Dependente químico pediu um presente de Natal em 2017 e ganhou uma nova chance de viver - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Se esse Natal fosse meu12/12/2018 | 07h00Atualizada em 12/12/2018 | 07h00

Dependente químico pediu um presente de Natal em 2017 e ganhou uma nova chance de viver

Campanha possibilita que pessoas em situação de rua contem suas histórias e façam pedidos em Caxias do Sul

Dependente químico pediu um presente de Natal em 2017 e ganhou uma nova chance de viver  Porthus Junior/Agencia RBS
Renato Debetio, 60 anos, teve ajuda para reconsiderar as opções erradas e traçar uma nova trajetória de vida Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

Quanto tempo é preciso para que um simples pedido mude sua vida? Quantas horas você pensou em alterar o rumo de suas escolhas e desistiu no meio do caminho? Pois Renato Debetio, 60 anos, teve tempo suficiente para reconsiderar as opções erradas da vida e traçar uma nova trajetória. Mas foi em um simples desejo de Natal que ele encontrou uma via diferente. Queria um relógio, ganhou uma nova chance. 

Leia mais
Campanha possibilita que pessoas em situação de rua contem suas histórias e façam pedido de Natal
Moradores de rua que vivem em Caxias recebem presentes de Natal doados pela população
De paz a relógio: os pedidos de quem quer recomeçar a vida, em Caxias 

Em dezembro de 2017, quando a reportagem do Pioneiro esteve na casa de passagem São Francisco de Assis, não imaginava que ajudaria a construir uma ponte entre Debetio e o padre Renato Ariotti. Ao ler a reportagem sobre a campanha Se esse Natal Fosso Meu, o padre viu uma história que lhe chamou atenção: uma pessoa com o mesmo nome e que queria um presente simples. 

— Quando vi que um Renato, meu xará, queria um relógio, fui atrás para encontrá-lo. Queria dar a oportunidade de fazer um Natal diferente para uma pessoa. Nossa paróquia trabalha no auxílio aos papeleiros, e achei que ele também fosse — conta o pároco da Igreja de Santa Catarina. 

Debetio não era papeleiro. Estava imerso nas drogas e sem um lar. Dormiu na rua e, quando não era expulso, passava as noites nas cadeiras do Pronto-Atendimento 24 Horas. Quando teve a oportunidade de participar da campanha, pediu um relógio. Mas não pela beleza do objeto ou para simplesmente ver as horas. 

— Quero um relógio para não ter mais atrasos na vida — disse Debetio ao Pioneiro naquele dezembro de 2017. 

O atraso começou quando ele ainda era jovem. Aos 20 anos, começou a trabalhar no extinto Bamerindus, depois no Banco Mercantil do Brasil até ser contratado por uma transportadora. Ficou 10 anos na gerência. 

Perdeu o emprego e começou a trabalhar com transporte. Primeiro na Visate e, depois, em uma empresa de transporte particular. Aí, veio o álcool, a maconha e, depois, a droga mais pesada. 

— Usava cocaína direto, todo o dia para ficar acordado, pois eu trabalhava só de madrugada. E nesse período comecei a ficar dependente e o consumo de álcool aumentou — lembra. 

Além de motorista, Debetio fazia esculturas em madeiras. Cuidava da ex-sogra e construiu uma casa no terreno dela, onde morava e fazia sua arte. Em 2016, com a morte da mulher, perdeu o lar. Sem conseguir se livrar das drogas, teve de encarar a rua. E na primeira noite, as lágrimas. 

— Fui lá no bairro Esplanada para beber. Não tinha dinheiro e fui a pé. Mas lá eu tinha crédito. Bebi, bebi e bebi. Mas quando eu estava indo para lá, olhei uma caixa de papelão e separei em um canto. Quando voltei, peguei a caixa e me deitei embaixo de uma marquise. Mas chorei demais. Estava muito frio. Não consegui dormir e, na madrugada, fui a pé para o centro. 

Debetio passou a noite no Postão. Dormiu sentado. Sempre bêbado ou drogado — ou os dois. Quando era expulso pela segurança, tinha de encontrar outro lugar para esperar a manhã seguinte. 

Numa dessas vezes, alguém — que ele nunca mais encontrou — o apresentou ao Centro Pop Rua. Logo foi encaminhado para a casa de passagem São Francisco de Assis, onde dormia e se alimentava. Porém, as drogas e a bebida seguiam. 

Veio a reportagem do Pioneiro, o padre e o relógio. E para Debetio, uma nova chance.  

Insistência do padre levou Renato à recuperação

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL 13/12/2017Árvore solidária da Fundação de Assistência Social: moradores em situação de rua escreveram pedidos de Natal e colaram em uma árvore. Desejos vão de paz até um relógio de pulso. Na foto: Renato Debetio, 59 anos. (Felipe Nyland/Agência RBS)
Debetio, quando escreveu seu pedido de Natal em dezembro de 2017Foto: Felipe Nyland / Agencia RBS

Quando o padre Renato Ariotti ligou para a casa de passagem e pediu para falar com Debetio, o motorista achou que era um trote. O pároco pediu que fosse até a igreja, mas ele não aceitou o convite. Naquele momento, Debetio acreditava que, de fato, alguém estava brincando com ele. 

Dias depois, recebeu uma visita. 

— Eu estava na casa de passagem e me chamaram. Disseram que tinha alguém na frente querendo falar comigo. Que tinha cara de padre — brinca Debetio. 

O encontro dos Renatos foi selado com um abraço e a entrega do presente. 

No começo do ano, Debetio perdeu a primeira oportunidade de iniciar um tratamento para desintoxicação por conta de uma infecção. A segunda chance, ele agarrou com as duas mãos. Quando ganhou o presente do padre, teve também o apoio e incentivo do religioso para buscar uma vaga na comunidade terapêutica da Pastoral de Apoio ao Toxicômano Nova Aurora (Patna). 

— Eu estava na casa de duas mulheres no bairro Reolon. E lá era drogas e bebidas à vontade. Eu não queria mais aquilo. Pensei: "vou morrer". 

Após tomar a decisão de largar as drogas, o motorista chegou à fazenda da Patna no dia 31 de janeiro. Ele queria realmente parar de perder tempo: 

— Eu não estava de brincadeira. Fiquei até 30 de outubro. Os nove meses. E saí outra pessoa. 

Buscar a recuperação fez com que Debetio reencontrasse coisas boas da vida que havia trocado pelo álcool e pelas drogas.  Como as filhas. Desde que decidiu que queria o tratamento, ele contou com apoio de Anna Liz Debetio, 24 anos. Bailarina e professora de dança, ela acreditava ter perdido o pai para o vício. 

— Me vi obrigada a me afastar dele por causa do alcoolismo. Percebi que ele só me procurava quando precisava de algo. E quando me distanciei, vi que ele sentiu medo de ficar sozinho. Foi aí que caiu a ficha dele. Quando ele decidiu, por conta própria, iniciar o tratamento, me vi com um pai de novo. Voltei a ter aquele pai da minha infância. Foi inexplicável. A gente se aproximou de uma forma. Não como pai e filha, mas como melhores amigos  — conta Anna Liz.

"Estou sorrindo. Nem lembro quanto tempo não sabia o que era isso"

Veio a primeira oportunidade de visitar a filha. Depois de seis meses internado, um almoço. Após nove meses de tratamento, a reaproximação de Anna Liz foi determinante para o pai. E para a bailarina, a chance de reconstruir um sonho que a dependência não conseguiu apagar. 

— Sempre sonhei em morar com meu pai. Desde que ele morava nos fundos da casa da minha vó. Pedia para ir morar com ele. E se Deus quiser, no ano que vem a gente vai conseguir — afirma a jovem. 

Depois de sair da comunidade terapêutica, Debetio vai à missa e participa dos encontros da Patna toda semana. E, principalmente, se mantem longe daquilo que quase causou a destruição completa da sua vida. Ganhou mais que um relógio. Conquistou amigos, reencontrou a convivência com a família e algo que há muito não sabia o que era. 

— Eu estou sorrindo. Nem lembro quanto tempo não sabia o que era isso. Eu tinha feito uma amizade com a solidão. E ela mata e destrói. Foram muitos anos. Cada dia é uma conquista. Hoje estou feliz. Dou valor até para o acordar _ garante. 

A cura da dependência Debetio nunca terá. Ele sempre precisará ficar vigilante, cuidar para que o vício não vença novamente. 

— O passado não se altera, o amanhã é incerto e eu vivo o hoje. Mas tem de olhar o retrovisor para ver de onde tu saiu e o buraco que tu cavou para ti mesmo. Para não acontecer de novo — avalia.

Renato Debetio pode até ter ganho um relógio, mas é impossível cronometrar nele a oportunidade que a vida lhe deu entre o Natal de 2018 e o deste ano. O nome Renato significa renascido. E é assim que ele vive dia após dia. 

Leia também
Relembre a disputa entre Visate e prefeitura para definir o valor da tarifa de ônibus em Caxias
Vinhos e espumantes brasileiros conquistam 80% mais medalhas no Exterior 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros