Carta ao "professor" Paulo Cancian - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória21/12/2018 | 09h44

Carta ao "professor" Paulo Cancian

Pelos 27 anos seguintes, o exercício do jornalismo nos aproximou em diversos outros momentos: profissionais, festivos, dramáticos... 

Carta ao "professor" Paulo Cancian Luis Carlos Leite / Agência RBS/Agência RBS
Paulo Cancian (segundo à esquerda, atrás), com colegas jornalistas como Alencar Verona, Antônio Braga, Roberto Hunnoff e Nereu de Almeida, em agosto de 1982, na redação do Pioneiro Foto: Luis Carlos Leite / Agência RBS / Agência RBS

Não conheci o Paulo Cancian jornalista. No final dos anos 1980, nos meses de janeiro e fevereiro, Cancian e sua família eram nossos vizinhos de praia. Daqueles que dividiam espaço nas areias de Areias Brancas e compartilhavam guloseimas, amenidades e fitas cassetes do Abba junto ao muro nanico de casa – em 1988, as grades e cercas elétricas ainda não isolavam os veranistas.

Sabia, do "alto" de meus 15 anos, que ele escrevia e era "da imprensa, do ramo da comunicação", áreas que sempre me interessaram – e que dali a pouco definiriam o rumo profissional do então estudante do Colégio La Salle. Quando finalizei o Segundo Grau – sim, não exisitia Ensino Médio em 1990 e esta é uma coluna de memórias –, tinha quase certeza que o jornalismo seria a opção. E o teste, para ver se era isso mesmo que eu queria, antes de prestar o vestibular, chegou por intermédio do “vizinho de praia”.

Cancian comandava, em 1991, a redação da icônica Folha de Hoje, a duas quadras de onde o aspirante a jornalista morava, na Rua Tronca, 3.004. Em março daquele ano, pintava uma vaga no arquivo fotográfico – e lá fomos nós, viver o dia a dia real daquilo que se via apenas nas novelas e filmes. Eram menos de cinco minutos até o trabalho,  e "o novato do arquivo" saía diariamente a pé para atuar na separação de fotografias, organização de copiões, envelopes e negativos, sempre no horário entre 17h30min e 22h30min, quando a redação "fervia".

Cancian – agora não mais o vizinho de praia, mas o editor-chefe do jornal que conseguiu o primeiro emprego para o filho do vizinho de praia – parecia viver em função do relógio. Coisa de jornalistas, dizia-se. Não tinha horários, nem folgas, nem finais de semana, tamanha a quantidade de demandas. Ficava, oficialmente, numa espécie de aquário envidraçado num canto da redação. Porém, lembro claramente de vê-lo circular por entre todos, cumprimentar a todos, saber de todos, não apenas da pauta do dia, da manchete, do texto que teria de ser entregue dali a 15 minutos para não atrasar a rodagem, do furo que daria na concorrência na manhã seguinte.

Em todas esses momentos, não era um chefe que eu, aos 18 anos, enxergava ali. Talvez por sua postura ter sido sempre a de estabelecer pontes, não barreiras. Com diálogo, respeito, olho no olho. Perante todos, sem distinção. Foram três meses como arquivista da Folha de Hoje, de 3 de abril a 1º de julho de 1991. Porém, pelos 27 anos seguintes, o exercício do jornalismo nos aproximou em diversos outros momentos, profissionais, festivos, dramáticos. Em todos eles, o indefectível e carinhoso "Ô, professor!" abria a conversa. Sim, o jornalista que tanto trabalhou e batalhou pela comunicação e seus profissionais nos últimos 50 anos referia-se aos amigos de todas as idades como se estivesse sempre a assimilar algo.

Verdadeiros mestres são assim: aprendizes eternos. Desde a manhã desta quinta-feira, ainda mais...

Leia mais:
Morre o jornalista Paulo Cancian, aos 67 anos, em Caxias do Sul
Governador José Ivo Sartori lamenta morte de Paulo Cancian, em Caxias
Políticos lembram do legado deixado por Paulo Cancian
Velório do jornalista Cancian ocorre nesta quinta-feira em Caxias do Sul
"Ele é um padrinho do Radicci", diz Iotti sobre Paulo Cancian
Cancian era exemplo de profissionalismo e humanidade, destacam ex-colegas


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros