormente, estarão disponíveis à comunidade, no setor de Coleções Especiais e Obras Raras, que permite apenas a consulta local. 

Trata-se do mesmo procedimento realizado com outra coleção de vulto adquirida via testamento pela UCS em 2018: o acervo literário de 4 mil títulos da família Bornheim, doado ainda em vida pela professora e poetisa Amália Marie Gerda Bornheim (1934-2017), irmã do filósofo e escritor Gerd Bornheim (1929-2002).

A história e a memória da cidade agradecem.

Leia mais:
Um passeio pelo acervo literário da família Bornheim
Gerda Bornheim lança livro de haicais em Caxias
Morre a poetisa Gerda Bornheim, em Caxias do Sul

Heitor Curra por volta de 1920, em São PauloFoto: Acervo pessoal de Lourdes Curra / divulgação
O registro do casamento de Heitor Curra com Ignez Clementina Jaconi em 1926, em Nova VicenzaFoto: Acervo pessoal de Lourdes Curra / divulgação

Quem foi Heitor Curra 

Filho do casal de imigrantes italianos Pietro Curra e Catharina Fiorese, Heitor Curra nasceu no dia 10 de julho de 1899, na antiga Vila de Nova Trento, atual município de Flores da Cunha. 

Após concluir os ensinos fundamental e médio no extinto seminário Imaculada Conceição, em São Leopoldo, fez especializações nas áreas de contabilidade e advocacia. Em 1926, casou com Ignez Clementina Jaconi, nascendo desta união quatro filhos: Nestor, Humberto, Lourdes e Heitor Curra Filho. 

Já em 2 de março de 1933, Curra foi nomeado prefeito municipal de Nova Trento por ato do General Flores da Cunha, época em que alterou a denominação do município em homenagem ao militar. Com o fim do mandato, em 1941, desvinculou-se da vida política e passou a exercer a atividade de escrivão do Cartório Civil e Crime, Júri e Execuções Criminais, em Caxias do Sul.

Heitor Curra faleceu em 15 de abril de 1973, aos 73 anos. Seu corpo foi sepultado no Cemitério Público Municipal de Flores da Cunha.

Lourdes Curra, a biografia do pai e parte da biblioteca que foi doada à Universidade de Caxias do SulFoto: Rodrigo Lopes / Especial

Vida em livro 

A trajetória política e pessoal de Heitor Curra foi resgatada pela filha Lourdes Curra na publicação Heitor Curra – Um Cidadão Florense: Vida e Obra, escrita em parceria com Evandro Luiz de Oliveira e lançada em 2006. 

Até hoje, dona Lourdes reside em um dos antigos casarões da família — construídos a partir da mudança dos Curra para Caxias, na década de 1940 —, na Rua Bento Gonçalves, entre a Dr. Montaury e a Marquês do Herval. Exatamente onde Heitor viveu e onde a coleção repousou por todas essas décadas...

Dia de coleta: Lourdes Curra, a coordenadora do sistema de bibliotecas da UCS, Michele Baptista, e as bibliotecárias Paula Leal (E) e Michele Silveira (D)Foto: Rodrigo Lopes / Especial

Leia mais:
História de Heitor Curra é preservada
Lembranças de Heitor Curra  
Ponte Heitor Curra em Mato Perso em 1935
Encontro da família Fontana em Flores da Cunha
"Shazan e Xerife" agitam a Fenavindima em 1973
Família Fiorese celebra as origens em Flores da Cunha  
Eberle e o galo de Flores da Cunha em 1972
Clovis Boff, o senhor dos galos de Flores da Cunha
Encontro da família Bolzan em Flores da Cunha
Doações enriquecem acervo do Arquivo Histórico e auxiliam pesquisas 

Confira outras publicações da coluna Memória
Acesse antigas publicações do blog Memória 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros