Edifício São José Operário em 1965 - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória24/12/2018 | 07h30Atualizada em 25/12/2018 | 20h24

Edifício São José Operário em 1965

Prédio da Rua Visconde de Pelotas surgiu para abrigar a crescente demanda dos serviços do Círculo Operário Caxiense 

Edifício São José Operário em 1965 Studio Geremia / Acervo Círculo Operário Caxiense, divulgação/Acervo Círculo Operário Caxiense, divulgação
O novo Edifício São José Operário em construção no início dos anos 1960, com uma Rua Visconde de Pelotas ainda de paralelepípedos e mão dupla Foto: Studio Geremia / Acervo Círculo Operário Caxiense, divulgação / Acervo Círculo Operário Caxiense, divulgação

Ponto de referência da Rua Visconde de Pelotas, entre a Sinimbu e a Av. Júlio de Castilhos, o edifício do Círculo Operário Caxiense foi inaugurado em 25 de julho de 1965, marcando a grande expansão dos serviços oferecidos aos associados desde a fundação da entidade, em 1934.

Os 80 anos de fundação do Círculo Operário Caxiense

Conforme a publicação Círculo: Uma Trajetória de Conquistas e Realizações, o Edifício São José Operário, seu nome oficial, começou a tomar forma por volta de 1960, ao lado da então sede administrativa. Foi batizado em homenagem ao padroeiro do homem trabalhador e de sua família. E o principal mentor da obra, o padre Angelo Tronca, foi seu morador mais famoso: residiu no último dos 13 andares do prédio de outubro de 1965, três meses após a inauguração, até  falecer, em 1993.

Reportagem do Pioneiro de 30 de julho destacou a solenidade de inauguração. Pelas novíssimas dependências do prédio passaram o sub-chefe da Casa Civil da Presidência da República, Nelson Gouvea, os deputados federais Euclides Triches e Rubem Bento Alves, o prefeito Hermes João Weber, e representantes do Círculo, como o presidente Alcides Perottoni, o orador Agenor da Silva e o próprio padre Tronca, à época assistente eclesiástico do Círculo. Após os discursos oficiais, foi celebrada uma missa pelo então bispo diocesano Ernesto Brandalise, seguida de um lauto almoço no CTG Rincão da Lealdade.

Nas imagens desta página, três momentos do surgimento do prédio, com uma Visconde de Pelotas ainda de paralelepípedos e mão dupla. Algo bem distante do cenário atual... 

Leia mais:
Encontro da família de Domenico Tronca no Parque Cinquentenário em 1936  
Rua Tronca em 1958
Os leões de Michelangelo Zambelli no Parque Cinquentenário
Obelisco do Parque Cinquentenário em 1925
Rua Dr. Montaury em 1959
Rua Do Guia Lopes no Boletim Eberle em 1958
O morro das madressilvas, na Av. Júlio, em 1947
Rincão da Lealdade e um churrasco para a Miss Brasil Martha Rocha em 1955 

O início da construção do novo prédio na Rua Visconde de Pelotas, ao lado da sede principal, em 1960Foto: Studio Geremia / Acervo Círculo Operário Caxiense, divulgação
O novo Edifício São José Operário em construção no início dos anos 1960, com uma Rua Visconde de Pelotas de paralelepípedos e mão duplaFoto: Studio Geremia / Acervo Círculo Operário Caxiense, divulgação
O novo edifício do Círculo Operário Caxiense e seus 13 andares concluídosFoto: Studio Geremia / Acervo Círculo Operário Caxiense, divulgação

Leia mais:
Memórias na vertical: as histórias e curiosidades dos prédios de Caxias do Sul
Edifício Dona Ercília e uma esquina recheada de histórias
Um prédio "diferente" surge em 1976 

Matéria do Pioneiro de 30 de julho de 1965 destacou a inauguraçãoFoto: Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul / reprodução

Ícones

Além de abrigar consultórios médicos e cursos de datilografia, o prédio sediou o lendário Cinema Imperial, endereço obrigatório para os cinéfilos dos anos 1970, 1980 e parte dos 1990. 

Leia mais:
Cine Imperial na década de 1950
Do Cine Real às Lojas Brasileiras
Elis Regina no Cine Real em 1974
O Cine Central e as esculturas de Estácio Zambelli
Cine Central: uma reforma a caminho
Cine Central: um clássico de Caxias de cara nova
Cine Apollo, Cine Ópera e dois incêndios
Cine Teatro Guarany na década de 1930
Primórdios do Cine Teatro Guarany
Desmaios na sala do Cine Guarany em 1975
O ocaso do Cine Vêneto
Mercadinho do Povo na Av. Júlio em 1947
Inauguração das Feiras Livres em 1948  
Casa Prataviera: um ícone do Centro  

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória  


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros